O que nos faz humanos? Maria Lídia Magliani e a solidão do corpo em tempos fascistas

Gregory da Silva Balthazar

Resumo


No presente artigo, objetivamos pensar o conceito de rosto de Judith Butler como um operador decisivo de uma ética intersubjetiva em tempos de fascismos individualizantes. Para tanto, trazemos a debate as pinturas de Maria Lídia Magliani, problematizando, assim, sua potência em nos sugerir possibilidades de repensarmos, conjuntamente, o próprio sentido do que nos faz humanos.

Palavras-chave


gênero; imagem; intersubjetividade.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBER, S. Exit Virginia. In: TAYLOR, D.; VINTGES, K. (Edt.). Feminism and the Final Foucault. Chicago: University of Illinois Press, 2004, p. 41-64.

BARBOSA, L. Os filhos que Magliani larga pelo mundo. Diário do Sul, n.p., 9 mar. 1987.

BRANDALISE, I. As figuras de Magliani. Folha da Tarde, p. 27, 02 mai. 1979.

BRINQUEDO DE ARMAR, a nova série de Magliani. Correio do Povo, 20 maio 1979, p. 27.

BULHÕES, M. Sem título, com palavras. Praver, n. 5, p. 4, abr. 1985.

BUTLER, J. Precarious life. London & New York: Verso, 2004.

BUTLER, J. Giving an account of oneself. New York: Fordham University Press, 2005.

BUTLER, J. Frames of war. London & New York: Verso, 2010.

BUTLER, J. Caminhos divergentes. São Paulo: Boitempo, 2017.

DIDI-HUBERMAN, G. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34, 2010.

FERREIRO, A. Lydia Magliani con su amarga vision del hombro. Ultima Hora, s./p., 1983.

FOUCAULT, M. What is Critique? In: FOUCAULT, M. The Politics of Truth. New York: Semiotext(e), 1997.

FOUCAULT, M. O anti-Édipo. In: FOUCAULT, M. Ditos e escritos VI. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013, p. 103-106.

MARCELLO, F. Cinema e educação: da criança que nos convoca à imagem que nos afronta. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 38, p. 343-356, 2008. Disponível em: https://goo.gl/BvQAuA. Acesso em: 11 maio 2018.

MARQUES, C. Magliani: pintura para desafiar o coro dos contentes. Correio do Povo, p. 6, 22 mai. 1976.

MILLS, C. Undoing ethics. In: LLOYD, M. (Edit). Butler and ethics. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2015, p. 41-64.

MORAIS, A. Apresentação. Pinturas: grupo gaúcho. São Paulo: Centro Cultural Bonfiglioli, 1985.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2009.

ROSA, R. Magliani: a solidão do corpo. Porto Alegre: Pinacoteca Aldo Locatelli, 2013.

SANT’ANNA, D. B. de. Dietética e conhecimento de si. RAGO, M.; VEIGA-NETO, A. Para uma vida não-fascista. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. (Coleção Estudos Foucaltianos).

SCARINCI, C. Magliani: o teatro da alienação. Correio do Povo, p. 11, 15 maio 1967.

SCARINCI, C. Um animal debaixo da pele, fora da jaula. Diário do Sul, p. 11, 24 mar. 1987.

SONDERMANN, S. Ao longo dos anos, uma impressionante fidelidade a si mesma: Magliani. Folha da Tarde, 10 ago. 1977, n.p.

TIBURI, M. Como conversar com um fascista. Rio de Janeiro: Record, 2015.

TRIZOLI, Talita. Leituras feministas da arte de guerrilha – Anna Vitória Mussi, Theresa Simões, Sonia Andrade e Anna Maria Maiolino. Anais XXXVI Colóquio Brasileiro de História da Arte. Campinas: UNICAMP, 04/06-06/06, p. 571-579, 2016. Disponível em: https://goo.gl/cNoU35. Acesso em: 11 maio 2018.

UCHA, D. Magliani: “eles que estão dormindo”. Zero Hora, n.p., 11 set. 1977.

WOOLF, V. Three guineas. Oxford: Oxford University Press, 1992.

WOOLF, V. Orlando. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.89448

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul