A Baixada Fluminense em perspectiva microanalítica

Linderval Augusto Monteiro

Resumo


Este trabalho propõe-se a explicitar as maneiras como ocorreu o processo de ocupação popular da Baixada Fluminense e de como tal processo de proletarização descontrolada e não assistida pelo Estado determinou as formas de resolução de problemas naquela região, o surgimento de uma liderança política sui generis, que denominamos marginal pelo fato de estar ao mesmo tempo irremediavelmente ligada às maneiras populares de ação política e se caracterizar por não seguir a forma tradicional de liderança comunitária, invariavelmente possuidora de um caráter reivindicatório. Ao contrário disso, o líder marginal baixadense é reconhecido como tal e é tanto mais apreciado quanto mais se afasta das formas tradicionais de ação política. Relato e analiso um caso de revolta popular ocorrido no bairro de Gramacho no município de Duque de Caxias, quando a população da favela de Nova Jerusalém expulsou todos os traficantes existentes naquela favela após dois destes serem mortos por um jovem catador de lixo (Adriano Vianna) também residente dali.

Palavras-chave


Baixada Fluminense; Líder marginal; Revolta popular

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, Verena.História oral: a experiência do CPDOC. Rio de Janeiro: FGV, 1989.

______. História oral e arquivos. In: SILVA, Zélia Lopes da (Org.). Arquivos, patrimônio e memória: trajetórias e perspectivas. São Paulo: UNESP, 1999.

ALVES, José Cláudio Souza. Baixada Fluminense: a violência na construção do poder. 1998. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

BELOCH, Edith Maria. Loteamentos periféricos: Algumas considerações sobre essa forma de moradia proletária. 1980. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano) – Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano, Universidade Federal Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1980.

_______. Capa Preta e Lurdinha: Tenório Cavalcanti e o povo da Baixada. Rio de Janeiro: Record, l985.

BEZERRA, Marcos Otávio. Em nome das bases; política, favor e dependência pessoal. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1999.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

CANEVACCI, Massimo (Coord.). Dialética do indivíduo. São Paulo: Brasiliense,1981.

CARNEIRO, Leandro Piquet; KUSCHNIR, Karina. As dimensões subjetivas da política: cultura política e antropologia da política. Estudos Históricos, Rio de Janeiro: v.13, n 24, p. 227-250, 1999.

CARVALHO, Iracema Baroni de. Laranjas brasileiras. Nova Iguaçu: Prefeitura Municipal de Nova Iguaçu, 1999.

CAVALCANTI, Sandra Tenório. Tenório, meu pai. Rio de Janeiro: Global, 1996.

COSTA, Marta Bebianno. Loteamentos na periferia do Rio de Janeiro: um espaço de luta. 1979. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano) – Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1979.

D’OLIVEIRA, Sônia Azevedo le Cocq. A influência dos movimentos sociais urbanos na definição de políticas habitacionais: o caso de São João de Meriti. 1988. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano) – Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1988.

DINIZ, Eli. Voto e máquina política; patronagem e clientelismo no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

DOSSE, François. A história em migalhas; dos Annales à Nova História. 3. ed. São Paulo: Ensaio, 1994.

ELIAS, Norbert. Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

_______. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

FERREIRA, Marieta de Moraes. A nova velha história: o retorno da história política. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 265-271, 1992.

_______. História oral. Rio de Janeiro: Diadorim, 1994.

FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

FORTE, José Matoso Maia. Memória da fundação de Iguassú. Rio de Janeiro: Tipografia Jornal do Comércio, 1933.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

_______. Nova luz sobre a Antropologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

GEIGER, Pedro Pinchas; MESQUITA, Míriam Gomes Coelho. Estudos rurais da Baixada Fluminense. Rio de Janeiro: IBGE, 1956.

GEIGER, Pedro Pichas; SANTOS, Ruth Lyra. Notas sobre a evolução da ocupação urbana da Baixada Fluminense. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, n. 3, ano 16, jul./set. 1955. Separata.

GINZBURG, Carlo. A micro-história e outros ensaios. Lisboa: Difel, 1991.

GIRARDET, Raoul. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Cia. das Letras, 1987.

GÓIS, Hildebrando de Araújo. O saneamento da Baixada Fluminense. Rio de Janeiro: Diretoria de Saneamento da Baixada Fluminense, 1939.

GRENDI, Edoardo. Repensar a micro-história? In: RAVEL, J. Jogos de escalas. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

GRYNSZPAN, Mario. Os idiomas da patronagem: um estudo da trajetória de Tenório Cavalcanti. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 14, ano V, 1990.

LEITE, Antônio de Souza. Carta ao Sr. José Maurício Nolasco. Presidente da CEDAE. Correio de Maxambomba, p.2, 24 nov. 1995.

LEVI, Giovanni. Sobre a micro-história. In: BURKE, P. A escrita da história. São Paulo: Unesp, 1992.

LIMA, Maria Helena de Beozzo. Em busca da casa própria; autoconstrução na periferia do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: [s.n.], 1979.

MONTEIRO, Linderval Augusto. Baixada Fluminense, identidades e transformações: estudo de relações políticas na Baixada Fluminense. 2001. Dissertação (Mestrado em História Social) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi (Org.). Cidade; história e desafios. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

PARISSE, Lucien. Favelas do Rio de Janeiro, evolução, sentido. Caderno do CENPHA, n. 5, Rio de Janeiro, 1969.

PEIXOTO, Rui Afranio. Imagens iguassuanas. Rio de Janeiro: [s.n.], 1963.

PEREIRA, Waldick. A mudança da Vila; história iguaçuana. Nova Iguaçu: PMNI, 1997.

_______. Cana, café & laranja. Rio de Janeiro: FGV/SEEC, 1977.

PRADO, Walter. História social da Baixada Fluminense; das sesmarias a foros de cidade. Rio de Janeiro: Ecomuseu Fluminense, 2000.

RAMALHO, José Ricardo. O Estado patrão. São Paulo: Paz e Terra, 1989.

REVEL, Jacques. A experiência da microanálise. In: ______. Jogos de escalas. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Itatiaia, 2000.

SEGADAS, Maria Terezinha. Nova Iguaçu: absorção de uma célula urbana pelo grande Rio de Janeiro. Tese (Livre-Docência em Geografia) – Faculdade Nacional de Filosofia, 1960.

SOUZA, Josinaldo Aleixo de. Os grupos de extermínio em Duque de Caxias: Baixada Fluminense. 1997. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.

THOMPSON, E. P. Costumes em comum; estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

VAINFAS, Ronaldo. Micro-história; os protagonistas anônimos da história. Rio de Janeiro: Campus, 2002.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.6382

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul