Uma Medeia em quadrinhos: Mito, recepção da antiguidade e terrorismo na Medeia de Mariana Waechter

Mateus Dagios

Resumo


O artigo propõe analisar a HQ Medeia de Mariana Waechter (2014), demonstrando como a autora constrói em sua obra gráfica uma narrativa para debater o discurso do terrorismo no Brasil na segunda década dos anos 2000, momento em que o país foi sacudido por manifestações de rua. A HQ é analisada a partir da noção de recepção da antiguidade nos quadrinhos, tema cada vez mais explorado pelos estudos da antiguidade. O texto examina como o mito de Medeia vem sendo utilizado durante as últimas décadas para abordar reivindicações sociais. A heroína grega é uma figura plural que engloba temas como a situação social dos estrangeiros, o feminismo e questões de alteridade. A Medeia de Mariana Waechter apropria-se de várias representações do mito para demonstrar como o terrorismo em suas mais variadas expressões totalitárias se consolida no Brasil.

Palavras-chave


Medeia; Recepção; Quadrinhos; Mito; Terrorismo

Texto completo:

PDF

Referências


BURKE, Peter. O que é História Cultural? Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2008.

CENTENARO, Natasha. De feiticeira grega às estrangeiras contemporâneas: Medeia Vozes e a discussão de gênero e memória. I Congresso Internacional de Novas Narrativas, 2015, ECA, USP, v. I, p. 391-404, 2015.

CHALIAND, Gérard; BLIN, Arnaud. Preface. In: CHALIAND, Gérard; BLIN, Arnaud (eds.). The History of Terrorism: From Antiquity to Al Qaeda. Berkeley: University of California Press, 2007, p. I-VIII.

CHARTIER, Roger. A História Cultural. Entre Práticas e Representações. Lisboa: Difel, 1990.

COELHO, Maria C. M. N. Five Brazilian Medeas. Bulletin of the Institute of Classical Studies, v. 2, p. 359-380, 2013.

COSSE, Isabella. Mafalda: A Social and Political History of Latin America’s Global Comic. Durham: Duke University Press, 2019.

DAGIOS, Mateus. Classics and Comics: diálogos entre quadrinhos e Antiguidade Clássica. Nona Arte: Revista Brasileira de Pesquisas em Histórias em Quadrinhos, v. 2, p. 123-128, 2013.

ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados. São Paulo: Perspectiva, 2008.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1972.

ELIADE, Mircea. Mito do Eterno Retorno. São Paulo: Mercuryo, 1992.

EURÍPIDES. Medeia. Tradução de Flavio Ribeiro de Oliveira. São Paulo: Odysseus, 2006.

FOLEY, Helene P. Modern Performance and Adaptation of Greek Tragedy, Transactions of the American Philological Association (1974-), v. 129, p. 1-12, 1999.

GAYRAUD, Jean-François; SÉNAT, David. Le terrorisme. Paris: PUF, 2002.

GIRARD, René. O Bode Expiatório. São Paulo: Paulus, 2004.

HAN, Byung-Chul. Topologia da violência. Petrópolis: Vozes, 2017.

HARDWICK, Lorna; STRAY, Christopher. Introduction: Making Connections. In: HARDWICK, Lorna; STRAY, Christopher (eds.). A Companion to Classical Receptions. S/l: Blackwell Publishing, 2008, p. 1-9.

KOVACS, George; MARSHALL, C. W. (eds.). Classics and Comics. Oxford: Oxford University Press, 2011.

LAURIOLA, Rosanna. Medea. In: LAURIOLA, Rosanna; DEMETRIOU, Kyriakos N. (eds.). Brill’s Companion to the Reception of Euripides. Leiden/Boston: Brill, 2015, p. 377-442.

MARTINDALE, C. Introduction: Thinking Through Reception. In: MARTINDALE, C.; THOMAS, R. F. (eds). Classics and the Uses of Reception. Malden/Oxford: Blackwell, 2006, p. 1-13.

MCCLOUD, Scott. An Interview with Scott McCloud. Entrevista concedida a Hilary Chute. Believer, 43, p. 80-86, 2007. Disponível em: https://believermag.com/an-interview-with-scott-mccloud/

REYNOLDS, Richard. Super Heroes: A Modern Mythology. London: B.T. Batsford, 1992.

SÁFARO. Programa – Medeia. Abril de 2012. Disponível em:

http://osafaro.blogspot.com/2012/04/blog-post_28.html

SÁFARO. [Fotos] Lançamento Medeia, de Mariana Waechter. Agosto de 2014. Disponível em: http://osafaro.blogspot.com/2014/08/fotos-lancamento-medeia-de-mariana.html

SILVA, Glaydson José da; FUNARI, Pedro Paulo; GARRAFFONI, Renata Senna. Recepções da Antiguidade e usos do passado: estabelecimento dos campos e sua presença na realidade brasileira. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 40, n. 84, p. 43-66, 2020.

SMIT, Betine van Zyl. Medea The Feminist. Acta Classica, v. 45, p. 101-122, 2002.

STEINER, George. Antigones. Oxford: Oxford University Press, 1984.

TAKAHASHI, André. O Black Bloc e a resposta à violência policial. Carta Capital, 31 de julho de 2013.

THIÉBAUT, Michel. Culture populaire et culture savante: l’Antiquité dans la Bande Dessinée. Dialogues d’histoire ancienne, v. 24, n. 2, p. 232-243, 1998.

TRABULSI, J.A. Dabdab. Dionisismo, poder e sociedade na Grécia até o fim da época clássica. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004.

VERNANT, Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Perspectiva, 1999.

WAECHTER, Mariana. Mariana Waechter. Entrevista concedida à revista Monotipia. Monotipia, n. 39, março de 2014a. Disponível em:

https://issuu.com/antiambiente/docs/monotipia39

WAECHTER, Mariana. Medeia. São Paulo: edição da autora, 2014b.

ZUCKERBERG, Donna. Not All Dead White Men: Classics and Misogyny in the Digital Age. Massachusetts: Harvard University Press, 2018.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.111841