Os indígenas na província de São Pedro: entre práticas e discursos

Karina Moreira Ribeiro da Silva Melo

Resumo


Este artigo levanta questões relevantes acerca dos processos históricos que os indígenas da Província de São Pedro viveram, levando em conta alguns dos discursos que foram produzidos por tais histórias e seus agentes. Os discursos de políticos sobre eles parecem ser contraditórios, mas mostram a dificuldade daqueles que os escreveram em lidar tanto com a política indígena quanto com a política indigenista. Diferentes, embora marcados por algumas semelhanças, os discursos dos religiosos demonstram o desafio que a prática da catequese representou para eles e para os índios. Houve razões bastante distintas para tais ações, deixando transparecer que as experiências coletivas e individuais dos índios, dos políticos e religiosos geraram conflitos e alianças importantes nas histórias dessas personagens.


Palavras-chave


Província de São Pedro, indígenas, autoridades políticas, missionários, práticas e discursos

Texto completo:

PDF

Referências


LOCAIS DE PESQUISA E FONTES CONSULTADAS:

Arquivo Histórico de Porto Alegre (AHPA). Relatório do Vice-Presidente da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul, Patrício Correa da Câmara, na abertura da Assembléia Legislativa Provincial [1857, 1859, 1861].

Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul (AHRS): Fundo Estatística. Livro de estatística judicial dos juizados de paz (1830-1844). Mapa estatístico das conciliações propostas pelos juizados de paz de Rio Pardo. Maço 1, 1833; Fundo Instrução Pública, maço 13, cx. 6. Mapa dos Alunos que freqüentam aula pública de Primeiras Letras de São Nicolau [1848, 1854, 1865]. Diretoria Geral dos Índios. Correspondência ativa: José Joaquim de Andrade Neves, 01 de janeiro de 1849; Fundo Indígenas. Diretoria Geral dos Índios. Correspondência ativa: José Joaquim de Andrade Neves, maio de 1850; Correspondência ativa de Manuel Pires Leis; José Joaquim de Andrade Neves. Diretor da Aldeia de São Vicente, maço 2, 1859. Distrito de São Vicente, 2 de setembro de 1858; Correspondência ativa José Joaquim da Fonseca e Souza Pinto; José Joaquim de Andrade Neves. Diretoria Geral dos Índios, maço 4, março de 1858.

Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (BNRJ), Tomo II – 35, 36, 1 n. 7.

Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul (IHGRGS). DIAS LOPES, Vicente Zeferino. “Comentário Eclesiástico do Rio Grande de São Pedro do Sul desde 1737” [1891]. Cópia datilografada. Caixa D, nº 10.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. “Comunidades indígenas e Estado nacional: histórias, memórias e identidades em construção (Rio de Janeiro e México – séculos XVIII e XIX)”, in ABREU, Martha, SOIHET, Rachel, GONTIJO, Rebeca (org.). Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, pg. 192- 212.

CARVALHO, Jr. Almir Diniz de. Índios cristãos: a conversão dos gentios na Amazônia portuguesa (1653-1769). Campinas, SP, 2005 (Tese de doutorado).

GINZBURG, Carlo. Mitos, Emblemas, Sinais. São Paulo, Cia das Letras, 1989.

MELO, Karina M. R. da Silva e. A Aldeia de São Nicolau do Rio Pardo no Oitocentos: mais de um século de histórias vividas por índios guaranis. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

MONTEIRO, John Manuel. Tupis, tapuias e historiadores. Estudos de história indígena e do indigenismo. Tese apresentada para o concurso de Livre Docência em Antropologia na Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

SAINT-HILAIRE, Auguste. Viagem ao Rio Grande do Sul (1820-1821). Tradução de Adroaldo Mesquita da Costa. 2ª ed., Porto Alegre: Martins Livreiro, 1987.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.24058