Literatura Comparada e Tradução : algumas observações

Sandra Bermann

Resumo


Pensar sobre o papel da tradução na história literária e cultural traz à tona uma consciência aguçada de seu potencial transformador. De Cícero a Lawrence Venuti e Maria Tymoczko encontramos testemunhos do poder, e também das funções complexas e variáveis, da tradução. À medida que o papel da tradução no contexto pós-colonial, pós-estruturalista e pós-, sub- e inter-nacional se lança no cenário mundial hoje, sua capacidade tanto de estender a vida dos textos literários e culturais – mas também de intervir em seus efeitos globais – vem à tona. Acredito que repensar a tradução no século vinte e um pode refinar e expandir nossas opiniões quanto à leitura e à crítica comparada. Idealmente, uma atenção especial à tradução poderia nutrir um modo de leitura textual e linguisticamente particularizado no qual a prática de tradução é entendida tanto como local quanto como global, específica ainda que conectada a afiliações e solidariedades mais amplas. Tal abordagem  orientada pela tradução, baseada em teorias e práticas de diferentes partes do mundo, poderia preparar a literatura comparada para desempenhar um papel particularmente aberto e democratizante nos estudos literários da atualidade.

Texto completo:

PDF


ISSN eletrônico: 2236-4013


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribuition 3.0.


Indexadores: 


 

 

cariniana 2

 

TRANSLATIO
Instituto de Letras
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500, CEP 91540-000
Porto Alegre - RS
Email: translatio.ufrgs@gmail.com