Variabilidade sedimentológica e geoquímica em um sistema estuarino tropical sob forte influência antrópica (Rio Capibaribe-PE)

Emarielle Coelho PARDAL, Diego de Arruda XAVIER, Isabelle VILELA, Plínio Barbosa de CAMARGO, Manuel de Jesus FLORES-MONTES, Roberto Lima BARCELLOS

Resumo


Este estudo tem como objetivo analisar a variabilidade sedimentológica e geoquímica sazonal no estuário do Rio Capibaribe, Pernambuco. As amostragens foram realizadas nos períodos secos e chuvosos dos anos de 2010 e 2011, e submetidas à análises granulométricas, quantificação dos conteúdos de matéria orgânica total e teores de carbonato de cálcio e composições isotópicas de carbono e nitrogênio. Os resultados sedimentológicos variaram para o estuário de silte muito fino a silte grosso, com predomínio de silte grosso e de silte grosso a areia grossa, para a plataforma continental interna, com predomínio de areia média. O conteúdo da matéria orgânica e os teores de carbonato variaram de 1,5 a 21,7% e 1,7 a 87,3%, respectivamente. As porcentagens de carbono orgânico, nitrogênio total, razão C/N e suas razões isotópicas variaram de 0,11 a 8,87%; 0,01 a 1,02%; 6,01 a 18,81; -25,90 a -20,85‰PDB e -1,14 a 7,66‰Ar, respectivamente. Os altos índices pluviométricos incrementaram no volume de água do rio, aumentando a energia hidrodinâmica e, consequentemente, intensificou o processo de erosão das margens bem como, o carreamento de sedimentos finos e MOT para a plataforma continental. Durante os períodos mais secos o estuário apresentou um comportamento de retenção de sedimentos finos e matéria orgânica, ocasionado pela diminuição da energia hidrodinâmica no sistema estuarino. Os resultados isotópicos demonstraram que o estuário apresentou diferentes fontes de MOT. O estuário registrou impacto ambiental indicado pela razão isotópica δ15N oriundo dos dejetos urbanos lançados no sistema, caracterizando evidências de poluição antrópica (δ15N <2‰Ar).

Palavras-chave


Isótopos estáveis; sedimentologia; matéria orgânica; razão C/N; poluição; estuário.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.97386

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br