A África no Brasil: grupos étnicos e organização social em São Paulo no século XIX

Regiane Augusto de Mattos

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar um perfil dos grupos étnicos dos africanos na cidade de São Paulo, na primeira metade do século XIX, salientando as suas formas de organização social, em particular no que se refere às manifestações culturais e religiosas. Pretende-se discutir, baseando-se no conceito de grupo étnico fornecido pelo antropólogo Fredrik Barth, as formas de atribuição e de identificação desses grupos por agentes externos como a Igreja Católica e os proprietários de escravos. Esse conceito também tem como pressuposto a incorporação pelos próprios africanos, que passaram a se identificar com esses grupos éticos direcionando suas formas de organização, sobretudo por meio da associação em irmandades religiosas, “ajuntamentos” em batuques, capoeiras, danças. A intenção é perceber como a incorporação a determinados grupos étnicos direcionou as formas de organização, as manifestações de suas tradições por meio de aspectos culturais e religiosos, a relação com os diferentes grupos étnicos e com outras camadas da sociedade.

Palavras-chave


População africana; Grupos étnicos; Formas de organização social

Texto completo:

PDF

Referências


BARTH, Fredrik. Grupos étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, Philippe; STREIFF-FENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade. São Paulo: Editora Unesp, 1997.

FLORENTINO, Manolo Garcia. Em costas negras; uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (século XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.

KARASCH, Mary. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). São Paulo: Cia das Letras, 2000.

LOPES, Nei. Bantos, Malês e identidade negra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1988.

MARTINS, Antonio Egidio. São Paulo Antigo. São Paulo: Tipografia do Diário Oficial, 1912. v. II.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Através de um prisma africano: uma nova abordagem ao estudo da diáspora africana no Brasil colonial. Tempo, n. 12, p.11-50, 2001.

SLENES, Robert.Na senzala uma flor; esperanças e recordações na formação da família escrava, Brasil, Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850). 2. ed. ver. e ampl. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2004.

SOARES, Mariza de Carvalho. Devotos da Cor. Identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro, século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

THORNTON, John K. The art of war in Angola, 1575-1680. Comparative study of Society and History, v.30, n.2, p.368-371, abr. 1988.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.6371

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul