A itinerância das ideias e o pensamento social africano

Leila Maria Gonçalves Leite Hernandez

Resumo


Este artigo tem como proposta central rechaçar a ideia de que a África é mero entreposto de artefatos culturais derivado de modelos e categorias ocidentais de análise. Ao partilhar as propostas teóricas próprias da abordagem pós-colonial sugiro recolocar esta problemática, identificando em que lugares e momentos as teorias e ideias políticas foram produzidas, como e onde foram lidas e reinterpretadas pelos intelectuais africanos e os limites de suas transformações. Nesta chave analítica, as formas africanas das narrativas construíram-se como fruto de “apropriação criativa” em contextos plurais e com temporalidades heterogêneas, o que possibilitou a criação de novos espaços para a imaginação política e para a imaginação histórica, desenhando a estrutura discursiva de um pensamento social africano centrado nas diversas acepções de unidade, cultura e identidade.


Palavras-chave


Pensamento social africano; “Apropriação criativa”; Imaginação política; Imaginação histórica

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Mário Pinto de. (Coord.). Obras Escolhidas de Amílcar Cabral: unidade e luta. Lisboa: Seara Nova, 1976. 2 v.

APPIAH, Kwame Anthony. Na casa de meu pai: a África na filosofia da cultura. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

BALANDIER, Georges. A noção de situação colonial. Cadernos de campo: revista dos alunos da pós-graduação em Antropologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, n. 3, 1993.

BARRY, Boubacar. Senegâmbia: o desafio da história regional. Rio de Janeiro: Centro de estudos Afro-Asiáticos, 2000.

BLYDEN, Edward Wilmot. Christianity, Islam and Negro Race. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1967.

BOUFFON, George de. História Geral do Homem. Paris: M. Duchet, 1971, reedição.

BRAGANÇA, A. & DEPELCHIN, J. Da Idealização da FRELIMO à Compreensão da História de Moçambique. Estudos Moçambicanos. (n. 5/6, p. 29-52). In: MONDAINI, Marco (Org.). (2014). É preciso sonhar: Aquino de Bragança: independência e revolução na África portuguesa. Recife: Editora Universitária da UFPE, 1986. (Col. Clássicos, Série Brasil & África).

CABRAL, Amílcar. Libertação Nacional e Cultura. Discurso proferido na Universidade de Syracuse, EUA, (Xerox), 1970.

______. La Cultura: Fundamento Del Movimiento de Liberation. El Correo, UNESCO, ano XXVI, n. 11, 1973.

______. O papel da cultura na luta pela independência. In: Juventude e Cultura. Coimbra: Casa da Cultura da Juventude. n. 8. 1976, p. 14-15.

CASTELO, Cláudia. O modo português de estar no mundo. Porto: Afrontamento, 1999.

CÉSAIRE, Aimé. Cahiers d’un Retour au Pays Natal. Paris: Editora Présence Africaine, 1956.

______. Discurso sobre o colonialismo. Lisboa: Sá da Costa, 1978.

COUTINHO, Carlos Nelson. De Rousseau a Gramsci: Ensaios de teoria política. São Paulo: Boitempo Editorial, 2011.

CRUZ, Viriato Clemente. Poemas. Luanda: Nóssomos Ltda, 2013.

DIOP, Cheik Anta. Nations Nègres et Culture: De l’Antiquité Nègre égiptienne aux problèmes culturels de l’Afrique d’aujoud’hui. Paris: Présence Africaine, 1954.

DU BOIS, William Edward. Black Reconstruction: An Essay toward a History of the Part wich Black People Played in America, 1860-1880. New York: Russel and Russel, 1935

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2. ed.1979.

______. Pele Negra Máscaras Brancas. Salvador: UFBA, 2009.

FIRMIN, Anténor N. De l’égalité des races humaines (Antropologie positive). Paris: F. Pichon, Successeur, 1885.

FREYRE, Gilberto. O mundo que o português criou. Lisboa: Livros do Brasil, 1940.

GARVEY, Marcus Josiah. A Estrela Preta. Porto Alegre: Ed. Deriva. (Este livro é uma compilação de memórias, cartas e diários, provavelmente redigidos na década de 1930), 2010.

GOBINEAU, Arthur de. Essai sur l’inegalité des races humaines. Paris:1853-1858. Reed: Paris: Pierre Belfond. 1985.

GORENDER, Jacob. O épico e o trágico na história do Haiti. In: Estudos Avançados. v. 18, n. 50. São Paulo. jan./abr. 2004.

HEGEL, Georg W. Friedrich. Phénomenologie de L’éspirit. Tome I. Trad. Jean Hyppolite. Paris: Aubier, 1939.

HERNANDEZ, Leila M. G. Leite. Elites Africanas, circulação de ideias e o nacionalismo anticolonial independentista. In: RIBEIRO A.; GEBARA A.; BITTENCOURT, M. (Org.). África, passado e presente: II Encontro de Estudos Africanos da UFF, 2010.

______. A África na sala de aula: visita à história contemporânea. 4. ed. São Paulo: Ed. Selo Negro, 2012.

JAMES, Cyril Lionel Robert. The Black Jacobins: Toussaint L’ouverture and the San Domingo Revolution.

LARA, Lúcio. Imagens de um percurso. Associação Tchiweka de Documentação. Lisboa: Editorial Caminho, 2014.

LENIN, Vladimir. O Estado e a Revolução. São Paulo: Ed. Hucitec, 1987.

______. Imperialismo, fase superior do capitalismo. São Paulo: Global Editora, 1987.

LOCKE, Alain Leroy. The New Negro: An Interpretation. New York: Albert and Charles Boni, 1925.

LOPES, Carlos. O Legado de Amílcar Cabral Diante dos Desafios da Ética Contemporânea. In: LOPES, Carlos (Org.). Desafios contemporâneos da África: O legado de Amílcar Cabral. São Paulo: UNESP, 2011. p. 185-204.

LUKÁCS, György. História e Consciência de Classe: Estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARX, Karl. Manuscritos Filosóficos de Agosto de 1844 ou Manuscritos de Paris, São Paulo: Boitempo, 2004.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Ed. Escriba, 1968.

MEMMI, Albert. Portrait du colonisé, précédé du Portrait du colonisateur. Paris: Payot, 1973.

MONDAINI, Marco (Org.). É preciso sonhar: Aquino de Bragança: indivíduo e revolução na África portuguesa. Recife: Editora Universitária, 2004.

MONDLANE, E. Lutar por Moçambique. Maputo: CEA, 1995. Colecção “Nosso Chão.”.

N’KRUMAH, Kwame. Neocolonialismo: último estágio do imperialismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

PAZ, Octavio. Labirinto da solidão e Post Scriptum. Trad. de Eliane Zagury. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

SAID, Edward. Reconsiderando a teoria itinerante. In: SANCHES, Manuela Ribeiro. (Org.). Deslocalizar a Europa: Antropologia, Arte, Literatura e História na Pós-colonialidade. Lisboa: Ed. Cotovia, 2005.

SARTRE, Jean-Paul. Le Colonialisme est un Systeme. Les Temps Modernes, n. 123, p. 1371-1386, mar./abr. 1956.

______. Reflexões sobre o Racismo. I Reflexões sobre a Questão Judaica; II Orfeu Negro. São Paulo: DIFEL, 1960.

SENGHOR, Léopold Sédar. Orfeu Negro (Introdução à Anthologie de La nouvelle poésie Nègre et Malgache) In: SARTRE, Jean-Paul. Reflexões sobre o racismo. I Reflexões sobre a Questão Judaica; II Orfeu Negro. São Paulo: DIFEL, 1960. p. 105-149.

______. Relatório sobre a Doutrina e o Programa do Partido da Federação Africana. (Xerox), 1959.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.46180

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul