Shimon Ballas: a ma’abará como não-lugar

Luis Krausz

Resumo


Este artigo aborda a obra literária do escritor israelense de origem iraquiana Shimon Ballas (1930-) e, em particular, seu romance de estreia, intitulado Há-ma’abará, publicado pela primeira vez em 1964. Neste romance Ballas explora o paradoxal tema do exílio na terra da Redenção, isto é, a marginalização sofrida pelos judeus iraquianos logo após sua chegada à terra de Israel. Ambientada num campo de trânsito, a narrativa tem como centro a desterritorialização sofrida por estes imigrantes, que eram identificados com os árabes pela cultura hegemônica em Israel à época, e sua situação liminar, dentro dos campos de trânsito, que não eram mais o Iraque mas tampouco eram Israel, na medida em que permaneciam isolados do país por vários tipos de barreiras. Ballas foi um dos pioneiros num gênero literário que ganharia importância a partir dos anos 1970 e foi também um crítico severo da sociedade israelense.

 

Shimon Ballas: the ma’abarah as a non-place - Abstract: This article discusses the literary oeuvre of the Iraqi-born Israeli novelist Shimon Ballas (1930-) and, in particular, his first novel, Ha ma’abará, first published in 1964. In this novel Ballas discusses the paradoxical theme of exile in the land of redemption and the marginalization suffered by Iraqi Jews after their arrival in Israel. The narrative unfolds in a transit camp and its central theme is the displacement and estrangement suffered by immigrants who tended to be identified with the arabs by Israel’s hegemonic culture as well as their liminal situation inside the camps, which were no longer in Iraq but neither were in Israel, since they were isolated from the country by different kinds of barriers. Ballas was one of the pioneers in a genre that was to gain importance from the 1970’s onwards and was also a severe criticizer of Israeli society.


Texto completo:

PDF