Notas sobre uma tradução: pensamento estético e escrita da história em Alejo Carpentier

Eduardo Ferraz Felippe

Resumo


Este artigo tenciona analisar a relação entre pensamento estético e escrita da história nas conferências do escritor latino-americano Alejo Carpentier. Argumenta-se que as considerações de Carpentier acerca do papel do romancista são sintomas do esgotamento do esteticismo que orientava a produção literária cubana, fruto da percepção de que a arte, na modernidade, encontra-se desviada de seu destino, que é de ser a base da vida dos homens em sociedade. Carpentier percebe a necessidade de construção de um novo “espaço de experiências”, capaz de orientar a América Latina em seu destino, alicerçado em um processo de tradução capaz de gerar novas formas de identificação coletiva, e que tem no passado o elemento primordial de edificação da identidade latino-americana, parte integrante da sua forma de imaginar a nação.

Palavras-chave


Carpentier; Tradução; Escrita da história

Texto completo:

PDF

Referências


BAAN, Stephen. Romanticism and the rise of History. Texas: Twayne publishing, 1995.

CARPENTIER, Alejo Um caminho de meio século. In: A literatura do maravilhoso São Paulo: Vértice 1987 (a).

_______. O papel social do romancista. In: A Literatura do Maravilhoso São Paulo: Edições Vértice, 1987 (b).

_______. O barroco e o real maravilhoso. In: A Literatura do Maravilhoso São Paulo: Edições Vértice, 1987 (c).

_______. Problemática do tempo e do idioma no moderno romance latinoamericano. In: A Literatura do Maravilhoso. São Paulo: Edições Vértice, 1987 (d).

_______. El arpa y la sombra. Madrid: Fondo de Cultura Economica, 1994, (e).

CASTRO, Fidel. Palavra aos intelectuais. In: SADER, Emir (org.) Fidel Castro: política São Paulo : Editora Ática, 1986.

DEVÉS VALDÉZ, Eduardo. Del Ariel de Rodó a la Cepal. Buenos Aires: Biblos, 2000

ECHEVARRIA, Roberto Gonzalez. Presentacion de Alejo Carpentier. In: _______ (org.). Historia y ficción em la narrativa hispanoamericana Caracas: Monte Ávila Editores 1984.

FILHO, Rubem Barboza. Tradição e artifício. Iberismo e barroco na formação americana Belo Horizonte: Ed. UFMG Rio de Janeiro: Ed. Iuperj, 2000.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Depois de aprender com a história. In: Em 1926 Vivendo no limite do tempo Rio de Janeiro: Record 1999.

_______. Cascatas da modernidade. In: Modernização dos sentidos São Paulo: Ed. 34, 1998.

HEGEL, G. W. F. Estética. São Paulo: Iedusp, 2000.

HEIDEGGER, Martin. A Origem da obra de arte. Lisboa: Ed. 70, 2000.

LUKACS, Georg. Teoria do romance. Lisboa: Presença, 1962.

MISKULIN, Sílvia. Os intelectuais cubanos e a política cultural da Revolução (1961 – 1975). São Paulo: Alameda, 2009.

MONEGAL, Emir Rodríguez. La novela histórica: otra perspectiva. In: ECHEVARRÍA, Roberto Gonzalez (org.). Historia y ficción em la narrativa hispanoamericana. Caracas: Monte Ávila Editores, 1984, p. 169 – 185.

MORSE, Richard. O espelho de Próspero: cultura e idéias nas Américas. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

NISBET, H. G. (org.). German Aesthetic and Literary Criticism. Winckelmann, Lessing, Hamann, Herder, Schiller and Goethe. Cambridge University Press 1993.

PÉRSICO, Adriana Rodrigues. Identidades nacionales. In: ANTELO, Raul (org) Identidade e representação Florianópolis: UFSC, 1994.

WEBER, Max. A ciência como vocação. In: Ciência e Política - duas Vocações. Ed. Brasiliense, 1984.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.7983

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul