OS-VUESTRO-VOSOTROS-VOS. USO E DESUSO DAS VARIANTES IBÉRICAS DO ESPANHOL NAS TRADUÇÕES LATINO-AMERICANAS DOS TEXTOS CLÁSSICOS

Cecilia Marcela Ugartemendía

Resumo


Prevalece senso-comum de que a variante ibérica do espanhol é a variante culta da língua e por isso a preferida ao traduzir clássicos em tom solene, como Cícero, César ou Virgílio. Tradicionalmente, tradutores do latim e estudantes do idioma recorrem de forma irrefletida ao espanhol castiço na tradução da segunda pessoa, suas respectivas conjugações verbais e pronomes. Além dos problemas com o estilo solene, a variante ibérica, não natural ao tradutor latino-americano, acarreta problemas adicionais na tradução dos clássicos. A partir de experiência junto a um grupo de tradutores da Universidade de Buenos Aires com a tradução do De lege agraria de Cícero, que optou pela variante latino-americana, neste breve trabalho serão confrontadas as variantes tradicional-ibérica, latino-americana e rio-platense. Os mecanismos de tradução serão demonstrados com base em excertos essenciais da obra, verificando as consequências da eleição das variantes, especialmente a rio-platense (voseo).


Palavras-chave


espanhol castizo; espanhol latino-americano; textos greco-latinos; voseo; tuteo.

Texto completo:

PDF


ISSN eletrônico: 2236-4013


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribuition 3.0.


Indexadores: 


 

 

cariniana 2

 

TRANSLATIO
Instituto de Letras
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500, CEP 91540-000
Porto Alegre - RS
Email: translatio.ufrgs@gmail.com