FIGURAÇÕES DA RELIGIÃO CRISTÃ EM JOSÉ DE ALENCAR: ENTRE SANTOS, ERRANTES E AMALDIÇOADOS

Autores

  • Rafaela Mendes Mano Sanches Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.22456/2236-6385.92221

Palavras-chave:

Religião cristã, Romance histórico, Crônicas.

Resumo

O artigo tem como objetivo estudar a representação da religião cristã nas narrativas ficcionais As Minas de Prata e Alfarrábios, de José de Alencar, a partir de figurações de práticas culturais que envolvem as tradições eruditas e populares do Brasil Colonial. Em ambas as obras, o registro da religião apreende as manifestações do povo e o imaginário coletivo entorno do mito cristão, e confere dignidade à temática da fundação do país, cuja memória é perpetrada pelas práticas dos jesuítas e de sua catequese, pelas tradições dos santos e pelo imaginário cristão sobre os motivos da maldição. O estudo atenta-se ao modo como Alencar opera com diferentes repertórios relacionados à religião católica; por um lado, o popular, povoado pela mistura de crenças religiosas, e por outro, o erudito, entrevisto nas práticas dos clericais, em profundo contato com a entidade coletiva. Entre sagrado e profano, entre santos e demônios, José de Alencar constrói uma quimera religiosa em suas obras, rompendo com a pretensa visão homogênea de religião cristã cultuada no Império.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela Mendes Mano Sanches, Universidade Estadual Paulista

A autora realizou pós-doutorado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Sergipe (CAPES/PNPD), e, atualmente, é pós-doutoranda (Bolsista CAPES/PNPD) do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual Paulista, campus de São José do Rio Preto, Estado de São Paulo, Brasil. Possui doutorado em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Referências

A ABELHA RELIGIOSA. Rio de Janeiro,1854.

ALENCAR, José de. Alfarrábios: crônicas dos tempos coloniais. Rio de Janeiro: Garnier, 1872.

______. O Jesuíta. Rio de Janeiro: Garnier, 1875.

______. Como e porque sou romancista. Rio de Janeiro: Tip. de G. Leuzinger & Filhos, 1893.

______. As Minas de Prata. In: ___. Obra completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1958a. p. 418-1257.

______. Alfarrábios: crônicas dos tempos coloniais. In: ___. Obra completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1958b. p.1268-1496.

______. Como e porque sou romancista. Campinas: Pontes, 2005.

BAKTHIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 1993.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro, São Paulo, SP: Global, 2002.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. Rio de Janeiro: Tipografia do Diário, 1853.

SUE, Eugène. O Judeu Errante. São Paulo: Brasil Editora, 1963.

Downloads

Publicado

2019-10-15

Como Citar

SANCHES, R. M. M. FIGURAÇÕES DA RELIGIÃO CRISTÃ EM JOSÉ DE ALENCAR: ENTRE SANTOS, ERRANTES E AMALDIÇOADOS. Cadernos do IL, [S. l.], n. 58, p. 134–149, 2019. DOI: 10.22456/2236-6385.92221. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/cadernosdoil/article/view/92221. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos de estudos literários