Presentismo negro: um tópico subjacente na história afro-brasileira

Silvio Correa

Resumo


A história afro-brasileira, obrigatória nos currículos escolares desde a aprovação da lei no 10.639, de 09 de janeiro de 2003, tem favorecido um ensino da história menos eurocêntrica e, com isso, uma abordagem mais propícia a uma história conectada, através da qual a história do Brasil se insere no “Atlântico Negro?” Porém, a americanização dos afro-descendentes é obliterada por uma africanização da nova história oficial em consonância com um presentismo negro. O presentismo negro na história afro-brasileira pode ser analisado através da tríade patrimônio, memória e comemoração. Este ensaio propõe uma reflexão crítica sobre o presentismo negro e sua relação com a construção da(s) identidade(s) de afro-brasileiros, apontando para algumas vantagens teóricas em pensar o processo de americanização que ocorre, aliás, com outros grupos hifenizados, sem que isso signifique uma uniformização de suas trajetórias.


Palavras-chave


Presentismo negro; Memória; Comemoração; História afro-brasileira

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, Luiz Felipe. O Trato dos viventes. Formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ANJOS, Rafael S. A. dos. Territórios das comunidades remanescentes de antigos quilombos no Brasil: primeira configuração espacial. 2. ed., Brasília: Editora Mapas/Consultoria, 2000.

ASSUMPÇÃO, Jorge E. A traição dos soldados negros farroupilhas na batalha de Porongos. História & Luta de Classes, 2, n. 3, p. 61-70, 2006.

BARROS, João. Décadas. Seleção, prefácio e notas de Antonio Baião. v.1, Lisboa: Livraria e Editora Sá da Costa, 1982.

BASTIDE, Roger. As Américas negras: as civilizações africanas no Novo Mundo. São Paulo: DIFEL, 1974.

CAMPOS, Maria José. Arthur Ramos: luz e Sombra na Antropologia Brasileira. Rio de Janeiro: Edições Biblioteca Nacional, 2004.

CARNEIRO, Edson. O Quilombo dos Palmares. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

_________. Ladinos e Criolos. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1944.

CASCUDO, Câmara. Made in África. São Paulo: Editora Global, [1964] 2001.

CANSTATT, Oskar. Brasil: Terra e Gente (1871). Brasília: Editora do Senado Federal, 2002.

COSTA PINTO, Luiz A. O Negro no Rio de Janeiro. Relações de raças numa sociedade em mudança. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, [1953] 1998.

COSTA E SILVA, Alberto. Um Rio Chamado Atlântico. A África no Brasil e o Brasil na África. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira/UFRJ, 2003.

CUNHA, Manuela C. Negros, estrangeiros: os escravos libertos e sua volta à África. São Paulo: Brasiliense, 1985.

FANON, Frantz. Peau noir, masques blancs. Paris: Éditions du Seuil, 1952.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Dominus: EDUSP, 1965.

FRAGINALS, Manuel Moreno. África en América Latina. Mexico: Siglo Veintiuno Editores, 1977.

FREYRE, Gilberto. A atitude brasileira. Revista Quilombo. Rio de Janeiro, ano I, n. 1, 1948.

FRY, Peter. A persistência da raça: ensaios antropológicos sobre o Brasil e a África austral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

FRY, Peter; VOGT, Carlos. Cafundó: a África no Brasil: linguagem e sociedade. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

GIROY, Paul. O Atlântico negro. São Paulo: Editora 34, 2001.

GURAN, Milton. Agudás. Os brasileiros do Benin. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2000.

HALBWACHS, Maurice. La mémoire collective. Paris: Puf, 1950.

HALL, Stuart. Pensando a diáspora. In: SOVIK, Liv (org.). Da Diáspora. Identidades e Mediações Culturais (textos escolhidos de Stuart Hall). Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

HALL, Stuart. P. What is This .Black. In. Black Popular Culture? In: WALLACE, M. (dir.) Black Popular Culture: Discussions in Contemporary Culture. Seattle: Bay Press, 1992.

HARTOG, F. Regimes d.historicité. Présentisme et expériences du temps. Paris: Seuil, 2003.

HERSKOVITS, M. The Myth of the Negro Past. Boston: Beacon Press, [1941] 1990.

HASSE, Geraldo; KOLLING, Guilherme. Lanceiros Negros. 2. ed. Porto Alegre: Já Editores, 2006.

HOLANDA, Sérgio B. Brancos e negros. In: Cobra de vidro. 2. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, [1944] 1978.

_________. Sobre uma doença infantil da historiografia. In: COSTA, Marcos (org.). Para uma nova história. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004 (artigo publicado originalmente no Estado de São Paulo, 17 de junho de 1973).

KIDDY, Elizabeth. The Place of .Africa. in Brazilian History. Ethnos Brasil, São Paulo, v. 2, n. 4, p. 36-52, 2005.

KOSTER, Henry. Viagens ao nordeste do Brasil (1809-1815) São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942.

LENZ, Cristóvão et alii. Memórias de Brummer. Porto Alegre: Editora EST, 1997.

MATTOSO. Kátia de Queiroz. Ser escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1982, MEMMI, Albert. L.Homme domine. Paris: Gallimard, 1968.

MOREIRA, Paulo R. S. Sobre Fronteira e Liberdade: representações e práticas dos escravos gaúchos na Guerra do Paraguai (1864-1870). Revista Anos 90. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1998.

NASCIMENTO, Abdias do. O Brasil na mira do pan-africanismo. Segunda edição das obras O genocídio do negro brasileiro e Sitiado em Lagos. Salvador: Edufba/Ceao, 2002.

PAIM, Paulo. Estatuto da Igualdade Racial. Brasília: Editora do Senado, 2006.

PINHO, Patrícia de Santana. Reinvenções da África no Brasil. São Paulo: Anna Blume, 2004.

PÉRET, B. O quilombo dos Palmares. Crônica da República dos escravos, Brasil 1640-1695. Lisboa: Fenda, 1988 (editado originalmente na revista paulista Anhembi, em 1956).

RAMOS, Arthur. O Negro Brasileiro. Rio de Janeiro: Graphia, [1934] 2001.

PETIZ, Silmei de Sant.Ana. Buscando a liberdade. As fugas de escravos da província de São Pedro para o além-fronteira (1815-1851). Passo Fundo: Editora da UPF, 2006.

RAMOS, Guerreiro. Democracia Racial. Revista Quilombo. Rio de Janeiro. Ano II, n. 10, 1950, p. 11.

RAMOS, Arthur. Democracia Racial. Revista Quilombo. Rio de Janeiro. Ano I, n. 1, 1948, p. 8.

RATTS, Alecsandro. (Re)conhecer Quilombos no território brasileiro. In: FONSECA, Maria N. Soares (org.) Brasil Afro-Brasileiro. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p. 307-326.

ROSSI, Paolo. El pasado, la memoria, el olvido. Buenos Aires: Nueva Visión, 2003.

RUGENDAS, J. M. Viagem através do Brasil (1822-1825). São Paulo: Edusp; Belo Horizonte:Itatiaia, 1979.

SANTOS, Joel Rufino. Zumbi. São Paulo: Editora Moderna, 1985.

SCHWARCZ, Lílian M. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na intimidade. In: SCHWARCZ, Lílian (org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SENGHOR, Léopold. Négritude et humanisme. Paris: Seuil, 1966.

SOUZA, Marina de Mello e. África e Brasil Africano. São Paulo: Ática, 2006.

THORNTON, John. Africa and Africans in the Making of the Atlantic World 1400-1800. Cambridge, 1992.

VERGER, Pierre. Fluxo e Refluxo. Do tráfico de escravos entre o Golfo de Benin e a Bahia de Todos os Santos dos séculos XVII e XIX. Salvador: Corrupio, [1968], 2002.

_________. Os libertos. Sete caminhos na liberdade de escravos da Bahia no século XIX. São Paulo: Corrupio, 1992.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.6746

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul