Ocorrências de ametista em basaltos do Triângulo Mineiro (Minas Gerais): descrição e comparações com depósitos similares do Rio Grande do Sul

Coralie Heinis DIAS, Mario Luiz de Sá Carneiro CHAVES, Pedro Luiz JUCHEM, Antônio Wilson ROMANO

Resumo


Depósitos de ametista de classe mundial ocorrem associados à Formação Serra Geral (Cretáceo Inferior) no sul do país e imediações, particularmente nas regiões de Ametista do Sul (RS) e de Artigas (Uruguai). Tais derrames se estendem para norte até a região do Triângulo Mineiro (MG), onde foram estudados três depósitos de pequenas proporções (Fazenda Barreiro, Pedreira Incopol e Tembezinho), juntamente com seus basaltos encaixantes. O objetivo principal deste trabalho foi caracterizar a geologia e a mineralogia destes depósitos, bem como compará-los aos que ocorrem em derrames congêneres do sul. Petrograficamente, tais basaltos mostraram plagioclásio, piroxênio, vidro vulcânico e opacos, além da alteração do vidro e dos minerais silicáticos da matriz para argilominerais, e preenchimentos secundários de calcedônia, esmectita, quartzo micro e macrocristalino e calcita. Análises geoquímicas indicaram basaltos com altos teores de Ti (2,67-3,98% TiO2); somente uma amostra foi caracterizada como andesito basáltico segundo o diagrama TAS. Comparadas a seus congêneres do sul do país, são rochas quimicamente similares aos basaltos mineralizados de alto Ti de Ametista do Sul. As ocorrências de ametista estudadas estão associadas a derrames que possuem espessuras aparentes menores que 50 m, preenchendo fraturas verticais ou formando geodos de forma semi-esférica a cônica. Calcita e celadonita, minerais comuns e abundantes associados à ametista do RS, foram observados apenas na ocorrência da Pedreira Incopol. Com base nas altitudes observadas, considerou-se a possibilidade de existência de pelo menos três derrames distintos da Formação Serra Geral na região do Triângulo Mineiro.


Palavras-chave


Vulcanismo; Formação Serra Geral; petrografia; mineralogia

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.97385

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br