A democracia sequestrada: mídia e poder no Brasil atual

Luiz Alberto Grijó

Resumo


O artigo busca analisar como se comportaram os meios de comunicação social no Brasil desde a ditadura civil-militar até os dias de hoje. Atrelados às grandes empresas do setor, o que é hoje melhor designado por grande mídia, os meios passaram a exercer no mundo social como um todo, em especial em relação com as novas condições do fazer política que se abriam com o processo da chamada “abertura democrática”, uma posição central na sociedade e, especialmente, quanto as disputas políticas. De rebocados pela política, passaram a reboca-la postando-se como guardiães e interpretes da democracia, emprestando-lhe o sentido que melhor lhes convém. 


Palavras-chave


Meios de comunicação; Golpe de estado e mídia; Democracia e mídia

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Alzira Alves de; LATTMAN-WELTMAN, Fernando; KORNIS, Mônica Almeida (Org.). Mídia e política no Brasil: jornalismo e ficção. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

______. (Orgs.). Mídia e política no Brasil: jornalismo e ficção. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

BARBOSA, Marialva. História cultural da imprensa: Brasil, 1900-2000. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

______. História da comunicação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2013.

BATISTA, Alexandre Blankl. A trajetória de Paulo Francis na imprensa hegemônica e contra-hegemônica brasileira (1962-1997). Tese (Doutorado em História), PPG em História/UFRGS, 2015.

BOURDIEU, Pierre. A opinião pública não existe. In: THIOLLENT, Michel J. M. Crítica metodológica, investigação social & enquete operária. São Paulo: Polis, 1987. p. 137-151.

______. Descrever e prescrever: nota sobre as condições de possibilidade e os limites da eficácia política. Tradução para fins didáticos de Décrire et prescrire: note sur les conditions de possibilité et les limites de l’eficacité politique. Actes de la recherche en sciences sociales, p. 69-73, maio, 1981.

______. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

BRITTOS, Valério Cruz; BOLAÑO, César R. Siqueira (Orgs.). Rede Globo: 40 anos de poder. São Paulo: Paulus, 2005.

CAPPARELLI, Sérgio; LIMA, Venício A. de. Comunicação e televisão: desafios da pós-globalização. São Paulo: Hacker, 2004.

______. Comunicação e televisão: desafios da pós-globalização. São Paulo: Hacker, 2004.

CAPPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil. Porto Alegre: L&PM, 1982.

CHAMPAGNE, Patrick. A visão mediática. In: BOURDIEU, Pierre (Org.). A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 2003, p. 63-79.

______. Formar a opinião: o novo jogo político. Petrópolis: Vozes, 1998.

CHAUÍ, Marilena. Simulacro e poder – uma análise da mídia. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2006.

CNN. Christiane Amanpour – reportagem sobre votação da permissão de abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff pela Câmara. Disponível em: http://edition. cnn.com/videos/tv/2016/04/18/intv-amanpour-glenn-greenwald-dilma-rousseff-impeachment.cnn. Acesso em: 3 maio 2016.

CRUZ, Dulce Márcia. Televisão e negócio: a RBS em Santa Catarina. Florianópolis/Blumenau: UFSC/FURB, 1996.

DELCOURT, Laurent. Brazil’s cold coup. In. Le monde diplomatique – english edition. Disponível em: https://mondediplo.com/2016/05//02brazil. Acesso em: 02 maio 2016.

FANTINATTI, Márcia. A cobertura jornalística da campanha pelas “Diretas já”: o fantasma que ainda assombra a história da Rede Globo. In: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – V Congresso Nacional de História da Mídia, São Paulo, 31 de maio a 02 de junho de 2007. Disponível em: http://www.ufrgs.br/alcar/encontros-nacionais-1/encontros-nacionais/5o-encontro-2007-/A%20cobertura%20jornalistica%20da%20campanha%20 pelas%20201cDiretas%20ja201d.pdf. Acesso em: 22 mar. 2015.

GOULART, Ana Paula; RIBEIRO, Igor Sacramento; ROXO, Marco (Orgs.). História da televisão no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010.

GRAMSCI, Antonio. Notas sobre Maquiavelo, sobre la política y el Estado moderno. Madri: Nueva Visión, 1980.

GREEN, James Naylor. As instituições democráticas não estão funcionando. In: Carta Capital. Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/revista/899/ volta-ao-passado?utm...3&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_ campaign=buffer, entrevista a Eduardo Graça. Acesso em: 5 maio 2016.

GRIJÓ, Luiz Alberto. A mídia brasileira no século XXI: desafios da pesquisa histórica. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. (Org.). História do tempo presente. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014. p. 279-298.

GRYNSZPAN, Mário. Os idiomas da patronagem: um estudo da trajetória de Tenório Cavalcanti. Revista brasileira de ciências sociais, n. 14, p. 73-90, out., 1990.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro: Tempo Universitário, 2003.

IG São Paulo. IBGE: pela 1ª vez, domicílios brasileiros têm mais TV e geladeira do que rádio. Disponível em: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2012-04-27/ibge-pela-1-vez-domicilios-brasileiros-tem-mais-tv-e-geladeira-d.html. Acesso em: 23 mar. 2015.

LAMPEDUSA, Tomasi di. O Gattopardo. Rio de Janeiro: BestBolso, 2007.

LATTMAN-WELTMAN, Fernando. Mídia e transição democrática: a (des) institucionalização do pan-óptico no Brasil. In: ABREU, Alzira Alves de; LATTMAN-WELTMAN, Fernando; KORNIS, Mônica Almeida (Org.). Mídia e política no Brasil: jornalismo e ficção. Rio de Janeiro: FGV, 2003. p. 129-183.

LUCA, Tânia Regina de. A grande imprensa na primeira metade do século XX. In: MARTINS, Ana Luiza; LUCA, Tânia Regina de (Org.). História da imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008. p. 149-175.

LUHMANN, Niklas. A realidade dos meios de comunicação. São Paulo: Paulus, 2005.

MAC COMBS, Maxwell. A teoria da agenda – a mídia e a opinião pública. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

MARINHO, João Roberto. Resposta ao artigo de David Miranda. In: Jornal GGN. Disponível em: http://jornalggn.com.br/noticia/a-carta-de-joao-roberto-marinho-ao-the-guardian. Acesso em: 23 abr. 2016.

MARTINS, Ana Luiza; LUCA, Tânia Regina de (Org.). História da imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.

MATOS, Sérgio. História da televisão brasileira – uma visão econômica, social e política. Petrópolis: Vozes, 2010.

MELO, José Marques de. História social da imprensa. Porto Alegre: Edipucrs, 2003.

MIRANDA, David. A razão real por que os inimigos de Dilma Rousseff querem seu impeachment. In: The Guardian. Disponível em: http://www.theguardian.com/commentisfree/2016/apr/22/razao-real...os-de-dil-ma-rousseff-querem-seu-impeachment?CMP=share_btn_link, em inglês, http:// www.theguardian.com/commentisfree/2016/apr/21/dilma-rousseff-enemies-im-peached-brazil. Acesso em: 24 abr. 2016.

MOREL, Marco. Os primeiros passos da palavra impressa. In: MARTINS, Ana Luiza; LUCA, Tânia Regina de (Orgs.). História da imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.

RÁDIO GAÚCHA. Programa Gaúcha Repórter, 02 de maio de 2016.

RÜDIGER, Francisco. Tendências do jornalismo. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

SIROTSKY, Nelson. A defesa da liberdade de imprensa no Brasil. Brasília, UNESCO, 2005. Disponível em: http://www.livrosgratis.com.br/arquivos_livros/ue000266.pdf. Acesso em: 21 fev. 2014.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

THE INTERCEPT. Perfil de Glenn Greenwald. Disponível em: https://theintercept.com/staff/glenn-greenwald. Acesso em: 3 maio 2016.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.64673

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul