Entre vergonhas e silêncios, o corpo segregado. Práticas e representações que mulheres produzem na experiência da menstruação

Marlene de Fáveri, Anamaria Marcon Venson

Resumo


Este artigo se insere na análise de práticas culturais e suas representações, vividas por mulheres de diferentes gerações, no sul do Estado de Santa Catarina, percebidas na experiência do ritual de passagem com o aparecimento da menarca. Procuramos compreender como as mulheres, na experiência da menstruação, constroem representações do feminino. A menstruação, como manifestação do corpo, é o que é na cultura, e, portanto, seus significados somente podem ser lidos no contexto de uma dada cultura. Para estas análises, a categoria gênero instiga para a compreensão de que os silêncios, norteados pelos sentidos de medo e vergonha, são construções culturais e trazem relações de poder, circunscritas na prescrição de papéis ditos do feminino, mostrando um corpo produzido por expectativas de gênero. Sob a perspectiva da história oral, foram preciosas as fontes da memória neste trabalho, interpretadas à luz das metodologias da História.

Palavras-chave


Menstruação; Relações de gênero; Representações; Corpo; Experiência

Texto completo:

PDF

Referências


CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1994.

ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador: uma história dos costumes. 2. ed. Tradução Ruy Jungmann. v. 1/2. Rio de Janeiro: Jorge Zaahar, 1994.

FAUSTO-STERLING, Anne. Dualismos em duelo. Cadernos Pagu: desafios da eqüidade, v. 17/18. Campinas: UNICAMP, 2001/2.

FÁVERI, Marlene. Fontes educativas que a mulher camponesa de Navegantes/SC tem sobre a sexualidade – proposta educativa. 1989 Monografia (Especialização em Didática do Ensino Superior) – UNIVALI, Itajaí, 1989.

FINE, Agnès. Leite envenenado, sangue perturbado. Saber médico e sabedoria popular sobre os humores femininos (séculos XIX e XX). In: MATOS, Maria Izilda S. de; SOIHET, Raquel (orgs.). Corpo feminino em debate. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: a vontade de saber. 10. ed. Tradução Maria T. e J. A. Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo. Corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LOURO, Guacira Lopes. Corpos que escapam. Estudos feministas. Brasília, n. 4. ago.- dez. de 2003. Disponível em: http://www.unb.br/ih/his/gefem. Acesso em: nov. 2005.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Estudos Feministas. Florianópolis, CFH/CCE/UFSC, v. 8, n. 2/2000.

PEDRO, Joana Maria. Aborto e infanticídio: práticas muito antigas. In: ______. (org.). Práticas proibidas: práticas costumeiras de aborto e infanticídio no século XX. Florianópolis: Cidade Futura, 2003.

PERROT, Michelle. Os silêncios do corpo da mulher. In: MATOS, Maria Izilda Santos de SOIHET, Rachel (orgs.). Corpo feminino em debate. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

PRINS, Baukje; MEIJER, Irene Costera. Como os corpos se tornam matéria: entrevista com Judith Butler. Estudos Feministas. Florianópolis, CFH/CCE/UFSC, v. 10, n. 1, 2002.

RANKE-HEINEMANN, Uta. Eunucos pelo reino de Deus: mulheres, sexualidade e a Igreja Católica. Tradução Paulo Fróes. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 1996.

SCOTT, Joan W. Experiência. In: SILVA, Alcione Leite da; LAGO, Mara Coelho de Souza; RAMOS, Tânia Regina Oliveira (orgs.). Falas de gênero: teorias, análises e leituras. Florianópolis: Mulheres, 1999.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e realidade. Porto Alegre, 16 (2): 5-22, jul.-dez. 1990.

SONTAG, Susan. A doença como metáfora. Tradução: Mário Ramalho. São Paulo: Graal, 2002.

VIGARELLO, Georges. O limpo e o sujo. Tradução Mônica Stahel. São Paulo: Martins Fontes, 1996.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.5403

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul