Sociabilidades “negociadas” na Feira Central de Campina Grande/PB

Vanderlan Francisco Silva

Resumo


Resumo: Neste texto nós analisamos as formas de sociabilidades estabelecidas entre feirantes e fregueses na Feira Central de Campina Grande-PB. A realização da pesquisa foi motivada pela baixa produção de trabalhos e o interesse em conhecer as sociabilidades na principal feira da cidade paraibana. A pesquisa foi desenvolvida a partir da etnografia urbana, através de incursões, observações, conversas, circulação (itinerância) pelos variados espaços da feira e realização de trinta e duas entrevistas gravadas, sendo trinta e uma com os principais personagens destacados na pesquisa, das quais vinte e uma com feirantes, doze do gênero masculino e nove com mulheres. Foram entrevistados dez fregueses, sendo seis do gênero feminino e quatro homens. O administrador da feira foi igualmente entrevistado. Os resultados e conclusões mostram que no universo social da feira, as atividades comerciais surgem como formas de interação inicial, sobre as quais se desenvolvem várias outras possibilidades entre feirantes e fregueses, tais como laços de confiança, de intimidade, de amizade, conflitualidades etc.    

Palavras chave: Sociabilidades. Feira. Fregueses. Feirantes

 

 

“NEGOTIATED” SOCIABILITIES AT THE CENTRAL FAIR OF CAMPINA GRANDE-PB

 

 

Abstract: In this text we analyze the forms of sociability established between marketers and customers at the Central Fair of Campina Grande-PB. The research was motivated by the low production of works and the interest in knowing the sociability in the main fair in the city of Paraíba. The research was developed from urban ethnography, through incursions, observations, conversations, circulation (itinerancy) through the various spaces of the fair and the carrying out of thirty-two recorded interviews, thirty-one with the main characters highlighted in the research, of which twenty-one with marketers, twelve male and nine with women. Ten customers were interviewed, six female and four male. The fair administrator was also interviewed. The results and conclusions show that in the social universe of the fair, commercial activities emerge as forms of initial interaction, on which various other possibilities are developed between marketers and customers, such as bonds of trust, intimacy, friendship, conflict, etc.

Keywords: Sociabilities. Fair. Customers. Marketers


Palavras-chave


Sociabilidades. Feira. Fregueses. Feirantes

Texto completo:

375-398 PDF

Referências


AGIER, Michel. Encontros etnográficos. Interação, contexto, comparação. 1ª Ed, São Paulo, Editora EDUSP, Alagoas: Edufal, 2015.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. A Feira dos Mitos. A fabricação do folclore e da cultura popular (nordeste 1920-1950). São Paulo, Intermeios, 2013.

ARAÚJO, Giovanna de Aquino Fonseca. As feiras livres nortistas portuguesas e nordestinas brasileiras como lócus de trabalho, e de bens simbólicos na contemporaneidade in Anais do IV Congresso Internacional de História, Marigá-PR. Set. 2009ª. Disponível em

http://www.pph.uem.br/cih/anais/trabalhos/460.pdf. acesso em 25/08/2017.

ARAÚJO, Giovanna de Aquino Fonseca. Memória e oralidades dos feirantes luso-brasileiros sobre seu respectivo lócus de trabalho diário: aspectos de identificação e valores concebidos por esses sujeitos na contemporaneidade. Anais da ANPUH – XXV Simpósio Nacional de História – Fortaleza, 2009b. Disponível em http://anais.anpuh.org/wp-content/uploads/mp/pdf/ANPUH.S25.0741.pdf. acesso em 25/08/2017.

ARAÚJO, Giovanna de Aquino Fonseca. Requalificação espacial e elaboração de Inventário imaterial: duas experiências em andamento na centenária Feira Central de Campina Grande-PB. VI Congresso Internacional de História. Set. 2013. Disponível em http://www.cih.uem.br/anais/2013/trabalhos/475_trabaljo.pdf acesso em 25/08/2017.

ARAÚJO, Giovanna de Aquino Fonseca. Trajetória histórica conceitual sobre patrimônio imaterial e Cultural no Brasil e em Portugal tendo as Feiras1 como lugar de investigação. XXVII Simpósio nacional de história, Natal, julho 2013.Disponível http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364700080_ARQUIVO_textocompleto.pdfacesso em 25/08/2107.

BARBOSA, Maicon. Narrativas, conversações e alguns ritornelos em meio à feira livre. Ponto Urbe [online]. 2011. http://journals.openedition.org/pontourbe/1766. Acesso em maio de 2020.

BERGER, Peter & LUCKMANN, Thomas. A Construção Social da Realidade. 11ª ed., Petrópolis, Editora Vozes, 1994. (Col. Antropologia 5)

BLUMER, Herbert. A Sociedade como interação simbólica in COELHO, Maria Claudia (Organização) Estudos sobre interação: textos escolhidos. Rio de Janeiro, EDUEJ, 2013. pp. 75-90.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólic. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil,1998.

CARLOS, Ana F. O espaço urbano: novos escritos sobre a cidade. São Paulo, contexto, 2004.

CERTEAU, Michel. A Invenção do Cotidiano 1. Artes de fazer. Petropolis, Vozes,1998.

CHAUÍ, Marilena. Brasil. Mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo, Editora Perseu Abramo, 2000.

COSTA, Antônio Albuquerque da. Sucessões e coexistências do espaço campinense na sua inserção ao meio técnico-científico-informacional : a feira de Campina Grande na interface desse processo (dissertação), UFPE 2003.

DANTAS, Geovany Pachelly Galdino. “Feiras no nordeste”. Revista mercator, fortaleza, 2008, v. 7, n. 13. Disponível em http://www.mercator.ufc.br/index.php/mercator/article/view/11/7. Acesso em outubro de 2017.

FRÚGOLI Junior, Heitor. Sociabilidade urbana. Rio de Janeiro, Jorge Zahar ed, 2007.

GUIMARÃES. Camila Audi. Feira livre na celebração da cultura popular. 2010. 20p. Trabalho de conclusão de curso. São Paulo: USP. Disponível em: http://www.usp.br/celacc/ojs/index.php/blacc/article/view/140 Acesso em jan. 20128. P. 05.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: jogo como elemento da cultura. São Paulo, Perspectiva. 2012.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo, Centauro, 2001.

MASCARENHAS, Gilmar e DOLZANI, Miriam C. S. Feira livre e territorialidade popular e cultura na metrópole contemporânea In: revista eletrônica Ateliê geográfico. Goiania v. 2, n. 2 UFG – IESA agos/2008. P. 72-87.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8º ed. São Paulo, Hucitec, 2004.

NASCIMENTO, Walkiria do. Etnografia em uma feira livre; o cenário, o dia de feira, os personagens e a sociabilidade. In Etnografias urbanas: espaço imagem e diferença na cidade/ Luciana Maria ribeiro de Oliveira, Marco Aurélio Paz tella (orgs) – João Pessoa: GUETU, 2017, p. 229-271.

OLIVEIRA, Sâmala s. Olha o rapa: os feirantes e as artes do saber fazer cotidiano na feira central de Campina Grande (1970- 1983). Dissertação ( Mestrado em história, centro de humanidades, Universidade Federal de Campina Grande. Campina Grande, 2012.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Cidades visíveis, cidades sensíveis, cidades Imaginárias. In Revista Brasileira de História, vol.27, núm. 53, janeiro-junho, 2007, pp. 11-23 Associação Nacional de História São Paulo, Brasil.

PIZZIGNACO, Mila. Histórias que vos me nordestes: discursos sobre o “popular” em Campina Grande (PB). TCC (Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Instituto de Artes da UNESP para a graduação em Bacharelado e Licenciatura em Artes visuais). São Paulo, 2016.

RAMALHO, Maria de Lourdes Nunes. A Feira: o trovado encantado, Campina Grande: EDUEPB, 2011.

SILVA, Valmir Pereira de. Artes de Fazer a Feira: práticas e representações de negociação na Feira Central de Campina Grande. Dissertação de mestrado em Sociologia, UFCG, Campina Grande, 2005.

SIMMEL, Georg. Questões fundamentais da sociologia: indivíduo e sociedade. Rio de Janeiro, Jorg Zahar Ed.,2006.

SIMMEL, Georg. Le conflit. Paris, Éditions Circé, 1995

VEDANA, V iviane. “Fazer a Feira” estudo etnográfico das artes de fazer de feirantes e fregueses da feira livre de Epatur no contexto da paisagem de Porto Alegre. Dissertação (Mestrado, programa de pós graduação em Antropologia social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, janeiro de 2004.

VEDANA, Viviane. Fazer a feira e ser feirante: a construção cotidiana do trabalho em mercados de rua no contexto urbano. Horizontes antropológicos, vol. 29no 39, Porto alegre Jan/Jun 2013.

VEDANA, Viviane. No mercado tem de tudo que a boca come: estudo antropológico da duração das práticas cotidianas de mercado de rua no urbano contemporâneo. Tese (Doutorado em Antropologia Social)-Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em:

http://www.ufrgs.br/handle/10183/13338. Acesso em agosto 2017.




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.103457

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191