Os jesuítas no Marañón: Pablo Maroni e sua proposta para o desenvolvimento das Missões de Maynas

Roberta Fernandes Santos

Resumo


As Missões de Maynas foram fundadas pelos jesuítas em 1638, em uma parte do território que hoje em dia conhecemos como Amazônia. Os missionários jesuítas foram os responsáveis pela pacificação e redução da maior parte dos índios do Marañón e seu projeto de ocupação foi o único considerado viável para aquela região periférica do império colonial espanhol. Sendo assim, o estudo da experiência jesuítica nas Missões de Maynas pode fornecer-nos dados importantes para a compreensão da dinâmica colonial em outros territórios também considerados marginais ou periféricos. Neste artigo, apresentamos o processo de fundação e constituição das Missões de Maynas, realizamos um
debate com a bibliografia sobre as missões jesuíticas e sobre a especificidade da escrita na Companhia de Jesus e analisamos parte do documento Noticias Auténticas del Famoso Rio Marañón, escrito pelo jesuíta Pablo Maroni entre 1730 e 1738. Destacamos sua proposta para o desenvolvimento das Missões de Maynas e a viabilidade desse projeto.


Palavras-chave


Jesuítas; Missões; Maynas; Indígenas

Texto completo:

PDF

Referências


BOXER, Charles R. A Igreja militante e a expansão ibérica: 1440-1770. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CASTELNAU- L’ESTOILE, Charlotte. Operários de uma vinha estéril: os jesuítas e a conversão dos índios no Brasil 1580-1620. São Paulo: EDUSC, 2006.

DOWNES, Peter. Jesuitas en la Amazonía: experiencias de Brasil y Quito. In: HERNÁNDEZ PALOMO, José Jesús; MORENO JERIA, Rodrigo (coord.). La Misión y los Jesuítas en la América Española, 1566-1767: Cambios y Permanencias. Sevilla: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, Escuela de Estudios Hispano-Americanos, 2005.

EISENBERG, José. As missões jesuíticas e o pensamento político moderno: encontros culturais, aventuras teóricas. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

FIGUEROA, Francisco de S. J. Informe de las Misiones en el Marañón, Gran Pará o Río de las Amazonas (1661). Iquitos: CETA–IIAP, p. 143-309, 1986. [Coleção Monumenta Amazónica, série B-1].

GOLOB, Ann. The Upper Amazon in Historical Perspective. PHD, Nova Iorque: Universidade de Nova Iorque, 1982.

MARONI, Pablo S. J. Noticias Auténticas del Famoso Rio Marañón (1738). Iquitos: CETA–IIAP, p. 87-395, 1988. [Coleção Monumenta Amazónica, série B-4].

MARTIN RUBIO, Maria del Carmen. Historia de Maynas, un paraiso perdido en el Amazonas (Descripciones de Francisco Requena). Madrid: Ediciones Atlas, 1991.

MARTINS, Maria Cristina Bohn. Sobre “agir muy poco á poco hasta tenellos ganados”: as Instruções do Padre Diego de Torres Bollo para a missão entre os guaranis. In: ALMEIDA, Suely Creusa Cordeiro de; SILVA, Gian Carlo de Melo; RIBEIRO, Marília de Azambuja. Cultura e Sociabilidade no Mundo Atlântico. Recife: Editora Universitária, 2012.

MELIÀ LLITERAS, Bartomeu. Mision por reduccion. Suplemento antropológico. Asunción, v. 6, n. 1, jun. 1991.

MELIÀ LLITERAS, Bartomeu. El Guaraní Conquistado y Reducido: ensayos de etnohistoria. Asunción: Centro de Estudios Antropológicos de la Universidad Católica, 1993.

POMPA, Cristina. Religião como tradução: missionários, Tupi e “Tapuia” no Brasil Colonial. São Paulo: EDUSC, 2003.

PORRAS, Maria Elena. Gobernacion y Obispado de Mainas (siglos XVII y XVIII). Quito: Abya Yala e Taller de Estudios Historicos (TEHIS), 1987.

SILVA, Giovani José da; NASCIMENTO, Bruno Rafael Machado. Américas Indígenas “Periféricas”: nativos e jesuítas em Oiapoque e Chiquitania. Habitus. Goiânia, v. 15, n. 1, p. 137-158, jan./jun. 2017.

TORRES LONDOÑO, Fernando. A cristianização nos confins. Missionários, soldados, índios amigos e índios a converter. Atores e papéis nas crônicas de Maynas. In: AGNOLIN, Adone; ZERON, Carlos Alberto de Moura

Ribeiro; WISSENBACH, Maria Cristina Cortez; MELLO E SOUZA, Marina de. Contextos Missionários: Religião e Poder no Império Português. São Paulo: Editora Hucitec; FAPESP, 2011.

TORRES LONDOÑO, Fernando. Visiones jesuíticas del Amazonas en la Colonia: de la misión como dominio espiritual a la exploración de las riquezas del río vistas como tesoro. Anuario Colombiano de Historia Social

y de la Cultura, v. 39, n. 1, p. 183-213, 2012.

TORRES LONDOÑO, Fernando; MARTINS, Fredson Pedro. Jesuítas, indígenas e o código religião nas crônicas de Maynas, Mojos e Chiquitos no século XVIII. Revista História e Cultura. Franca, v. 3, n. 2, p. 188-213, 2014.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem – e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

MARTINS, Maria Cristina Bohn. Sobre “agir muy poco á poco hasta tenellos ganados”: as Instruções do Padre Diego de Torres Bollo para a missão entre os guaranis. In ALMEIDA, Suely Creusa Cordeiro de; SILVA, Gian Carlo de Melo; RIBEIRO, Marília de Azambuja. Cultura e Sociabilidade no Mundo Atlântico. Recife: Editora Universitária, 2012.

MELIÀ LLITERAS, Bartomeu. Mision por reduccion. Suplemento antropologico. Asunción, v.6, n.1, jun/1991. __________________________. El Guaraní Conquistado y Reducido: ensayos de etnohistoria. Asunción: Centro de Estudios Antropológicos de la Universidad Católica, 1993

POMPA, Cristina. Religião como tradução: missionários, Tupi e “Tapuia” no Brasil Colonial. São Paulo: EDUSC, 2003.

PORRAS, Maria Elena. Gobernacion y Obispado de Mainas (siglos XVII y XVIII). Quito: Abya Yala e Taller de Estudios Historicos (TEHIS), 1987.

RAMINELLI, Ronald. Imagens da Colonização: a representação do índio de Caminha à Vieira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

TORRES-LONDOÑO, Fernando. A cristianização nos confins. Missionários, soldados, índios amigos e índios a converter. Atores e papéis nas crônicas de Maynas. In AGNOLIN, Adone; ZERON, Carlos Alberto de Moura Ribeiro; WISSENBACH, Maria Cristina Cortez e MELLO E SOUZA, Marina de. Contextos Missionários: Religião e Poder no Império Português. São Paulo: Editora Hucitec, FAPESP, 2011.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.99513