GESTO-VISUALIDADE NO PROCESSO DE TRADUÇÃO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: MARCAS DO DISCURSO NARRATIVO

Neiva Aquino Albres, Mairla Pereira Pires Costa, Thiago William Teles Rossi

Resumo


A proposta desse artigo é analisar a tradução de um trecho de literatura infanto-juvenil do gênero narrativo. Considerando que o texto alvo é em língua brasileira de sinais – Libras e observando as características desta língua, como o uso do corpo (mãos, face e tronco) e o modo de enunciação, exige-se do tradutor competência linguístico-discursiva para executar uma tradução que se aproxime do público-alvo. O objeto que serviu de corpus da análise foi um texto original (em língua oral auditiva – português) e sua versão traduzida (em língua gestual-visual – Libras), que foi executada coletivamente por acadêmicos e sob a orientação de professor. Seguindo uma perspectiva tradutória que inclui a gesto-visualidade, o gênero textual narrativo e a subjetividade ao traduzir discursos, elencou-se estratégias para que o tradutor dispusesse de recursos para realizar uma tradução de modo mais seguro. A partir da descrição dos trechos da tradução e detalhando as escolhas tradutórias, evidencia-se a utilização do espaço-sub-rogado, a construção do sentido não somente pelas palavras que compõem o texto escrito, mas também pelas ilustrações que fazem parte da obra. É possível afirmar que a gestualidade como característica das línguas naturais, incluindo também as línguas sinalizadas, é um aspecto utilizado na língua em si, bem como é um recurso do qual o tradutor pode utilizar-se para enriquecer o texto traduzido.

Palavras-chave


Tradução, Gênero narrativo, Libras.

Texto completo:

PDF


ISSN eletrônico: 2236-4013


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribuition 3.0.


Indexadores: 


 

 

cariniana 2

 

TRANSLATIO
Instituto de Letras
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500, CEP 91540-000
Porto Alegre - RS
Email: translatio.ufrgs@gmail.com