Geoquímica e geocronologia dos Gnaisses Piratini: magmatismo cálcio-alcalino médio a alto-K de 784 Ma (U-Pb SHRIMP) no SE do Cinturão Dom Feliciano (RS, Brasil)

Guilherme Baldissera TAMBARA, Edinei KOESTER, Rodrigo Chaves RAMOS, Carla Cristine PORCHER, Daniel Triboli VIEIRA, Luis Alberto D'Ávila FERNANDES, Cristine LENZ

Resumo


Diversas ocorrências de xenólitos metamórficos em granitoides neoproterozoicos são reconhecidas no Domínio Oriental do Cinturão Dom Feliciano (Rio Grande do Sul, Brasil). No entanto, carecem de estudos detalhados que permitam investigar a história pretérita e a natureza da crosta desse domínio. O presente artigo apresenta uma investigação realizada em xenólitos metamórficos da região de Piratini e Pinheiro Machado, sudeste do Escudo Sul-rio-grandense, envolvendo trabalhos de campo, microscopia óptica, geoquímica de rocha total e geocronologia (U-Pb SHRIMP em zircão). A associação de rochas gnáissicas estudada, denominada Gnaisses Piratini, apresenta composição intermediária a ácida, predominantemente granodiorítica a tonalítica, cálcio-alcalina médio a alto-K, predominantemente peraluminosa, com assinaturas geoquímicas compatíveis com magmatismo relacionado à subducção. As idades U-Pb SHRIMP obtidas em zircão foram de 784 ± 4 Ma para o magmatismo e de 664 para o metamorfismo. Esses novos dados permitiram interpretar os protólitos dos Gnaisses Piratini como provenientes de um ambiente de arco magmático continental, relacionado à subducção em torno de 800 Ma, seguido de metamorfismo em ca. 660 Ma.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.95466

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br