EVANGÉLICOS, MÍDIAS E PERIFERIAS URBANAS: QUESTÕES PARA UM DIÁLOGO SOBRE RELIGIÃO, CIDADE, NAÇÃO E SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL CONTEMPORÂNEO

Carly Machado

Resumo


O objetivo deste artigo é dialogar com as questões analíticas provocadas
por Paula Montero em seu artigo “Religião cívica, religião civil e religião pública: continuidades e descontinuidades”, destacando algumas reflexões específicas ao tomar como ponto de partida meus interesses acerca das relações entre o “meio evangélico” e o “problema da política” hoje no Brasil, com ênfase em questões articuladas ao tema da mídia, das questões urbanas, e das periferias. Em cada um dos tópicos abordados, procurarei explicitar o diálogo com o texto de Montero, e
aspectos pontuais da relação entre religião e política que a autora destaca em sua análise das expressões “religião cívica”, “religião civil”, e “religião pública”. Somando-me a outros autores neste campo de estudos, pretendi neste texto discutir não apenas o conteúdo, mas a forma da ação religiosa e política evangélica, pois esta compreensão é elemento crucial para uma análise densa do Brasil contemporâneo e suas transformações, dentre elas a forte ameaça evangélica à hegemonia Católica na produção dos termos do debate sobre política, nação, sociedade civil e cultura
no Brasil. Destaco dentre os temas discutidos, a centralidade de um olhar sobre a relação entre religião e mídia (esta última entendida como mediação, política, negócio, campo de sentidos, disputas, afetos e modo de ocupar vidas e territórios) como via analítica potente a fim de construirmos um quadro de referências consistente para um debate sobre o tempo e o espaço da política que vivemos no Brasil e no mundo na contemporaneidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8136.88039



Direitos autorais 2018 Carly Machado

Porto Alegre: UFRGS, IFCH, PPGAS, 1997 – Semestral - ISSN 1519-843X – ISSN 1982-8136 (eletrônico) Os conteúdos de Debates do NER estão licenciados em CC BY.