A POESIA DE ELIZABETH BISHOP NO BRASIL

Renata Beatriz Freitas Estanislau

Resumo


A proposta deste trabalho é demonstrar as relações entre os processos de edição e tradução, tomando como base duas antologias brasileiras de poemas de Elizabeth Bishop. Poemas (1990) e Poemas do Brasil (1999) foram organizadas e traduzidas respectivamente por Horácio Costa e Paulo Henriques Britto. O objetivo é discutir a manipulação dos textos literários na edição. Para tanto, será utilizado o conceito de reescritura de Andre Lefevere, que entende que o texto é passível de manipulação, e que os indivíduos que trabalham com o escrito antes da publicação são reescritores.  Dito isso é preciso compreender os mecanismos que possibilitam a manipulação, ressaltando dentre eles os paratextos de Gerard Gennete. Os paratextos possibilitam a manifestação do ponto de vista dos reescritores e manipulam a recepção do texto pelo leitor. Na última parte, fragmentos de poemas de Bishop e suas respectivas traduções serão comparados, justificando as escolhas dos tradutores de acordo com a análise teórica do artigo. É importante ressaltar que não será apontado a melhor tradução, essa análise será comparativa e possibilitará concluir que as escolhas tradutórias, nos dois exemplares em exame, se relacionam, diretamente, com a proposta editorial dos livros. Palavras Chave: Tradução; Edição; Paratexto; Manipulação; Poesia


Palavras-chave


Tradução; Edição; Paratexto; Manipulação; Poesia

Texto completo:

PDF


ISSN eletrônico: 2236-4013


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribuition 3.0.


Indexadores: 


 

 

cariniana 2

 

TRANSLATIO
Instituto de Letras
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500, CEP 91540-000
Porto Alegre - RS
Email: translatio.ufrgs@gmail.com