We Still Need to Talk About Norman:

Renata Souza

Resumo


Estrelada por Vera Farmiga (Norma Bates) e Freddie Highmore (Norman Bates), Bates Motel estreou em 2013 como uma série de TV derivada de Psicose (Robert Bloch, 1959; Alfred Hitchcock, 1960). A proposta é construir uma prequel contemporânea para a história, que promete mostrar um retrato de Norman Bates durante sua adolescência, revelando a complexa relação entre ele e sua mãe. Alguns elementos góticos são trazidos de volta pela série, como a casa abandonada; sombras projetadas; ações que se passam à noite; a prática da taxidermia; a questão do duplo, do estranho e da paranoia. Assim, o objetivo deste trabalho é observar como Bates Motel revive e expande a história original, sobretudo em se tratando do gótico contemporâneo, no qual temos a retórica da psicanálise como um tema bastante explícito na narrativa, e não apenas como ferramenta para a análise do texto. Dentro dessa perspectiva, registra-se a impossibilidade de harmonia familiar, assunto crucial na série, visto que cada relação esconde algum tipo de problema. Ainda, tem-se a mãe monstruosa, figura ambígua, que extravasa o seu amor descomedido, ciúme e superproteção; bem como o herói patológico, figura introspectiva, que oculta sua monstruosidade. Reviver essa história, portanto, não apenas nos permite recordar uma narrativa perturbadora, mas também experimentar algo novo, visto que esse é o propósito da ficção derivativa: criar uma nova trama a partir daquela já conhecida pelo público.


Texto completo:

PDF


ISSN eletrônico: 2236-4013


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribuition 3.0.


Indexadores: 


 

 

cariniana 2

 

TRANSLATIO
Instituto de Letras
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500, CEP 91540-000
Porto Alegre - RS
Email: translatio.ufrgs@gmail.com