O ensino médio brasileiro ao gosto do empresariado

Sérgio Feldemann de Quadros, Nora Krawczyk

Resumen


As disputas em torno do sentido do ensino médio são históricas no Brasil. Os debates são marcados pela presença de diversos grupos sociais. O empresariado, apesar de participar das políticas educacionais desde os anos 1930, mudou a forma e o protagonismo de suas ações nas três últimas décadas. Neste sentido, a partir de uma breve contextualização do cenário político, realiza-se alguns apontamentos sobre a influência deste ator na reforma do ensino médio, sancionada pela medida provisória 746 de 2016. Destacam-se a convergência no aceno pela aprovação da reforma entre os empresários que participaram das audiências públicas; os documentos das instituições empresariais que se assemelham a proposta da reforma; a presença destes grupos na elaboração da BNCC; a orientação da reforma pela pedagogia das competências e seu espírito neoliberal. Este fenômeno apresenta implicações na democratização da educação, uma vez que, em uma sociedade atravessada pela luta de classes e interesses antagônicos, a primazia das propostas dos empresários nas reformas educacionais pode significar perdas importantes na escolarização dos trabalhadores, como apontado pelas divergências e resistências de pesquisadores e dos movimentos sociais.

Palabras clave


reforma educacional; ensino médio; empresariado; Brasil

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))


Copyright (c) 2019 Sérgio Feldemann de Quadros, Nora Krawczyk

ISSN Electrónico: 1982-3207

Qualis/Capes: Educação B2

 

Periodicidad – Semestral

 

La recepción de artículos se caracteriza por su flujo continuo sin que sea posible preveer la fecha de su publicación.


This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY-NC 4.0).