“Constituinte pra valer tem que ter palavra de mulher”: Movimento de Mulheres do IAJES, Movimento Regional de Mulheres e a luta por democracia no Brasil

Cíntia Lima Crescêncio, Mariana Esteves de Oliveira

Resumo


O objetivo do presente artigo é apresentar a mobilização do Movimento de Mulheres do Instituto Administrativo Jesus Bom Pastor (IAJES) e do Movimento Regional de Mulheres (MRM), rede formada no interior de São Paulo e Mato Grosso do Sul, na construção da Carta das Mulheres aos Constituintes de 1987. A Carta, resultado de histórica campanha intitulada Mulher e Constituinte, do
Conselho Nacional de Direitos da Mulher (CNDM), foi resultado de ampla discussão a nível nacional de inúmeros movimentos de mulheres e feministas que, entre 1985 e 1987, debateram e coletaram assinaturas para garantir “demandas das mulheres” na nova Constituição (1988). Para tal, são analisados relatórios, atas e demais documentos dos grupos que se encontram reunidos no acervo do IAJES, que integra o Núcleo de Documentação Histórica Honório de Souza Carneiro (NDH), da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campus de Três Lagoas. Realizando um jogo de escala, o grupo de mulheres do IAJES,
que compunha o MRM, será desvelado como forma de explicitar as dinâmicas e ações cotidianas das mulheres comuns que assinam a carta. A documentação selecionada permite uma reflexão fundamental sobre os movimentos de mulheres e feministas de ontem e de hoje, bem como as sensíveis aproximações e afastamentos desses grupos.


Palavras-chave


mobilização; Constituinte; movimentos de mulheres e feministas; democracia; cidadania.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Marivalda. IAJES: uma entidade em movimento, Monografia apresentada à Faculdade de Serviço Social de Lins. Lins: 1989.

ANJOS, Gabriele dos. Mulheres todas santas: participação de mulheres em organizações religiosas e definições de condição feminina em igrejas cristãs no Rio Grande do Sul. Tese de Doutorado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UFRS. Porto Alegre: FEE, 2009.

AUAD, Daniela. Educação para a democracia e co-educação: apontamentos a partir da categoria gênero. Revista USP, São Paulo. N. 56, p. 136-143, dezembro-fevereiro/2002-2003.

BOUTELDJA, Houria. Raça, classe e gênero: uma nova divindade de três cabeças. Cadernos de Gênero e Diversidade. Vol 02, N. 02 -Jul.-Dez., 2016.

BUTLER, Judith. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CRENSHAW, Kimberlé Documento para encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, p. 171-188, Florianópolis,Vol. 10, n. 1/2002.

CRESCÊNCIO, Cintia Lima; WOLFF, Cristina Scheibe; PEDRO, Joana Maria. Ondas, Mitos e Contradições: feminismos em tempos de ditaduras no Cone Sul. In: Marcos Antônio Monte Rocha. (Org.). Coleção Gênero, Cultura e Mudança: Feminismos Plurais. 1ed. V. 1, p. 53-70.Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2016.

DOIMO, Ana Maria. A vez e a voz do popular nos movimentos sociais e participação política no Brasil pós-70. Rio de Janeiro, Relume-Dumará: ANPOCS, 1995.

FERNANDES, Maria Esther. A reforma agrária no discurso dos lavradores da Fazenda Primavera. Tese de Doutoramento em Comunicação. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1985.

GOLDBERG, Anette. Feminismo e Autoritarismo: A Metamorfose de uma Utopia de Libertação em Ideologia Liberalizante. Tese de Mestrado. Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ – Brasil. Outubro de 1987.

GONÇALVES, Janice. “História e memória dos movimentos sociais: em torno da preservação de seus registros”. In: ANAIS do II Seminário Internacional de Educação Intercultural, Gênero e Movimentos Sociais. UFSC, Florianópolis: dezembro de 2003.

HEMMINGS, Clare. Contando estórias feministas. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 17(1): 296, p. 215-241, janeiro-abril/2009.

HUNT, Lynn. A invenção dos Direitos Humanos: uma história. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

MARQUES-PEREIRA, Berenguer. Cidadania. In: HIRATA [et all] [orgs]. Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

MOUFFE, Chantal. Feminismo, cidadania e política democrática radical. Debate Feminista. Ed. Especial Cidadania e Feminismo, México/São Paulo, p. 29-47, 1999.

OLIVEIRA, Mariana Esteves. O grito abençoado da periferia: movimentos populares entre a religião e a política no noroeste paulista. Curitiba: Editora CRV, 2016.

______. Lutar, anotar e lembrar: Uma reflexão sobre a produção da memória dos movimentos populares e suas possibilidades de pesquisa. Anais do XXIV Simpósio Nacional de História da ANPUH. São Leopoldo: ANPUH, 2007.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

PEDRO, Joana Maria. O feminismo que veio da França. In: PEDRO, Joana Maria; ISAIA, Artur César; DITZEL, Carmencita de Holleben Mello (Orgs.). Relações de poder e subjetividades. Ponta Grossa: Todapalavra, 2011.

______. Os feminismos e os muros de 1968, no Cone Sul. Clio - Série Revista de Pesquisa Histórica. N. 26-1, p. 59-82, 2008.

PERROT, Michelle. Práticas da memória feminina. Revista Brasileira de História, 9( 18), São Paulo, ANPUH, 1989

PINTO, Céli Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2003.

______. Feminismo, História e Poder. Revista de Sociologia e Política. V. 18, Nº 36: p. 15-23, junho de 2010.

______. Mulher e política no Brasil: os impasses do feminismo enquanto movimento social, face às regras do jogo da democracia representativa. Revista Estudos Feministas, Ano 2, Florianópolis, p. 256-270, 2º semestre de 1994.

PITANGUY, Jacqueline. A Carta das Mulheres Brasileiras aos Constituintes: memórias para o futuro. . IN: BERTOLIN, Patrícia Tuma Martins (et all) (org). Carta das Mulheres Brasileiras aos Constituintes: 30 anos depois. São Paulo: Autonomia Literária, 2018. p. 11-35.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: UNESP, 1993.

SCHERER-WARREN, Ilse. Redes de movimentos sociais. São Paulo: Loyola, 1996.

TELES, Amelinha; LEITE, Rosalina Santa Cruz. Da guerrilha à imprensa feminista:a construção do feminismo pós-luta armada no Brasil (1975-1980). São Paulo: Intermeios, 2013.

TELES, Maria Amélia de Almeida. A prisão de mulheres na primeira semana de instalação da Constituinte. IN: BERTOLIN, Patrícia Tuma Martins (et all) (org). Carta das Mulheres Brasileiras aos Constituintes: 30 anos depois. São Paulo: Autonomia Literária, 2018. p. 354-359.

VARIKAS, Eleni. Refundar ou reacomodar a democracia? Reflexões críticas acerca da paridade entre os sexos. Revista Estudos Feministas, N. 1, pp. 65-94, Florianópolis, 1996.

Fontes:

IAJES, Relatório das Comunidades de Andradina, 1976.

Caderno IAJES. Andradina, 1979.

Caderno Mulher-Povo. IAJES, Andradina, 1982.

Relatório do V Encontro Regional de Mulheres, São José do Rio Preto/SP, 21 de abril de 1984.

Documento do VII Encontro Regional de Mulheres: Direitos que nós queremos ver na Constituição, Bauru/SP, 20 de Outubro de 1985.

Relatório do VIII Encontro Regional de Mulheres, Três Lagoas/MS, 4 de maio de 1986.

Relatório do IX Encontro Regional de Mulheres, Fernandópolis/SP, 5 de outubro de 1986.

Movimento Regional de Mulheres – Histórico e Lutas, Lins/SP, outubro de 1987.

Carta das Mulheres aos Constituintes de 1987, CNDM, Brasília/DF, 1987.

Constituição de 1988. Disponível em:

http://www2.camara.leg.br/legin/fed/consti/1988/constituicao-1988-5-outubro-1988-322142-publicacaooriginal-1-pl.htmlAcesso em 18 de janeiro de 2019.

Relatório da Comissão do Movimento Regional de Mulheres – Bauru, 1991.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.89908

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul