A conspiração dos trustes ameaça o desenvolvimento: política e imaginário nas páginas do jornal Última Hora (1955-1960)

Jefferson José Queler

Resumo


Imprensa, economia e política são termos comumente inseridos no domínio de uma suposta racionalidade pura. Mitos e paixões raramente são admitidos nessas áreas. Neste texto, sugiro como figuras imaginárias desempenharam um papel decisivo na política brasileira na década de 1950. Por meio das páginas do jornal Última Hora, é possível perceber que determinados grupos sociais mobilizaram o mito da conspiração, conforme definido por Raoul Girardet, para defender seu projeto de desenvolvimento e atacar a forma pela qual os investimentos estrangeiros aumentavam sua participação na economia nacional, especialmente durante a administração Kubitschek. Concluo que mitos e símbolos do imaginário podiam ser utilizados para apoiar a democracia e programas políticos.


Palavras-chave


Mito da conspiração; Jornal Última Hora; Desenvolvimento; Governo Kubitschek

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Maria Aparecida de. “Última Hora: batalhas perdidas, vitória na guerra!”. In: Arquivo em imagens (série Última Hora). São Paulo: Arquivo do Estado de São Paulo, 1997.

BACZKO, Bronislaw. Les imaginaires sociaux: memoirs et espoirs collectifs. Paris: Payot, 1984.

BENEVIDES, Maria Victoria de Mesquita. O governo Kubitschek: desenvolvimento econômico e estabilidade política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo (1930-64). Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

CARONE, Edgar. A Quarta República: 1945-1964 (documentos). São Paulo; Rio de Janeiro: Difel, 1980.

CASTRO, Moacir Werneck de. “Samuel e Lacerda ficaram fascinados um pelo outro”. in: CAMPOS, Anderson (org.) A Última Hora de Samuel: nos tempos de Wainer. Rio de Janeiro: Ed. Grafitto, 1993.

DREYFUSS, René Armand. 1964 – A conquista do Estado. Ação política, poder e golpe de classe. Petrópolis: Vozes, 1981.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2002.

FERREIRA, Jorge (org.) O populismo e sua história. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2001.

GIRARDET, Raoul. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GOLDENSTEIN, Gisela Taschner. Do jornalismo político à indústria cultural. São Paulo: Summus, 1987.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

LEOPOLDI, Maria Antonieta P.. Política e interesses na industrialização Brasileira: as associações industriais, a política econômica e o Estado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

RODRIGUES, Leôncio Martins. O PCB: os dirigentes e sua organização. In: FAUSTO, Boris (org.). História geral da civilização brasileira. O Brasil republicano III. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

TREVISAN, Maria José. 50 anos em 5. Petrópolis: Ed. Vozes, 1986.

WAINER, Samuel. Minha razão de viver. Rio de Janeiro: Record, 1988.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.17930

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul