“Que Possamos Ser o que Somos”: memórias sobre o Movimento Gay de Alfenas no processo de luta pelos direitos de cidadania LGBT (2000-2018)

Marta Gouveia de Oliveira Rovai

Resumo


O artigo pretende apresentar parte da pesquisa que nasceu do diálogo com membros do Movimento Gay de Alfenas (MGA), fundado no ano de 2000, no sul de Minas Gerais. A organização tem atuado na defesa dos direitos humanos, em questões jurídicas e em manifestações culturais e políticas, lutando contra o preconceito de parte da sociedade, que desconhece sua história de luta e suas conquistas. Em negociação com seus membros, desenvolveu-se um levantamento de documentos fotográficos, fílmicos e registros escritos, além da escuta em entrevistas semi-estruturadas, sobre suas experiências na militância LGBT. Este texto procura apresentar parte da memória coletiva expressa por meio da história oral de vida de quatro de seus membros mais antigos, procurando valorizar sua trajetória como grupo e refletir sobre a constituição de uma identidade permeada por consensos, mas também por disputas e discordâncias em torno de sua história e dos significados que ela tem para a pluralidade de indivíduos que a compõem. Pretende-se contribuir, com este trabalho, na produção de uma história pública com a comunidade, ampliando as formas de registro, de acesso e de divulgação de suas histórias e memórias.


Palavras-chave


Movimento Gay de Alfenas; memórias; história; identidades

Texto completo:

PDF

Referências


BENTO, B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

FACCHINI, R. Sopa de letrinhas?: movimento homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 1990. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

GÓIS, J. B. H. Desencontros: as relações entre os estudos sobre a homossexualidade e os estudos de gênero no Brasil. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 289-97, jan./jun. 2003.

LIMA, A. M. Entre o universal e o particular: os direitos humanos LGBT em Belo Horizonte e Lisboa In MARTINS, H. et al. Psicologia social: raça, etnia e gênero. Florianópolis: Abrapso, 2015.

LÜCHMANN, L. H. H.; SOUSA, J. T. P. Geração, democracia e globalização: faces dos movimentos sociais no Brasil contemporâneo. Serviço Social & Sociedade. N. 84, p.91-117, nov. 2005.

MELUCCI, A. Invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes, 2001.

MEIHY, J. C. S. B; HOLANDA, F. História Oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Autêntica, 2006.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, v.5, n.10, 1992, p. 200-212.

PRADO, M. A. M. Psicologia política e direitos humanos: tensões da relação indivíduo e bem comum. In GUERRA, A. et al. Psicologia Social e Direitos Humanos. B. H: Campo Social, 2002.

PRADO, M. A. M.; MACHADO, F. V. Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade. São Paulo: Cortez, 2008.

PRECIADO, P. B. Manifesto Contrassexual. São Paulo: n1 edições, 2014.

SCOTT, J. W. O enigma da igualdade. Estudos Feministas. Vol. 13, nº 1, Jan-Abr, 2005.

SILVA, A.S. Memória, Consciência e Políticas Públicas: as Paradas do Orgulho LGBT e a construção de políticas públicas inclusivas. Revista Electrónica de Psicología Política. Año 9 Nº 27, março de 2012, p.111-142.

VILLACORTA, A. & RODRIGUEZ, M. Metodologias e ferramentas para implementar estratégias de empoderamento. In ROMANO, J. & ANTUNES, M. (Org.). Empoderamento e direitos no combate à pobreza. Rio de Janeiro: ActionAid Brasil, 2002. p. 45-66.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.89951

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul