ÉTICA NA INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS-PORTUGUÊS NA SALA DE AULA: FRUTOS DE POSTURAS ÉTICAS

Andréa Silva Rosa, Maria Inês Bacellar Monteiro

Resumo


Fruto de uma tese de doutorado sobre a alteridade como fundamento ético para a tradução e interpretação da língua de sinais na sala de aula, este texto tem por objetivo analisar o dizer dos tradutores e interpretes de Libras sobre o que é ser ético na sala de aula. Para isso apresenta uma discussão a partir da análise de um conjunto de três entrevistas de tradutores e intérpretes de língua de sinais (Tils) que atuam na sala de aula no ensino médio e superior. A fundamentação teórica segue o princípio de ética da tradução, baseada em reflexões de autores dos Estudos da Tradução, que tratam da tradução de uma língua para outra apontando que a ética está no respeito às diferenças das línguas e que o tradutor é ético quando assume sua responsabilidade no ato tradutório

Palavras-chave


Tradutor e intérprete de língua de sinais; Ética; Sala de aula; Estudos da Tradução

Texto completo:

PDF


ISSN eletrônico: 2236-4013


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribuition 3.0.


Indexadores: 


 

 

cariniana 2

 

TRANSLATIO
Instituto de Letras
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500, CEP 91540-000
Porto Alegre - RS
Email: translatio.ufrgs@gmail.com