Transexualidade em Quadrinhos: narrativa autobiográfica nas histórias de Sasha, a leoa de juba e Alice Pereira

Maria da Conceição Francisca Pires

Resumo


O artigo examina a produção gráfica das quadrinistas Samie Carvalho, criadora de Sasha, a leoa de juba, e Alice Pereira, autora dos quadrinhos Pequenas Felicidades Trans. A proposta é pontuar como tais quadrinhos foram empregados como instrumento artístico para abordar e romper com estereótipos, tabus e estigmas sobre transexualidade. Interessa assinalar como, através da exposição dos dilemas subjetivos e preconceitos vividos e da construção de uma autorrepresentação, tais narrativas disputam espaço e legitimidade com as narrativas hegemônicas, ao mesmo tempo em que contribuem para a formação de um pensamento crítico e compreensivo sobre os temas abordados.

Palavras-chave


Histórias em Quadrinhos; Identidade de Gênero; Transexualidade; Autobiografia

Texto completo:

PDF

Referências


ABIRACHED, Zena. O Jogo das Andorinhas: morrer, partir, retornar. Campinas: Zarabatana books, 2007.

BECHDEL, Alice. Fun Home: uma tragicomédia em família. SP: Todavia, 2006.

BENTO, Berenice. “Disforia de Gênero: geopolítica de uma categoria psiquiátrica”. Revista Direito e Práxis. vol. 7, n. 15, 2016. p. 496-536.

BERTOLO, Rodrigo. Trans ao Quadrado. Cartunistas desenham a dor e adelicia da transição de gênero. UOL. Disponível em Acesso em: 05 jan. 2020

BOGADO, Maria. Rua. In HOLLANDA, Heloisa B. (org.) Explosão Feminista. Arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p.23-42

BUTLER, Judith. Desdiagnosticando o Gênero. Physis Revista de Saúde Coletiva. vol. 19, n. 01, 2009. p.95-126.

CARVALHO, Samie. Entrevista. Revista Rosa. 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2020.

CARVALHO, Samie. Sasha, a leoa de juba. Disponível em: . Acesso em: 03 mai. 2020

CASTELLS, Manuel. O Poder da Identidade. vol. 2. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CERTEAU, M. La Toma de la Palabra y Otros Escritos Politicos. Universidad Iberoamericana. Instituto Tecnológico Y de Estudios Superiores do Occidente. Serie Historia y Grafia 2. 1995.

COAN, Samanta. Desenhando Gênero. Quadrinistas trans conquistam espaço e mobilizam novas representações. Risca!#1 Memória e Política das Mulheres nos Quadrinhos. Novembro. 2015.

COLLINS, Patricia Hill. Em Direção a uma Nova Visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão. In: MORENO, Renata. Reflexões e práticas de transformação feminista. São Paulo: Cadernos Sempreviva, 2015. cap. 1, p. 13-42.

COSTA, Cristiane. Rede. In HOLLANDA, Heloisa B. (org.) Explosão Feminista. Arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p.43-60

CRUMB, Aline K. Need More Love. Reino Unido: Spruce, 2007

CRUMB, Robert. My First LSD Trip. It, 14 June, 1973

DUQUE-ESTRADA, Elizabeth M. Devires Autobiográficos: a atualidade da escrita de si. Rio de Janeiro: NAU/Editora PUC-Rio, 2009.

EISNER, Will. Um Contrato com Deus e outras Historias de Cortiço. SP: Brasiliense, 1978.

FREITAS, Hyndara. 'Transistorizada' usa humor para falar sobre transição de gênero e universo trans. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2020.

GREEN, Justin. Binky Brown meets The Holy Virgin Mary. São Francisco: McSweeney's Books, 1972.

HUTCHEON, Linda. Teoria e Política da Ironia. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

LAURETIS, Teresa de. A Tecnologia de Gênero. In HOLLANDA, Heloísa B. (org.) Pensamento Feminista. Conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo. 2019. p.121-155

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em Análise do Discurso. São Paulo: Pontes/Unicamp, 1993.

MARTINS, Alexandr@. Muriel/Hugo. Personagens Trans (viados). 2010. Disponível em: Acesso em: 30 mar. 2020.

MERCIER, J-P. Autobiographie et bande dessinée. Cahiers RITM. vol. 20, 1999. p. 157-165

NOBREGA FILHO, Emanoel R. G. História das Multiplicidades Travestis em Muriel Total, de Laerte Coutinho: cartografias discursivas da estética de si por um devir transgênero. Tese (Doutorado), Programa de Pós-graduação em Letras: Universidade Federal da Paraíba, 2016.

OLIVEIRA, Alessandra M. D. Narrativas Transviadas: Silenciamento, Colonialismo Jurídico e a Busca Por Ancestralidade Travesti. In Mortari, C.; Wittmann, L. T. (orgs). Diálogos Sensíveis. Produção e circulação de saberes diversos. Florianópolis: Rocha Gráfica e Editora, 2020. p. 369-386 (Selo Nyota).

OLIVEIRA, Selma R. N. Mulher ao Quadrado. As representações femininas nos quadrinhos norte-americanos: permanências e ressonâncias (1895-1990). Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2007.

PEREIRA, Alice. Pequenas Felicidades Trans. Rio de Janeiro: Edição da Autora, 2019.

RAGO, Margareth. Escrita de Si, Parresia e Feminismos. In VEIGA-NETO, A.CASTELO BRANCO, G. (orgs). Foucault, Filosofia e Política. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. p. 251-267.

RAGO, Margareth. A Aventura de Contar-se. Feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Ed. Unicamp, 2013.

SATRAPI, Marjane. Persépolis. SP: Quadrinhos na Cia, 2007.

SCOTT, Joan W. A Invisibilidade da Experiência. Projeto. História, vol. 16, fev, 1998. p. 297-325.

SPIEGELMAN, Art. Maus, graphic novel. New York: Pantheon Books, 1986.

VATTIMO, G. A sociedade transparente. Coleção Antropos, Lisboa, Portugal: Relógio D’Água Editores, 1992.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.110580