“As partes do Norte”: império e identidades locais em relatos da natureza de Pernambuco e Paraíba (1790-1817)

José Inaldo Chaves Júnior

Resumo


No final do século XVIII, viajantes e naturalistas narravam outros cenários das paisagens nas capitanias do Norte, muitos dos quais desconhecidos ou, pelo menos, mal conhecidos. Muitas vezes sob o mecenato da Coroa, a tradicional cena protagonizada pelo canavial foi sendo recomposta por mais camadas de memória e conhecimento à moda da ilustração, encaminhadas pelas novas demandas que se apresentavam. Também se passou de uma América idealizada, oscilante entre o paraíso terreal e o lugar da danação da humanidade, para uma descrição pretensamente “científica” e utilitarista dos territórios. Foi nesse contexto que emblemáticas personagens como Bento Bandeira de Melo e Manoel de Arruda Câmara percorreram as capitanias do Norte e registraram o que viram, revelando como a diacronia natureza-cultura foi reposicionada pela chamada geração de 1790, que concluíra pela necessária transformação nas formas de produzir e utilizar os recursos naturais. Numa abordagem que aproxima a geografia do poder e a história das paisagens, o artigo também discute esses relatos da natureza como sintomas de uma regionalidade disputada no campo das identidades locais no Norte do Estado do Brasil, particularmente as ranhuras e descontinuidades impostas a secular capitalidade política e comercial do Recife.


Palavras-chave


Natureza; Identidades locais; Região; Capitanias do Norte; Século XVIII

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, José Otávio. A botânica como missão pedagógica: Manuel Arruda da Câmara e a peculiaridade de suas interpretações sobre as espécies brasileiras (1752-1811). Clio: Revista de Pesquisa Histórica, Recife, v. 29, n. 1, p. 180-205, 2011.

ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da USP, 1982.

BICALHO, Maria Fernanda. A cidade e o império: o Rio de Janeiro no século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BICALHO, Maria Fernanda. As câmaras ultramarinas e o governo do Império. In: FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda; GOUVÊA, Maria de Fátima (org.). O Antigo Regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 189-221.

BLOCH, Marc. Introdução à história. Lisboa: Europa-América, 1997.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulário portuguez e latino, áulico, anatômico, architectonico... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1720. t. VI, O-P. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/5442. Acesso em: 4 out. 2018.

CABRAL, Diogo de Carvalho. Na presença da floresta: Mata Atlântica e história colonial. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

CÂMARA, Manuel de Arruda. Obras reunidas. Organizado e com estudo introdutório por José Antônio Gonsalves de Mello. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1982.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre incertezas e inquietudes. Tradução Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Editora Universitária da UFRGS, 2002.

CHAVES, Cláudia Maria das Graças. O Memorialismo como ação política: a Real Academia de Ciêcias de Lisboa e os projetos reformistas no Império Luso-brasileiro. Revista Estudos, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 79-92, 2004.

CHAVES JR., José Inaldo. As Capitanias de Pernambuco e a construção dos territórios e das jurisdições na América portuguesa (século XVIII). 2017. 402 f. Tese (Doutorado em História Social) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2017a.

CHAVES JR., José Inaldo. Os Bandeira de Mello e os poderes locais na Paraíba colonial: redes, hierarquias e patrimônio familiar (c. 1747-c. 1780). Territórios e Fronteiras, Cuiabá, v. 8, p. 290-313, 2015.

DEAN, Warren. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. Tradução Cod Knipel. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DIAS, Maria Odila Leite. A interiorização da metrópole. In: DIAS, Maria Odila Leite. A interiorização da metrópole e outros estudos. 2. ed. São Paulo: Alameda, 2009. p. 7-37.

FAUST, Fernanda Cordeiro. “Em benefício comum de meus vassalos”: a magistratura e a administração das florestas na Capitania de Pernambuco (1755-1822). 2015. 210 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

FIGUEIREDO, Luciano Raposo. O império em apuros: notas para o estudo das alterações ultramarinas e das práticas políticas no Império colonial português, séculos XVII e XVIII. In: FURTADO, Júnia (org.). Diálogos oceânicos: Minas Gerais e as novas abordagens para uma história do Império ultramarino português. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001. p. 197-254.

FRAGOSO, João. Potentados coloniais e circuitos imperiais: notas sobre uma nobreza da terra, supracapitanias, no Setecentos. In: MONTEIRO, Nuno Gonçalo; CARDIM, Pedro; CUNHA, Mafalda Soares da (org.). Optima Pars: Elites Ibero-Americanas do Antigo Regime. Lisboa: ICS, 2005. p. 133-169.

FREYRE, Gilberto. Nordeste: aspectos da influência da cana sobre a vida do Nordeste do Brasil. 6. ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 1989.

FURTADO, João Pinto. “Viva o rei, viva o povo, e morra o governador”: tensão política e práticas de governo nas Minas do Setecentos. In: BICALHO, Maria Fernanda; FERLINI, Vera Lúcia do Amaral (org.). Modos de governar: ideias e práticas políticas no Império português. Séculos XVI a XIX. São Paulo: Alameda, 2005. p. 403-412.

GUEDES, Paulo Henrique de Queiroz. No íntimo do sertão: poder político, cultura e transgressão na Capitania da Paraíba (1750-1800). 2013. 319 f. Tese (Doutorado em História) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

HAESBAERT, Rogério. Regional-global: dilemas da região e da regionalização na geografia contemporânea. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

HERZOG, Tamar. Defining Nations: immigrants and citizens in Early Modern Spain and Spanish America. New Haven: Yale University Press, 2003.

HESPANHA, António Manuel. Pequenas repúblicas, grandes Estados: problemas de organização política entre antigo regime e liberalismo. In: JANCSÓ, István (org.). Brasil: formação do Estado e da Nação. São Paulo: Hucitec; Ed. Unijuí; Fapesp, 2003. p. 93-108.

KOSTER, Henry. Viagens ao nordeste do Brasil. Tradução Luís da Câmara Cascudo. 2. ed. Recife: Secretaria de Educação e Cultura do Governo do Estado de Pernambuco, 1978.

MACEDO, Helder Alexandre Medeiros de. “Fregueses da Freguesia da Vila Nova do Príncipe, d’onde sempre foram”: identidades territoriais no Seridó. In: MACEDO, Helder de; SANTOS, Rosenilson da Silva (org.). Capitania do Rio Grande: histórias e colonização na América portuguesa. João Pessoa: Ideia; Natal: EDUFRN, 2013. p. 265-287.

MAXWELL, Kenneth. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira, Brasil – Portugal, 1750-1808. Tradução João Maia. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

MELLO, Christiane Figueiredo Pagano de. Forças militares no Brasil colonial: corpos de auxiliares e ordenanças na segunda metade do século XVIII. Rio de Janeiro: E-papers, 2009.

MELLO, Evaldo Cabral de. A fronda dos mazombos: nobres contra mascates, Pernambuco 1666-1715. São Paulo: Editora 34, 2003.

MELLO, Evaldo Cabral de. Rubro veio: o imaginário da restauração pernambucana. 3. ed. rev. São Paulo: Alameda, 2008.

MELLO, José Antônio Gonsalves de. Estudo biográfico. In: CÂMARA, Manuel de Arruda. Obras reunidas. Organizado e com estudo introdutório por José Antônio Gonsalves de Mello. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1982. p. 11-74.

MENEZES, Mozart Vergetti. Colonialismo em ação: fiscalismo, economia e sociedade na Capitania da Paraíba (1647-1755). 2005. 300 f. Tese (Doutorado em História Econômica) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

MENEZES, Mozart Vergetti; CHAVES JR., José Inaldo. “A sempre leal cidade da Paraíba”: culturas históricas e culturas políticas em uma capitania do império português (séculos XVII e XVIII). Saeculum (UFPB), João Pessoa, v. 39, p. 351-370, 2018.

NOGUEIRA, Gabriel Parente. O negócio das carnes secas da costa leste-oeste nas dinâmicas do Atlântico português setecentista. In: ENCONTRO DE JOVENS INVESTIGADORES EM HISTÓRIA MODERNA, 4., 2015,

Porto. Programa: 4 de junho. Painel 2: Redes Económicas. Porto: Universidade do Porto, 2015. p. 1-19. Disponível em: https://ejihm2015.weebly.com/uploads/3/8/9/1/38911797/ejihm_2015_gabriel_parente_nogueira.pdf. Acesso em: 4 out. 2018.

OLIVEIRA, Carla Mary. A América alegorizada: imagens e visões do Novo Mundo na iconografia europeia dos séculos XVI a XVIII. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014.

PÁDUA, José Augusto. Natureza e sociedade no Brasil monárquico. In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (org.). O Brasil imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. v. 3. p. 313-365.

PÁDUA, José Augusto. Um sopro de destruição: pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista, 1786-1888. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

PAIVA, Eduardo França. Dar nome ao novo: uma história lexical da Ibero-América entre os séculos XVI e XVIII (as dinâmicas de mestiçagens e o mundo do trabalho). Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

PINTO, Irineu Ferreira. Datas e notas para a História da Paraíba. Edição Fac-similiar. João Pessoa: Editora Universitária, 1977. v. 1.

PUNTONI, Pedro Luís. A guerra dos bárbaros: povos indígenas e a colonização do sertão nordeste do Brasil, 1650-1720. São Paulo: Hucitec; Editora da USP; Fapesp, 2002.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. Tradução Maria Cecília França. São Paulo: Editora Ática, 1993.

RAMINELLI, Ronald. Nobrezas do Novo Mundo: Brasil e ultramar hispânico, séculos XVII e XVIII. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2015.

RAMINELLI, Ronald. Viagens ultramarinas: monarcas, vassalos e governo à distância. São Paulo: Alameda, 2008.

RÉMOND, Réne (org.). Por uma história política. Tradução Dora Rocha. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

ROLIM, Leonardo Cândido. ‘‘Tempo das carnes” no Siará Grande: dinâmica social, produção e comércio de carnes secas na vila de Santa Cruz do Aracati (c. 1690-c. 1802). 2012. 245 f. Dissertação (Mestrado em História) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2012.

ROMEIRO, Adriana. Paulistas e emboabas no coração das Minas: idéias, práticas e imaginário político no século XVIII. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. Tradução Hildegard Feist. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

SILVA, Andrée Mansuy-Diniz. Portrait d’un Homme d’État: D. Rodrigo de Souza Coutinho, Comte de Linhares, 1755-1812. Paris: Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 2006. v. II, “L’homme d’Etat, 1796-1812”.

SILVA, Andrée Mansuy-Diniz. Uma figura central da Corte Portuguesa: D. Rodrigo de Sousa Coutinho. In: MARTINS, Ismênia; MOTTA, Márcia (org.). 1808: a Corte no Brasil. Niterói: Editora da UFF, 2010. p. 133-157.

SILVA, António de Moraes; BLUTEAU, Rafael. Diccionario da lingua portugueza composto pelo padre D. Rafael Bluteau, reformado, e accrescentado por Antonio de Moraes Silva natural do Rio de Janeiro. Lisboa: Officina de Simão Thaddeo Ferreira, 1789. t. II, L-Z. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/5413. Acesso em: 4 out. 2018.

SILVA, Bruno. Genealogias mazombas: castas luso-brasileiras em crônicas coloniais. Niterói: Editora da UFF, 2016.

SOUZA, George Félix Cabral de. Tratos e mofatras: o grupo mercantil do Recife colonial (c. 1654-c. 1759). Recife: Editora Universitária da UFPE, 2012.

SUBTIL, José. O Governo da Fazenda e das Finanças (1750-1974). In: CRUZ, Mário Pinho da (ed.). Dos Secretários de Estado dos Negócios da Fazenda aos Ministros das Finanças (1788-2006). Lisboa: Secretaria-Geral do Ministério das Finanças e da Administração Pública, 2006.

VIEIRA, Daniel Leão. “Imagens fiéis da terra”: paisagem e regionalismo na recepção das obras de Frans Post pela cultura visual de Pernambuco, 1925-1937. Domínios da Imagem (UEL), ano II, p. 19-32, 2009.

XAVIER, Ângela Barreto; HESPANHA, António Manuel. As redes clientelares. In: HESPANHA, António Manuel (dir.). História de Portugal. Lisboa: Editorial Estampa, 1994. p. 381-393.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.83564

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul