Feminismo vende? Apropriações de discursos democráticos pela publicidade em Claudia (1970-1989)

Soraia Carolina de Mello

Resumo


Este artigo propõe estabelecer relações entre publicidade, feminismos e democracia nas décadas de 1970 e 1980 no Brasil, sem perder de vista o diálogo de tais temáticas com a contemporaneidade. Para tanto, foram consultados 168 números da Revista Claudia publicados entre 1970 e 1989, de onde se escolheram alguns anúncios publicitários. Foram analisados especificamente os anúncios que se apropriaram de motes, palavras de ordem e slogans democráticos e feministas, com o objetivo de tentar compreender de que formas as tensões entre movimentos sociais, luta por democracia e mercado transpareceram no periódico. A ideia da publicidade como espaço de informação e educação, e seu potencial como divulgadora de ideias feministas ou propagadora de estereótipos de gênero, também é abordada no artigo, que pensa sobre a produção de subjetividades na Revista Claudia no período analisado. O debate apresentado é historicizado utilizando principalmente teorias feministas, os estudos culturais e as noções de subjetivação / singularização.


Palavras-chave


Feminismos, Democracia, Publicidade, Revista Claudia, Estudos de Gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Heloísa Buarque de. Trocando em miúdos: gênero e sexualidade na TV a partir de Malu Mulher. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 27, n. 79, p. 125-137, jun. 2012.

BARBOSA, Lívia. Apresentação à edição brasileira. In: SLATER, Don. Cultura do consumo e modernidade. São Paulo: Nobel, 2002.

BARBOSA, Lívia; CAMPBELL, Colin. O estudo do consumo nas ciências sociais contemporâneas. In: ________. (Orgs.). Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

BÉDARIDA, François. Tempo presente e presença da história. In: FERREIRA, Marieta de Moraes, AMADO, Janaína (Orgs.). Usos e abusos da História Oral. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

BENTO, Berenice. “Pinkwashing à brasileira”: do racismo cordial à LGBTTTfobia cordial. Cult, online, 16 de dezembro de 2015. Disponível em: < https://revistacult.uol.com.br/home/pinkwashing-brasileira-do-racismo-cordial-lgbtttfobia-cordial/> Acesso em 27/01/2019.

BRASIL. Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Nota técnica número 38. Rio de Janeiro, Brasil: IBGE, 2018. Disponível em: Acesso em 27/01/2019.

BUITONI, Dulcília H. S. Mulher de papel: a representação da mulher na imprensa feminina brasileira. São Paulo: Edições Loyola, 1981.

CONAR abre processo sobre anúncio da Duloren. Folha de São Paulo. São Paulo, quarta, 14 de janeiro de 1998. Disponível em: Acesso em 16/01/2019.

COSSE, Isabella. Claudia: la revista de la mujer moderna en la Argentina de los años sesenta (1957-1973). Mora (B. Aires), Ciudad Autónoma de Buenos Aires, v. 17, n. 1, jul. 2011.

COSTA, Claudia de Lima; FUNCK, Susana Bornéo. O Antropoceno, o pós-humano e o novo materialismo: intervenções feministas. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 2, p. 903-908, mai. 2017.

COSTA, Claudia de Lima. Os estudos culturais na encruzilhada dos feminismos materiais e descoloniais. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 44, p. 79-103, dez. 2014.

DOUGLAS, Mary. O mundo dos bens, vinte anos depois. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, v. 13, n. 28, p. 17-32, dez. 2007.

DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron C. The world of goods. New York: Basic Books, 1979.

DUARTE, Ana Rita Fonteles. Carmen da Silva: o feminismo na imprensa brasileira. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2005.

FARREL, Amy Erdman. A Ms. Magazine e a promessa do feminismo popular. São Paulo: Barracuda, 2004.

FÁVERI, Marlene de. O Mundo é das Mulheres – Heloneida Studart e o Feminismo na Revista Manchete. Ártemis, v. 18, p. 103-115, 2014.

FERREIRA, Marieta de Moraes. Notas iniciais sobre a história do tempo presente e a historiografia no Brasil. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 23, p. 80-108, jan./mar. 2018.

FRIEDAN, Betty. Mística Feminina. Petrópolis: Vozes, 1971.

GÓMEZ, Ava; ESTER, Bárbara. Feminização da pobreza na América Latina se agrava com guinada neoliberal da região. Opera Mundi, online, 08 de março de 2017. Disponível em: Acesso em 27/01/2019.

GOMES, Laura Graziela. Madame Bovary ou o consumo moderno como drama social. In: BARBOSA, Lívia; CAMPBELL, Colin (Orgs.). Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: FGV, 2006, p. 65-88.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis, Vozes, 2010.

HEMMINGS, Clare. Contando estórias feministas. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 215-241, jan. 2009.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HUNT, Lynn. A invenção dos direitos humanos: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

KOSELLECK, Reinhard. Futuro passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Editora PUC Rio, 2006.

KLEIN, Naomi. Sem logo: a tirania das marcas em um planeta vendido. Rio de Janeiro: Record, 2002.

LARA, Bruna de. Como o feminismo de mercado engana você. The Intercept Brasil, online, 15 de janeiro de 2019. Disponível em: Acesso em 27/01/2019.

MILLER, Daniel. The poverty of morality. Journal of Consumer Culture, v. 1, n. 2, p. 225-243, jul. - nov. 2001.

MURARO, Rose Marie. A mulher brasileira e a sociedade de consumo. In: FRIEDAN, Betty. Mística Feminina. Petrópolis: Vozes, 1971, p. 7-10.

NECKEL, Roselane. Pública vida íntima: a sexualidade nas revistas femininas e masculinas (1969-1979). 2004. Tese (Doutorado em História) – PUC/SP, São Paulo.

NOBRE, Jéfferson; BERNARDI, Denise. Capitalista e capitalístico. Website do Projeto e-Psico, do Departamento de Psicologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), s/d. Disponível em: Acesso em 27/01/2019.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

PEDRO, Joana Maria. Relações de gênero como categoria transversal na historiografia contemporânea. Topoi, v. 12, n. 22, p. 270-283, jan.-jun. 2011.

SANTOS, Rochelle Cristina dos. Lute como uma garota: os feminismos e a campanha de Femvertising #LikeAGirl. 2018. 293 f. Tese (Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Versão da defesa.

SCOTT, Joan. A cidadã paradoxal: as feministas francesas e os direitos do homem. Florianópolis, Mulheres, 2002.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SLATER, Don. Cultura do consumo e modernidade. São Paulo: Nobel, 2002.

THÉBAUD, Françoise. Introdução. In: DUBY, Georges & PERROT, Michelle. História das mulheres no Ocidente. Porto: Edições Afrontamento, 1991.

VESTERGAARD, Torben; SCHRODER, Kim. A linguagem da propaganda. São Paulo: Martins Fontes, 1988.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.90019

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul