Evolução da linha de costa de Salinópolis, Nordeste do Pará, Brasil

Leilanhe A. RANIERI, Maâmar EL-ROBRINI

Resumo


As taxas médias de variação de linha de costa constituem um bom índice para a determinação da tendência evolutiva de qualquer trecho do litoral . No município de Salinópolis, apesar de esta tendência ser de deposição de sedimentos na linha de costa, em locais onde a ocupação humana está se consolidando, a erosão costeira tem acarretado impactos significativos (recuo de barracas, perda parcial de moradias e abalos às vias de acesso as praias). Assim, foi realizada com o auxílio do Digital Shoreline Analysis System, a avaliação multitemporal (25 anos) da variação da linha de costa no trecho urbano de Salinópolis a partir da análise de imagens de satélite Landsat, limitando a área de estudo em três setores (oeste: praias da Corvina e Maçarico, central: praia do Farol Velho e leste: praia do Atalaia). De 22/07/1988 a 28/08/2013, o recuo médio linear obtido para toda área de estudo foi de -42,25 m, enquanto o avanço médio linear foi de 190,26 m, indicando uma tendência progradacional da costa. As maiores taxas de variação ocorreram entre os anos de 1988 a 2001, com 18,24 m/ano no Setor Oeste, 0,06 m/ano no Setor Central e 5,08 m/ano no Setor Leste. As áreas em erosão são pontuais: divisas das praias da Corvina e Maçarico, e Farol Velho e Atalaia, locais mais expostos ao oceano e onde a urbanização se consolida de forma desordenada. O que ocorre é a tendência deposicional de sedimentos na linha de costa desde 1988, exclusivamente nas margens de cada praia, cujo resultado é derivado da elevada carga sedimentar trazida pelos estuários que recortam a área.


Palavras-chave


sensoriamento remoto, análise multitemporal, variação de linha de costa, Salinó- polis.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.78121

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br