A serviço do império e da nação: trabalho indígena e fronteiras étnicas no Espírito Santo (1822-1860)

Vânia Maria Losada Moreira

Resumo


O artigo procura analisar a organização política e social dos índios da província do Espírito Santo e o processo de recrutamento deles para trabalharem para o Estado, durante a primeira metade do século XIX. São dois os principais objetivos da reflexão: (1) analisar o sistema político-administrativo que controlava o trabalho dos índios, identificando os lugares e tipos de serviços realizados por eles, as principais autoridades civis e militares responsáveis pelas questões indígenas e os temas e questões mais recorrentes levantados pelos próprios índios que estavam submetidos ao “serviço imperial e nacional”; e (2) verificar o impacto desse sistema político-administrativo criado para captar o trabalho indígena na reprodução das fronteiras étnicas entre os índios e os “outros” moradores da província.

Palavras-chave


Índios; Trabalho; Fronteiras étnicas; Governo municipal; Província do Espírito Santo

Texto completo:

PDF

Referências


ALMADA, V. Escravismo e transição: o Espírito Santo. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

ALMEIDA, M. R. C. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

ALMEIDA, R. H. de. O diretório dos índios: um projeto de “civilização” no Brasil do século XVIII. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1997.

BARTH, F. Grupos étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, Philippe; STREIFFFENART, J. (Org.). Teorias da etnicidade. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, p. 185-227, 1998.

COUTINHO, D. J. C. da S. Apontamentos secretos sobre a visita de 1811 e 1812. Vista de 1819-1820. In: NEVES, L. G. S. (Org.). O Espírito Santo em princípio do século XIX: apontamentos feitos pelo bispo do Rio de Janeiro à capitania do Espírito Santo nos anos de 1812 e 1819. Vitória: Estação Capixaba e Cultural – ES, p. 43-155, 2002.

CUNHA, M. C. da. Política indigenista no século XIX. In: CUNHA, M. C. da (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras: Secretaria Municipal de Cultura: Fapesp, p. 115-174, 1992.

DOMINGUES, A. Quando os índios eram vassalos: colonização e relações de poder no Norte do Brasil, na segunda metade do século XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000.

FRAGOSO, J.; GOUVEA, M. de F.; BICALHO, M. F. (Org.). O antigo regime nos trópicos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

HESPANHA, A. M.; XAVIER, A. B. A representação da sociedade e do poder. In:

MATTOSO, J. (Dir.). História de Portugal: o Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Editorial Estampa, p. 121-156, s. d.

LEITE, S. História da Companhia de Jesus no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro; Lisboa: Livraria Portugália, 1945.

MATTOS, I. M. de. Civilização e revolta: os botocudos e a catequese na província de Minas. Bauru: Edusc, 2004.

MONTEIRO, J. M. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

______. Tupis, tapuias e historiadores. Tese (Livre-Docência). Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2001.

MONTEIRO, N. G. Os conselhos e as comunidades. In: MATTOSO, J. (Dir.). História de Portugal: o Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Editorial Estampa, p. 303-331, s. d.

MOREIRA,V. M. L. Índios no Brasil: marginalização social e exclusão historiográfica. Diálogos Latino-americanos, n. 3, p. 87-113, 2001.

______. Caboclismo, vadiagem e recrutamento militar entre as populações indígenas do Espírito Santo (1822-1875). Diálogos Latino-americanos, n. 11, p. 94-120, 2005.

______. História, etnia e nação: o índio e a formação nacional sob a ótica de Caio Prado Júnior. Memoria Americana, n. 16, v. 1, p. 63-84, 2008.

MOREIRA NETO, C. de A. Os índios e a ordem imperial. Brasília: CGDOC/Funai, 2005.

PRADO JÚNIOR, C. Formação do Brasil contemporâneo. 11. ed. São Paulo: Brasiliense, 1971.

RELATORIO com que o Exm. Sr. Barão do Itapemirim, Primeiro Vice-Presidente da província do Espirito Santo entregou a administração da mesma ao Exm. Snr. Dr. Jose Mauricio Fernandes Pereira de Barros no dia 8 de março de 1856. Victoria: Typographia Capitaniense de P. A. d’Azeredo, 1856. Disponível em http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u129/000002.html Acesso em 1 de mar. 2010.

RELATORIO com que o Exm. Sr. Presidente da Provincia do Espirito Santo o Doutor Jose Mauricio Fernandes Pereira de Barros passou a administração da Provincia, ao Exm. Sr. Comendador Jose Francisco de Andrade Monjardim Segundo Vice-presidente no dia 13 de fevereiro de 1857. Victoria: Typ. Capitaniense de P. A. d’Azeredo, 1857. Disponível em http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u131/000002.html Acesso em 1 de mar. 2010.

RUBIM, F. A. Notas, apontamentos e notícias para a história da província do Espírito Santo. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, n. 22, p. 161-348, 1856.

SAINT-HILAIRE, A. de. Viagem ao Espírito Santo e Rio Doce. São Paulo: Edusp, 1974.

SALETO, N. Transição para o trabalho livre e pequena propriedade no Espírito Santo. Vitória: Edufes, 1996a.

______. Trabalhadores nacionais e imigrantes no mercado de trabalho do Espírito Santo. Vitória: Edufes, 1996b.

SAMPAIO, P. M. M. Espelhos partidos: etnia, legislação e desigualdade na colônia. Sertões do Grão-Pará, c.1755-c.18234. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2001.

URICOECHEA, F. O minotauro imperial: a burocratização do Estado patrimonial brasileiro no século XIX. Rio de Janeiro: Difel, 1978.

VASCONCELLOS, I. A. de. Memoria statistica da província do Espírito Santo escrita no anno de 1828. Vitória: Arquivo Público Estadual, 1978.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.18936

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul