Alforrias e contratos de trabalho: escravos rio-grandenses em estâncias uruguaias (meados do século XIX)

Jônatas Marques Caratti

Resumo


Neste artigo nos propomos a analisar as estratégias dos senhores rio-grandenses para obtenção do trabalho escravo em suas estâncias em terras uruguaias. Através do caso do pardo Anacleto, buscaremos compreender especificamente como os senhores levavam sobre a condição de libertos seus cativos para servirem como escravos em terra livre. Utilizamos como fontes documentais para essa investigação as alforrias registradas nos tabelionatos de diversos municípios, subsidiados no Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul (APERS), os avisos dos Ministros Estrangeiros no Arquivo Nacional (ANRJ), as correspondências diplomáticas do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul (AHRS) e registros paroquiais do Arquivo Histórico da Cúria Metropolitana de Porto Alegre (AHCMPA).


Palavras-chave


Alforrias; Contratos de trabalho; República Oriental do Uruguai; Fronteira;

Texto completo:

PDF