A identidade teuto-brasileira pensada pelo intelectual Aloys Friederichs

Haike Roselane Kleber da Silva

Resumo


O grupo étnico teuto-brasileiro produziu, no sul do Brasil, diversas lideranças em diferentes âmbitos do viver social. Essas lideranças foram responsáveis, por sua vez, pela produção e reprodução de interpretações sobre seu grupo étnico e sobre os outros. Este artigo analisa o discurso de J. Aloys Friederichs – uma liderança étnica teuto-brasileira – a respeito da identidade de seu grupo.

Palavras-chave


Germanidade; Etnicidade; Liderança étnica

Texto completo:

PDF

Referências


AMMON, Wolfgang. Carta para J. Aloys Friederichs. 7 dez. 1922. JAF 0189. Acervo Benno Mentz.

BERCHT, A.; ENGLERT, G.; FRIEDERICHS, J. A. Grundsätzlich Betrachtungen zur Anschlussfrage, 1937.

BREPOHL, Wilhelm. Arno Philipp: ein deutschbrasilianischer Politiker und Pfleger des Volkstums. Der Auslanddeutsche – Halbmonatsschrift für Auslanddeutschtum und Auslandkunde. Mitteilung des Deutschen Ausland-Instituts, Stuttgart, Jahrg. XIII, n. 5, p.149-150, März, 1930. Ibero-Amerikanische Institut – Berlin.

COHEN, A. The lesson of ethnicity. In: SOLLORS, W. (Ed.) .Theories of ethnicity; a classical reader. New York: New York University Press, 1996. p.370-384.

CORREIO DO POVO. Porto Alegre: Cia. Jornalística Caldas Júnior, 3 fev. 1928. JAF 0009. Recorte. Acervo Benno Mentz.

DEUTSCHE POST. São Leopoldo, 3 fev. 1928. JAF 0014. Recorte. Acervo Benno Mentz.

DEUTSCHEWACHT - NATIONAL-DEUTSCHE ZEITUNG. Buenos Aires, 13 fev. 1923. JAF 0614. Recorte. Acervo Benno Mentz.

DIÁRIO DE NOTÍCIAS. Porto Alegre, 3 fev. 1928. JAF 0010. Recorte. Acervo Benno Mentz.

DREHER, M. (Org.).Hermann Gottlieb Dohms; textos escolhidos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

FÉLIX, L. Religião e política: os teuto-brasileiros e o PRR. In: MAUCH, C.; VASCONCELOS, N. (Org.). Os alemães no Sul do Brasil; cultura, etnicidade e história. Canoas: Ed. ULBRA, 1994. p.77-85.

FORTES, A. Nós do quarto distrito; a classe trabalhadora porto-alegrense e a era Vargas. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

FRIEDERICHS, J. A. Carta para Oscar, 19 jan. 1924. JAF 2079. ABM.

______ (Org.). Liederbuch. Porto Alegre: Typographia Mercantil, 1927.

______. Reden bei Feiern der Turnerschaft und des Verbandes Deutscher Vereine. São Leopoldo: Rotermund & Co., 1928.

GANS, M. Presença teuta em Porto Alegre no século XIX (1850-1889). Porto Alegre: Editora UFRGS; ANPUH/RS, 2004.

GERTZ, R. O aviador e o carroceiro: política, etnia e religião no Rio Grande do Sul dos anos 1920. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

______. A construção de uma nova cidadania. In: MAUCH, C.; VASCONCELOS, N. (Org.). Os alemães no sul do Brasil; cultura, etnicidade e história. Canoas: Ed. ULBRA, 1994. p.29-40.

______. O fascismo no Sul do Brasil. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.

______ (Org.). Karl von Koseritz; seleção de textos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999.

______. Operários alemães no Rio Grande do Sul (1920-1937) ou Friederich Kniestedt também foi um imigrante alemão. Revista Brasileira de História, São Paulo. v.6, n.11, p.75-84, set. 1985/fev. 1986.

______. O perigo alemão. 2. ed. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1998.

GRÜTZMANN, I. “Em todo o amor ao Brasil, manter a fidelidade ao modo de ser alemão”: as canções em língua alemã e a construção de identidades. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA DA ANPUH, XXII, 2003, João Pessoa. Anais eletrônicos do XXII Simpósio Nacional de História da ANPUH. João Pessoa: UFPB, 2003a.

______. O carvalho entre palmeiras: representações e estratégias identitárias no germanismo. História – Unisinos, v.7, n.8, p.115-169, 2003b.

______. A mágica flor azul: a canção em língua alemã e o germanismo no Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1999. Tese (Doutorado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1999.

KOSERITZ DEUTSCHE ZEITUNG. Porto Alegre, 18 jun. 1895. Acervo Benno Mentz.

______. Porto Alegre, 20 nov. 1901. Acervo Benno Mentz.

______. Porto Alegre, 21 abr. 1902. Acervo Benno Mentz.

LESSER, J. A negociação da identidade nacional: imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

MEYER, D. Identidades traduzidas; cultura e docência teuto-brasileiro-evangélica no Rio Grande do Sul. Santa Cruz do Sul; São Leopoldo: EDUNISC; Editora Sinodal, 2000.

POUTIGNAT, P.; STREIFF-FENART, J. Teorias da etnicidade; seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: UNESP, 1998.

RAMBO, A. Nacionalidade e cidadania. In: MAUCH, C.; VASCONCELOS, N. (Org.). Os alemães no sul do Brasil: cultura, etnicidade e história. Canoas: Ed. ULBRA, 1994. p.43-53.

SCHULZE, H. Estado e nação na história da Europa. Lisboa: Editorial Presença, 1997.

SEYFERTH, G. A colonização alemã no Brasil: etnicidade e conflito. In: FAUSTO, B. Fazer a América; a imigração em massa para a América Latina. São Paulo: Edusp, 2000. p.173-313.

______. Nacionalismo e identidade étnica. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura, 1981.

SILVA, Haike Roselane Kleber da. A trajetória de uma liderança étnica: J. Aloys Friederichs (1868-1950). 2005. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

TURNERBUND. Livro de Protocolo de Atas. Porto Alegre, Assembléia Geral, 16 dez. 1929. Memorial Sogipa.

WEBER, M. Economia e sociedade; fundamentos da sociologia compreensiva. 3. ed. Brasília: Ed. UnB, 1994.

WILLEMS, E. A aculturação dos alemães no Brasil; estudo antropológico dos imigrantes alemães e seus descendentes no Brasil. Brasília: Cia. Ed. Nacional, 1980.

WOLFGANG, Ammon. Carta para J. Aloys Friederichs. 7 dez. 1922. JAF 0189. Acervo Benno Mentz.

WOORTMANN, E. Identidades e memória entre teuto-brasileiros: os dois lados do atlântico. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 6, n.14, p.205-238, nov. 2000.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.6377

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul