Campanha da Legalidade, Luta de Classes e Golpe de Estado no Rio Grande do Sul (1961-1964)*

Diorge Alceno Konrad, Rafael Fantinel Lameira

Resumo


O processo histórico de construção do Golpe Civil-Militar, vitorioso em 1964, teve na Campanha da Legalidade um momento singular. 1964 foi antecedido de profunda polarização política entre os setores conservadoras e progressistas. Foi no Rio Grande do Sul que iniciou a resistência das forças constitucionais à tentativa de golpe, em 1961. Esta primeira tentativa golpista foi frustrada pela mobilização popular, dirigida a partir de Porto Alegre. Situação que não se repetirá em 1964, quando a resistência para a Legalidade teve nova tentativa. Entender este processo em uma dimensão mais ampla e complexa da luta de classes é o objetivo deste artigo.


Palavras-chave


Campanha da legalidade; Luta de classes; Golpe civil-militar de 1964; Brasil; Rio Grande do Sul

Texto completo:

PDF

Referências


Correio do Povo. Porto Alegre, 1o de abril de 1964.

Correio do Povo. Porto Alegre, 2 de abril de 1964.

Correio do Povo. Porto Alegre, 3 de abril de 1964.

Correio do Povo. Porto Alegre, 4 de abril de 1964.

Correio do Povo. Porto Alegre, 5 de abril de 1964.

DREIFUSS, René Armand. 1964: a conquista do Estado. Ação política, poder e golpe de classe. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

FICO, Carlos. O grande irmão: da Operação Brother Sam aos anos de chumbo. O Governo dos Estados Unidos e a Ditadura Militar Brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o “perigo vermelho”. O anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva/FAPESP, 2002.

RODEGHERO, Carla. O diabo é vermelho. Imaginário anticomunista e Igreja Católica no Rio Grande do Sul (1954-1964). Passo Fundo: EDIUPF, 1998.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.23249

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul