O espaço econômico do ouro retratado pelas escrituras de “procuração bastante” – Minas Gerais na primeira metade do século XVIII

Carlos Leonardo Kelmer Mathias

Resumo


O presente artigo tem por objetivo discutir a interação havida entre as regiões de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Nordeste por intermédio do estudo de 4.988 escrituras de “procuração bastante” presentes nos livros de nota do primeiro e do segundo ofícios do arquivo da Casa Setecentista de Mariana entre 1711 e 1756. Trata-se de um documento que em boa medida resta inédita aos pesquisadores que se voltam para o período colonial de nossa história. Por isso mesmo, suas potencialidades ainda estão por ser mais bem desenvolvidas. No que respeita à capitania de Minas Gerais na primeira metade do século XVIII, as procurações bastante acabaram por revelar uma forte integração entre as localidades constituintes do espaço econômico do ouro. De resto, as procurações possuíam um cunho comercial, jurídico ou parental consoante suas regiões de destino. Revelam que assim como um mestre-de-campo poderia fazer do guarda-mor da relação da Bahia seu procurador, de igual forma o poderia uma preta forra, por exemplo. Explorar tais considerações é propósito do artigo ora apresentado.

Palavras-chave


Procuração bastante; Interação espacial; Redes sociais

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ANTONIL, João André. “Cultura e opulência do Brasil: por suas drogas e minas”. In: RAPM, ano IV, fasc. 3-4, 1899.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulário portuguez e latino. Coimbra, 1712 (Ed. em CD-ROM da UERJ).

CAMPOS, Maria Verônica. Governo de mineiros: de como meter as Minas numa moenda e beber-lhe o caldo dourado 1693 a 1737. São Paulo: USP, FFLCH, 2002, (Tese de Doutorado).

CARRARA, Ângelo Alves. Minas e currais: produção rural e mercado interno de Minas Gerais, 1674 – 1808. Juiz de Fora: Editora da UFJF, 2007.

CHAVES, Cláudia. “Um negócio bem sortido: as mercadorias do comércio colonial mineiro”. Cadernos LIPHIS, N. 2, 1995, p. 147-168.

CÓDICE Costa Matoso. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, vol. II, 1999. Coordenação-geral de Luciano Raposo de Almeida Figueiredo e Maria Verônica Campos.

ELTIS, David; BEHRENDT, Stephen; RICHARDSON, David; and KLEIN, Herbert. The Trans-Atlantic Slave Trade: a Dataset on CD-ROM, 1999.

FLORY, Rae. Bahian society in the mid-colonial period: the sugar planters, tabocco, growers, merchants, and artisans of Salvador and the Recôncavo, 1680-1725. Texas, Austin, 1978 (Tese de Doutorado).

FRAGOSO, João Luis Ribeiro. À espera das frotas: a micro-história tapuia e a nobreza principal da terra (Rio de Janeiro, 1600-1750). PPGHIS: Rio de Janeiro, 2005 (Tese de professor titular).

GODINHO, Vitorino Magalhães. Ensaios II: sobre história de Portugal. Lisboa: Sá da Costa, 1968.

KELMER MATHIAS, Carlos Leonardo. A cor negra do ouro: circuitos mercantis e hierarquias sociais na formação da sociedade mineira setecentista, c. 1709 – c. 1756. Rio de Janeiro: PPGHIS/UFRJ, 2009 (Tese de doutorado).

MATTOS, Hebe Maria. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista – Brasil, séc. XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

RIBEIRO, Alexandre Vieira. O tráfico atlântico de escravos e a praça mercantil de Salvador, 1680-1830. Rio de Janeiro: PPGHIS/UFRJ, 2005, p. 27 (Dissertação de mestrado).

ROMEIRO, Adriana. Um visionário na corte de D. João V: revolta e milenarismo em Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001.

SAMPAIO, Antônio Carlos Jucá de. Na encruzilhada do império: hierarquias sociais e conjunturas econômicas no Rio de Janeiro (c. 1650 – c. 1750). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

SOARES, Mariza de Carvalho. Devotos da cor: identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro, século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

SCHWARTZ, Stuart. Burocracia e sociedade no Brasil colonial: a suprema corte da Bahia e seus juízes, 1609 – 1751. São Paulo: Perspectiva, 1979.

SOUZA, Laura de Mello e. O sol e a sombra: política e administração na América portuguesa do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SUÁREZ, Margarita. Desafíos transatlânticos: mercaderes, banqueros y el estado en el Peru virreinal, 1600-1700, Fondo de Cultura Económica, Peru, 2001.

TANDETER, Enrique ; WACHTEL, Nathan. “Conjonctures inverses: le mouvement des prix à Potosí pendant le XVIIIe siècle”. Annales: Histoire, Sciences Sociales, vol. 38, n. 3, 1983, p. 549 – 613.

ZEMELLA, Mafalda. O abastecimento da capitania de Minas Gerais no século XVIII. São Paulo: Hucitec/EdUSP, 1990.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.12922

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul