“De tabica em punho aplicou-lhe várias bordoadas”: crianças e (in)justiças do mundo do trabalho na década de 1930

Humberto Silva Miranda

Resumo


Ao se debruçar sobre as crianças e os adolescentes no mundo do trabalho adulto, a historiografia das infâncias e juventudes vem problematizando as diferentes práticas sociais e culturais que demarcam políticas de disciplinarização e/ou medida de proteção. O século XX foi palco de iniciativas legais que buscaram estabelecer códigos de controle sobre as crianças, famílias e empregadores, produzindo o discurso da “ressocialização a partir do trabalho”. O objetivo deste trabalho é de analisar o cotidiano de meninos no mundo do trabalho em Recife, na década de 1930. Os periódicos, legislações e processos criminais serão analisados as fontes documentais que permitiram a produção de práticas discursivas sobre o labor infantil. O artigo coloca questões relevantes em tela, como a violência no mundo laboral e a tentativa de sindicalização do “menor trabalhador”. Voltar-se para a história de meninos e meninas no mundo do trabalho, fez-nos encontrar um universo permeado de (in)justiças  praticadas por adultos. Em nome da produção, do lucro e da mais valia, a “força da tabica” foi utilizada para corrigir ou coagir crianças e adolescentes, a violência física e o descuidado, descortinam o cotidiano marcado pela exploração, mas por táticas de sobrevivência e resistência.  


Palavras-chave


Crianças; Violências; Código; Imprensa; Trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


AREND, Silvia. De exposto a abandonado: uma trajetória jurídico-social. VENÂNCIO, Renato. In: Uma história social do abandono de crianças: de Portugal ao Brasil (séculos XVIII-XX). São Paulo: Alameda, 2010. 339-359.

BLANCO, Esmeralda. Crianças operárias na recém-industrializada São Paulo. In: PRIORE, Mary Del. História da criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1991.

BRASIL. Código de Menores de 1927. Decreto 17.343/A. Rio de Janeiro, 12 de outubro de 1927.

AREND, Silvia. De exposto a abandonado: uma trajetória jurídico-social. VENÂNCIO, Renato. In: Uma história social do abandono de crianças: de Portugal ao Brasil (séculos XVIII-XX). São Paulo: Alameda, 2010. 339-359.

BLANCO, Esmeralda. Crianças operárias na recém-industrializada São Paulo. In: PRIORE, Mary Del. História da criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1991.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim. 2ª Ed. Campinas: editora da Unicamp, 2001.

DONZELOT, Jacques. A polícia das famílias. 3º Ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2001.

OLIVEIRA, Iranilson Buriti de. Façamos da família à nossa imagem: a construção de família no Recife Moderno. 2002. Tese (Doutorado em História) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2002. p. 139.

PASSETTI, Edson. Violentados: crianças, adolescentes e justiça. São Paulo: Editora Imaginário, 1999. P. 25.

PERROT, Michelle. Funções da família. In: PERROT, Michelle (Org). História da vida privada: da Revolução Francesa à Primeira Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. p. 131.

PERNAMBUCO. Jornal Pequeno. 1929. Arquivo Estadual Jordão Emereciano, Recife.

PERNAMBUCO. Voz Operária. 1932. Arquivo Estadual Jordão Emereciano, Recife.

PERNAMBUCO. Diário de Pernambuco. 1932. Arquivo Estadual Jordão Emereciano, Recife.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar (Brasil, 1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. p. 130.

RIZZINI, Irma. Pequenos trabalhadores no Brasil. In: PRIORE, Mary Del. Histórias das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004.

AREND, Silvia. De exposto a abandonado: uma trajetória jurídico-social. VENÂNCIO, Renato. In: Uma história social do abandono de crianças: de Portugal ao Brasil (séculos XVIII-XX). São Paulo: Alameda, 2010. 339-359.

BLANCO, Esmeralda. Crianças operárias na recém-industrializada São Paulo. In: PRIORE, Mary Del. História da criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1991.

BRASIL. Código de Menores de 1927. Decreto 17.343/A. Rio de Janeiro, 12 de outubro de 1927.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim. 2ª Ed. Campinas: editora da Unicamp, 2001.

DONZELOT, Jacques. A polícia das famílias. 3º Ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2001.

OLIVEIRA, Iranilson Buriti de. Façamos da família à nossa imagem: a construção de família no Recife Moderno. 2002. Tese (Doutorado em História) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2002. p. 139.

PASSETTI, Edson. Violentados: crianças, adolescentes e justiça. São Paulo: Editora Imaginário, 1999. P. 25.

PERROT, Michelle. Funções da família. In: PERROT, Michelle (Org). História da vida privada: da Revolução Francesa à Primeira Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. p. 131.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar (Brasil, 1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. p. 130.

RIZZINI, Irma. Pequenos trabalhadores no Brasil. In: PRIORE, Mary Del. Histórias das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim. 2ª Ed. Campinas: editora da Unicamp, 2001.

DONZELOT, Jacques. A polícia das famílias. 3º Ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2001.

OLIVEIRA, Iranilson Buriti de. Façamos da família à nossa imagem: a construção de família no Recife Moderno. 2002. Tese (Doutorado em História) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2002. p. 139.

PASSETTI, Edson. Violentados: crianças, adolescentes e justiça. São Paulo: Editora Imaginário, 1999. P. 25.

PERROT, Michelle. Funções da família. In: PERROT, Michelle (Org). História da vida privada: da Revolução Francesa à Primeira Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. p. 131.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar (Brasil, 1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. p. 130.

RIZZINI, Irma. Pequenos trabalhadores no Brasil. In: PRIORE, Mary Del. Histórias das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.100744