A política externa de Reagan e a redemocratização da América Latina (1981-1988)

Marcos Paulo Tonial

Resumo


No momento da transição de regimes autoritários para regimes democráticos, muitos são os elementos, atores e interesses nesse processo. Regimes políticos e ideologias tão distintos na América Latina, estabelecidos em momentos diferentes, porém interligados num mesmo processo (regime de Segurança Nacional nas ditaduras e democracia posteriormente), não surgiram apenas de relações internas e interesses de grupos locais, mas também foram fomentados por ações internacionais, cujas implicações são o tema deste texto. Em geral, temos a impressão de que a política de Ronald Reagan para a América Latina, nos anos 1980, foi truculenta; porém, este artigo propõe-se a observar e analisar as atividades diplomáticas de Reagan e seus assessores com o objetivo de verificar a influência dessa política sobre a América Latina. O interesse do texto é elaborar um mapeamento das razões que levaram o governo norte-americano a conduzir uma política externa com intuito de destituir governos ditatoriais, fomentando a necessidade de abertura democrática na América Latina, região entendida, na época, como área estratégica para os Estados Unidos.

Palavras-chave


Ronald Reagan; América Latina; Abertura democrática

Texto completo:

PDF

Referências


COMBLIN, J. A ideologia da segurança nacional: o poder na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

GRAMSCI, Antonio. Maquiavel, a política e o Estado moderno. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

O’DONNELL, G.; SCHMITTER, P.; WHITEHEAD, L. (orgs.) Transições do regime autoritário: América Latina. São Paulo: Vértice, 1988.

SANTOS, Theotonio dos. América Latina: democratização e ajuste estrutural. Anos 90, Porto Alegre, n. 5, p. 29-44, jul. 1996.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.6403

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul