Entre antigos e modernos: escrita da história e lições morais no Brasil do século XIX

Evandro Santos

Resumo


O objetivo deste artigo é o de examinar a presença de autores antigos na produção historiográfica oriunda do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), fundado no Rio de Janeiro, em meados do século XIX. Para tanto, alguns textos publicados na Revista do IHGB são retomados à luz do debate atual sobre o tema. Considerados fontes seminais para a história da historiografia, abordagem que sustenta a análise aqui exposta, tais escritos fornecem importantes elementos ao debate que se encontra aberto. Nesse sentido, argumenta-se que, a despeito de sua participação no longo processo de estabelecimento da modernidade e de sua marca tanto epistemológica quanto retórica, os aspectos morais fornecidos pelos autores antigos operaram, particularmente no caso brasileiro, como elo discursivo entre o poder do Estado imperial e a emergente disciplina histórica. 


Palavras-chave


História da historiografia; Antigos e Modernos; IHGB

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Valdei Lopes. A experiência do tempo: conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1813-1845). São Paulo: HUCITEC, 2008a.

_______. História dos conceitos: problemas e desafios para uma leitura da modernidade ibérica. Almanack Braziliense, n. 7, maio 2008b, p. 47-55.

ATA da 6ª sessão em 2 de março de 1839. Revista do IHGB, 1839, p. 49-50.

BARBOSA, Januário da Cunha. Discurso. Revista do IHGB, Rio de Janeiro, 1839, p. 9-18.

BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas. Vol. 1. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 114-119.

BREVE NOTÍCIA sobre a creação do Instituto Histórico e Geographico Brazi-leiro. Revista do IHGB, Rio de Janeiro, 1839.

CALLARI, Cláudia. Os Institutos Históricos: do patronato de D. Pedro II à construção de Tiradentes. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 21, n. 40, 2001, p. 59-83.

CEZAR, Temístocles. Como devia ser escrita a história do Brasil no século XIX. Ensaio de história intelectual. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy (Org. et al.). História cultural: experiências de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2003, p. 173-208.

_______. L’écriture de l’histoire au Brésil au XIX siècle. Essai sur l’utilisation des modeles anciens et modernes de l’historiographie. Historiografias, v. 2. juil./déc 2011a, p. 45-65.

_______. Lições sobre a escrita da história: as primeiras escolhas do IHGB. A historiografia brasileira entre os antigos e os modernos. In: NEVES, Lucia Maria Bastos Pereira das et. al. Estudos de historiografia brasileira. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011b, p. 93-124.

ENDERS, Armelle. Os vultos da nação: fábrica de heróis e formação dos brasileiros. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Entre o amadorismo e o profissionalismo: as tensões da prática histórica no século XIX. Topói, Rio de Janeiro, dez. 2002, p. 184-200.

HARTOG, François. Tempos do mundo, história, escrita da história. In: GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado (Org.). Estudos sobre a escrita da história. Rio de Janeiro: 7Letras, 2006, p. 15-25.

HEGEL, Geog W. F. A razão na história: uma introdução geral à filosofia da história. São Paulo: Centauro, 2001.

MAGALHÃES, D. J. Gonçalves de. Os indígenas do Brasil perante a história. Revista do IHGB. Rio de Janeiro, 1860.

MARTIUS, Carl Friedrich Philip von. Como se deve escrever a história do Brasil. Revista do IHGB, 1844, p. 381-403.

MATTOS, Raimundo José da Cunha. Dissertação acerca do sistema de escrever a história antiga e moderna do império do Brasil. Revista do IHGB, 1863, p. 121-143.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. Escrever vidas, narrar a história: a biografia como problema historiográfico no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011.

PAYEN, Pascal. A constituição da história como ciência no século XIX e seus modelos antigos: fim de uma ilusão ou futuro de uma herança? História da Historiografia. Ouro Preto, n. 6, mar. 2011, p. 103-122.

SILVEIRA, Cássia Daiane Macedo da; SANTOS, Evandro. Regeneração e decadência: história, literatura e os usos do passado e do presente no Portugal oitocentista. Revista História e Cultura, Franca, v. 3, n. 1, 2014, p. 90-104.

TURIN, Rodrigo. Entre “antigos” e “selvagens”: notas sobre os usos da comparação no IHGB. Revista de História, edição especial, São Paulo, 2010, p. 131-146.

WALLENSTEIN, Julio de. Memória sobre o melhor plano de se escrever a história antiga e moderna do Brasil. Revista do IHGB, 1882, p. 159-160.

WEHLING, Arno. Estado, história, memória: Varnhagen e a construção da identidade nacional. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

_______. O historismo e as origens do Instituto Histórico. In: A invenção da história: estudos sobre historicismo. Rio de Janeiro: Editora Central da Universidade Gama Filho; Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 1994, p. 151-168.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.66663

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul