An outline of a pragmatic sociology of ‘violence’ / Um esboço de sociologia pragmática da ‘violência’

Alexandre Vieira Werneck, Cesar Pinheiro Teixeira, Vittorio da Gama Talone

Resumo


In this article we propose a model for a pragmatic sociology of violence. Based on a semiotic analysis of a primordial cognitive operation deployed in people’s definition of situations, namely qualification, the essential characterization of things, the paper maps the meanings attributed to what both ordinary social actors and academic analysts treat as violence. Our analysis shows that this operation imbues a concrete object with meaning, the disproportionate use of force, whose resignifications compose a typology of five ‘sociologies of violence,’ both native and academic. These are: substantivist, constructivist, political, critical, and praxiological. To this gallery, we suggest the addition of another item: a pragmatic sociology. Taking the sign ‘violence’ as an interpretant, this sociology seeks to understand how, in people’s qualifications, it functions as a connection between moral metaphysics (worldviews in which the deployment of disproportionate force makes sense) and devices capable of effectuating them.

 

O objetivo deste artigo é propor uma sociologia pragmática da violência. A partir de uma semiótica de uma operação cognitiva primordial contida nas definições de situação, a qualificação, caracterização fundamental das coisas, mapeamos os sentidos atribuídos àquilo que atores sociais em geral (e analistas em particular) tratam como violência. Observamos que essa operação preenche de sentido um objeto concreto, a força desproporcional, cujas ressignificações compõem uma tipologia de cinco “sociologias da violência”, tanto nativas quanto analíticas: uma substantivista; uma construtivista; uma política; uma crítica; e uma praxiológica. A esse quadro, sugerimos acrescentar uma sociologia pragmática: nela, a partir do entendimento do signo violência como um interpretante, buscamos compreender como, nas operações de qualificação, ele serve de elo entre metafísicas morais (formas de ver o mundo nas quais faz sentido o uso da força desproporcional) e dispositivos capazes de as atualizar.


Palavras-chave


violence, disproportionate force, pragmatism, pragmatic sociology of violence, conflict.

Texto completo:

XML (English) PDF (English)

Referências


ALONSO, Marcelo; FINN, Edward J. Física, um curso universitário, v. 1: Mecânica. São Paulo: Blucher, 1972.

AQUINO, Jânia Perla D. de; HIRATA, Daniel. Inserções etnográficas ao universo do crime: algumas considerações sobre pesquisas realizadas no Brasil entre 2000 e 2017. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais (BIB), n. 84 (2/2017), 2018, p. 107-147.

AUSTIN, John L. A plea for excuses: the presidential address. Proceedings of the Aristotelian Society, New Series, v. 57, p. 1-30, 1956-1957.

BECKER, Howard S. Outsiders: estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, (2008[1963]).

BELLAING, Cédric M. de. Force publique: une sociologie de l’instituition policière. Paris: Economica, 2016.

BÉNATOUÏL, Thomas. Critique et pragmatique en sociologie: quelques principes de Lecture. Annales: Histoire, Sciences Sociales, v. 54, n. 2, p. 281-317, 1999.

BENDIX, Reinhard. Construção nacional e cidadania: estudos de nossa ordem social em mudança. São Paulo: Edusp, 1996.

BOLTANSKI, Luc. Les cadres: la formation d’un groupe sociale. Paris: Minuit, 1982.

BOLTANSKI, Luc. L’amour et la justice comme compétences: trois essais de sociologie de l’action. Paris: Métailié, 1990.

BOLTANSKI, Luc. De la critique: précis de sociologie de l’émancipation. Paris: Gallimard, 2009.

BOLTANSKI, Luc. Sociologia crítica e sociologia da crítica. In: VANDENBERGHE, Frédéric; VÉRAN, Jean-François (eds.). Além do habitus: teoria social pós-bourdieusiana. Rio de Janeiro: 7Letras, 2016[1990], p. 129-154.

BOLTANSKI, Luc; THÉVENOT, Laurent. Finding one’s way in social space: a study based on games. Social Science Information, v. 22, n. 4-5, 1983, p. 631-680.

BOLTANSKI, Luc; THÉVENOT, Laurent. A justificação: sobre as economias da grandeza. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2020[1991].

BOURDIEU, Pierre. Esquisse d’une théorie de la pratique. Paris: Seuil, 2000[1972].

BRODEUR, Jean-Paul. Por uma sociologia da força pública: considerações sobre a força policial e militar. Caderno CRH, v. 17, n. 2, p. 481-489, 2004.

BURAWOY, Michael. Public sociologies: contradictions, dilemmas, and possibilities. Social Forces, v. 82, n. 4, p. 1603-1618, 2004.

CALLON, Michel; LATOUR, Bruno. Unscrewing the big Leviathan: how actors macro-structure reality and how sociologists help them to do so. In: KNORR-CETINA, Karin; CICOUREL, Aaron V. (eds.). Toward an integration of micro- and macro- sociologies. Boston/London: Routledge/Keegan Paul, 1981. p. 277-303.

CAMPOS, Marcelo da S.; ALVAREZ, Marcos César. Políticas públicas de segurança, violência e punição no Brasil (2000-2016). In: MICELI, Sergio; MARTINS, Carlos Benedito (eds.). Sociologia brasileira hoje. São Paulo: Ateliê Editorial, 2018, p. 143-216.

CAVALCANTI, Mariana. Tiroteios, legibilidade e espaço urbano: notas etnográficas de uma favela carioca. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 1, n. 1, p. 35-59, 2008.

CHANIAL, Philippe. La sociologie comme philosophie politique et réciproquement. Paris: La Decouverte, 2011.

CHOMSKY, Noam. Aspects of the Theory of Syntax. Cambridge (USA): The MIT Press, 1965.

COLLINS, Randall. Violence: a microsociological theory. Princeton: Princeton University Press, 2008.

CORRÊA, Diogo. Anjos de fuzil: uma etnografia das relações entre igreja e tráfico na cidade de deus. 2015. PhD dissertation, IESP, UERJ, Rio de Janeiro, RJ.

CORRÊA, Diogo. Comments to the theory workgroup. In: 41º Anpocs Annual Congress. Caxambu, MG, 2017.

DEESON, Eric. Collins internet-linked dictionary of Physics. London: Haper Collins, 2007.

DEWEY, John. Force and coercion. International Journal of Ethics, v. 26, n. 3, p. 359-367, 1916.

DEWEY, John. Force, violence and the Law. In: RATNER, Joseph (ed.) Characters and events. Popular essays in Social and Political Philosophy by John Dewey, v. II. New York: Henry Holt, 1929[1916], p. 636-641.

DESROSIÈRES, Alain; THÉVENOT, Laurent. Les categories socioprofessionnelles. Paris: Découverte, 1988.

D. VAN NOSTRAND. The international dictionary of Physics and Electronics. Toronto/Princeton/London: D. Van Nostrand, 1956.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador, v. 1: Uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar, 1990[1939].

ELIAS, Norbert. O processo civilizador, v. 2: Formação do Estado e civilização. Rio de Janeiro: Zahar, 1993[1939].

FELTRAN, Gabriel. Fronteiras de tensão: política e violência nas periferias de São Paulo. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

FRANÇA, Marcio A. de. Sociabilidade violenta e regulação da violência no Brasil: estudo sobre a especificidade da violência urbana brasileira. 2015. PhD dissertation, UFPE, Recife, PE.

FRANÇA, Marcio A. de. Sociabilidade violenta como modo de orientação da conduta: entendendo a especificidade da violência urbana brasileira contemporânea. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 12, n. 1, p. 93-123, 2019.

FRANCO, Michele C. Os dados sobre homicídio doloso em Goiás como um problema sociológico. 2014. PhD dissertation, PPGS, UFG, Goiânia, GO.

FREIRE, Jussara. Agir no regime de desumanização: esboço de um modelo para análise da sociabilidade urbana na cidade do Rio de Janeiro. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, n. 10 (v. 3, n. 4), p. 119-142, 2010.

FREIRE, Jussara. Violência urbana’ e ‘cidadania’ na cidade do Rio de Janeiro: tensões e disputas em torno das ‘justas atribuições’ do Estado. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 7, n. 1, p. 73-94, 2014.

FREIRE, Jussara; TEIXEIRA, Cesar P. Humanidade disputada: sobre as (des)qualificações dos seres no contexto de ‘violência urbana’ do Rio de Janeiro. Terceiro Milênio: Revista Crítica de Sociologia e Política, v. 6, n. 1, p. 58-85, 2016.

FREIRE, Jussara; TEIXEIRA, Cesar P. Sociabilidade violenta, o bandido e Deus: considerações sobre a gramática da violência urbana. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 12, n. 1, p. 124-150, 2019.

GOFFMAN, Erving. Stigma: notes on the management of spoiled identity. New York: Touchstone, 1986[1963].

GOFFMAN, Erving. Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Petrópolis: Vozes, 2012[1974].

GREIMAS, Algirdas J. Semântica estrutural: pesquisa de método. São Paulo: Cultrix/EdUSP, 1976[1966].

GRILLO, Carolina C. Fazendo o doze na pista: um estudo de caso do mercado ilegal de drogas na classe média. 2008. Master’s thesis, PPGSA, UFRJ, Rio de Janero, RJ.

GRILLO, Carolina C. Coisas da vida no crime: tráfico e roubo em favelas cariocas. 2013. PhD dissertation, PPGSA, UFRJ, Rio de Janeiro, RJ.

GRILLO, Carolina C. Pelo certo: o direito informal do tráfico em favelas cariocas. In: WERNECK, Alexandre; CARDOSO DE OLIVEIRA, Luis Roberto (eds.). Pensando bem: estudos de sociologia e antropologia da moral. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2014, p. 337-366.

GRILLO, Carolina C. Da violência urbana à guerra: repensando a sociabilidade violenta. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 12, n. 1, p. 62-92, 2019.

HEINICH, Nathalie. What is an artistic event? A new approach to the sociological discourse. Boekman Cahier, v. 12, n. 44, p. 159-168, 2000.

HEINICH, Nathalie. L’élite artiste: excellence et singularité en régime démocratique. Paris: Gallimard, 2005.

HIRATA, Daniel V. Sobreviver na adversidade: entre o mercado e a vida. PhD dissertation, PPGS, USP, 2010.

HOROWITZ, Irving Louis. Consensus, conflict and cooperation: a sociological inventory. Social Forces, v. 41, n. 2, p. 177-188, 1962.

IMBUSCH, Peter. The concept of violence. In: HEITMEYER, Wilhelm; HAGAN, John (eds.). International handbook of violence research. New York: Kluwer, 2003, p. 13-39.

IMBUSCH, Peter; MISSE, Michel; CARRIÓN, Fernando. Violence research in Latin America and the Caribbean: a literature review. International Journal of Conflict and Violence, v. 5, n. 1, p. 87-154, 2011.

LATOUR, Bruno. Les microbes: guerre et paix. Paris: Éditions Anne-Marie Métailié, 1984.

LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Unesp, 1997[1987].

LEMIEUX, Cyril. La sociologie pragmatique. Paris: La Découverte, 2018.

LIVET, Pierre; THÉVENOT, Laurent. Modes d’action collective et construction éthique: les émotions dans l’évaluation. In: DUPUY, Jean-Pierre; LIVET, Pierre (eds.). Coloque de Cerisy: les limites de la racionalité, tome 1. Rationalité éthique et cognition. Paris: Découverte, 1997, p. 412-439.

LYRA, Diogo. A república dos meninos: valores éticos e morais dos garotos armados do morro. 2010. PhD thesis, IUPERJ, UCAM, Rio de Janeiro, RJ.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antônio. Violência urbana: representação de uma ordem social. In: NASCIMENTO, Elimar P.; BARREIRA, Irlys (eds.). Brasil urbano: cenário da ordem e da desordem. Rio de Janeiro: Notrya, 1993, p. 131-142.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antônio. Um problema na interpretação da criminalidade violenta. Sociedade e Estado, v. 10, n. 2, p. 493-511, 1995.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antônio. Criminalidade violenta: por uma nova perspectiva de análise. Revista de Sociologia e Política, n. 13, p. 115-124, 1999.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antônio. Sociabilidade violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Sociedade e Estado, v. 19, n. 1, p. 53-84, 2004. https://doi.org/10.1590/S0102-69922004000100004

MACHADO DA SILVA, Luiz Antônio. Violência urbana, segurança pública e favelas: o caso do Rio de Janeiro atual. Caderno CRH, v. 32, n. 59, p. 283-300, 2010. https://doi.org/10.1590/S0103-49792010000200006

MACHADO DA SILVA, Luiz Antônio (coord). Sociabilidade, disputada ou violenta: gramáticas e dispositivos da administração de tensões urbanas no Rio de Janeiro e em São Paulo. Research report, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), 2011.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antônio. Sobre a sociabilidade violenta, apontamentos e interpretações. In: IV Seminário Internacional Violência e Conflitos Sociais: territorialidades e negociações. Fortaleza, LEV, UFC, 2014.

MARQUES, Adalton. Crime, proceder, convívio-seguro: um experimento antropológico a partir de relações entre ladrões. 2009. Master’s thesis, PPGAS, USP, São Paulo, SP.

MENEZES, Palloma V. Entre o ‘fogo cruzado’ e o ‘campo minado’: uma etnografia do processo de ‘pacificação’ de favelas cariocas. 2015. PhD dissertation, IESP, UERJ, Rio de Janeiro, RJ.

MICHAUD, Yves. La violence. Paris: PUF, 2012.

MOTA, Fabio Reis. Cidadãos em toda parte ou cidadãos à parte? Demandas de direitos e reconhecimento no Brasil e na França. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

MISSE, Michel. As ligações perigosas: mercados ilegais, narcotráfico e violência no Rio. Contemporaneidade e Educação, v. 2, n. 1, p. 93-116, 1997.

MISSE, Michel. Malandros, marginais e vagabundos: a acumulação social da violência no Rio de Janeiro. 1999. PhD dissertation, IUPERJ, Rio de Janeiro, RJ.

MISSE, Michel. Sobre a acumulação social da violência no Rio de Janeiro. Civitas: Revista de Ciências Sociais, v. 8, n. 3, p. 371-385, 2008.

MISSE, Michel. Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria bandido. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n. 79, p. 15-38, 2010. https://doi.org/10.1590/S0102-64452010000100003

MISSE, Michel. Violência e teoria social. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v.9, n. 1, p. 45-63, 2016.

MISSE, Michel. Violência e teoria social: uma nova agenda? In: ROJAS, Carlos del V.; ECHETO, Victor S. (eds.). Crisis, comunicación y crisis política. Quito: Ciespal, 2017, p. 213-233.

MISSE, Michel. Violence, criminal subjection and political merchandise in Brazil: an overview from Rio. International Journal of Criminology and Sociology, n. 7, p. 135-148, 2018.

MISSE, Michel. The puzzle of social accumulation of violence in Brazil: some remarks. Journal of Illicit Economies and Development, v. 1, n. 2, p. 60-65, 2019.

MISSE, Michel; WERNECK, Alexandre. O interesse no conflito. In: MISSE, Michel; WERNECK, Alexandre (eds.). Conflitos de (grande) interesse: estudos sobre crimes, violências e outras disputas conflituosas. Rio de Janeiro: Garamond, 2012, p. 7-25.

NEITZEL, Sönke; WELZER, Harald. Soldados: sobre lutar, matar e morrer. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

NÓBREGA JÚNIOR, José Maria P. da. Teorias do crime e da violência: uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais (BIB), n. 77 (1/2014), p. 69-89, 2015.

PALGRAVE-MACMILLAN. Dictionary of Physics, v. 2. London/New York: Palgrave-Macmillan, 2003.

PEIRCE, Charles S. Algumas consequências de quatro incapacidades. In: Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 1977[1893], p. 259-282.

PEIRCE, Charles S. Divisão dos signos. In: Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 1977[1897], p. 45-61.

PEIRCE, Charles S. How to make our ideas clear. In: The Essential Peirce, v. 1: Selected Philosophical Writings‚ (1867-1893). Bloomington (USA): Indiana University Press, 1992[1878], p. 124-141.

PEETERS, Hugues; CHARLIER, Philippe. Contributions à une théorie du dispositif. Hermés, n. 25, p. 15-23, 1999.

PORTO, Maria Stela G. A violência urbana e suas representações sociais: o caso do Distrito Federal. São Paulo em Perspectiva, v. 13, n. 4, p. 130-135, 1999.

PORTO, Maria Stela G. Crenças, valores e representações sociais da violência. Sociologias, v. 8, n. 16, p. 250-273, 2006. https://doi.org/10.1590/S1517-45222006000200010

RATTON, José Luiz. Crime, polícia e sistema de justiça no Brasil contemporâneo: uma cartografia (incompleta) dos consensos e dissensos da produção recente das ciências sociais. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais (BIB), n. 84 (2/2017), p. 5-12, 2017.

RODRIGUES, Danielle. O círculo da punição: um estudo sociológico da ‘cena’ acusatorial do linchamento e seus ‘personagens’. 2012. Master’s thesis, PPGSA, UFRJ, Rio de Janeiro, RJ.

SÁ, Leonardo Damasceno de. Guerra, mundão e consideração: uma etnografia das relações sociais dos jovens no serviluz. 2010. PhD dissertation, PPGS, UFC, Fortaleza, Ceará.

SABORÍO, Sebastián. Violencia urbana: análisis crítico y limitaciones del concepto. Revistarquis, v. 8, n. 1, p. 61-71, 2019. https://doi.org/10.15517/ra.v8i1.35798

SCHINKEL, Willem. Aspects of violence: a critical theory. Kent: Palgrave Macmillan, 2010.

SCOTT, Marvin B.; LYMAN, Stanford M. Accounts. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 1, n. 2, p. 139-172, 2008[1968].

SIMMEL, Georg. Sociology: inquiries into the construction of social forms. Leiden/Boston: Brill, 2009[1908].

STARK, David. The sense of dissonance: accounts of worth in economic life. Princeton: Princeton University Press, 2009.

TALONE, Vittorio da G. Confiança e desconfiança como dispositivos morais situacionais em trânsito: um estudo em viagens de ônibus na cidade do Rio de Janeiro. 2015. Master’s thesis, PPGSA, UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, 2015a.

TALONE, Vittorio da G. O ‘quadro da perturbação’: a rota de conflitos nos trajetos de ônibus do Rio de Janeiro. Cadernos de Estudos Sociais e Políticos, v. 4, n. 8, p. 87-108, 2015b. https://doi.org/10.12957/cesp.2015.19053

TALONE, Vittorio da G. O ‘bem básico’ como princípio substantivo da ação desconfiada: A economia de tensão em viagens de ônibus na cidade do Rio de Janeiro. Mediações: Revista de Ciências Sociais, v. 22, n. 1, p. 367-389, 2017.

TALONE, Vittorio da G. Evitação e afastamento como dispositivos morais da gramática da desconfiança: Uma leitura pragmatista do deslocamento urbano pela ‘violenta’ cidade do Rio de Janeiro. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 11, n. 1, p.153-172, 2018.

TALONE, Vittorio da G. A memória actancial: as consequências de situações de ferimento, tensão e morte. In: CANTU, Rodrigo; LEAL, Sayonara; CORRÊA, Diogo S.; CHARTAIN, Laura (eds.). Sociologia, crítica e pragmatismo: diálogos entre França e Brasil. Campinas: Pontes, 2019, p. 387-412.

TEIXEIRA, Cesar P. De ‘corações de pedra’ a ‘corações de carne’: algumas considerações sobre a conversão de ‘bandidos’ a igrejas evangélicas pentecostais. Dados: Revista de Ciências Sociais, v. 54, n. 3, p. 243-480, 2011a. http://dx.doi.org/10.1590/S0011-52582011000300007

TEIXEIRA, Cesar P. A construção social do ‘ex-bandido’: um estudo sobre sujeição criminal e pentecostalismo. Rio de Janeiro: 7Letras, 2011b.

TEIXEIRA, Cesar P. ‘Frios’, ‘pobres’ e ‘indecentes’: esboço de interpretação de alguns discursos sobre o criminoso. In: MISSE, Michel; WERNECK, Alexandre (eds.). Conflitos de (grande) interesse: estudos sobre crimes, violências e outras disputas conflituosas. Rio de Janeiro: Garamond, 2012, p. 179-204.

TEIXEIRA, Cesar P. A teia do bandido: um estudo sociológico sobre bandidos, policiais, evangélicos e agentes sociais. 2013. PhD dissertation, PPGSA, UFRJ, Rio de Janeiro,RJ.

TEIXEIRA, Cesar P. O ‘policial social’: algumas observações sobre o engajamento de policiais militares em projetos sociais no contexto de favelas ocupadas por UPPs. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 8, n. 1, p. 77-96, 2015.

TEIXEIRA, Cesar P. O testemunho e a produção de valor moral: observações etnográficas sobre um centro de recuperação evangélico. Religião & Sociedade, v. 36, n. 2, p. 107-134, 2016. https://doi.org/10.1590/0100-85872016v36n2cap06

THÉVENOT, Laurent. Une jeunesse difficile: les fonctions sociales du flou et de la rigueur dans les classements. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, v. 26-27, p. 3-18, 1979.

THÉVENOT, Laurent. L’action au pluriel: Sociologie des régimes d’engagement. Paris: Découverte, 2006.

THOMAS, William I. The unadjusted girl: with cases and standpoint for behaviour analysis. Monclair (USA): Patterson Smith, 1969[1923].

THOMAS, William I; THOMAS, Dorothy Swaine. The child in America: behavior problems and programs. New York: A. A. Knopf, 1938[1928].

WEBER, Max. The theory of social and economic organization. Glencoe (USA): The Free Press, 1947[1922].

WEBER, Max. Economia e sociedade, v. 2. Brasília, Editora UnB, 1999[1921].

WEBER, Max. A ‘objetividade’ do conhecimento na ciência social e na ciência política. In: Metodologia das ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2001[1904], p. 107-154.

WERNECK, Alexandre. A construção social de uma negatividade moral óbvia: a efetivação da imagem das chamadas ‘milícias’ na CPI que as persegue. In: III Seminário Internacional Violência e Conflitos Sociais: ilegalismos e lugares morais. Fortaleza, LEV, UFC, 2011.

WERNECK, Alexandre. A desculpa: as circunstâncias e a moral das relações sociais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012a.

WERNECK, Alexandre. A contribuição de uma abordagem pragmatista da moral para a sociologia do conflito. In: MISSE, Michel; WERNECK, Alexandre (eds.). Conflitos de (grande) interesse: estudos sobre crimes, violências e outras disputas conflituosas. Rio de Janeiro: Garamond, p. 337-354, 2012b.

WERNECK, Alexandre. Rotulação, teoria da (Labeling theory/teoria do ‘etiquetamento’) (handbook entry). In: RATTON, José Luiz; LIMA, Renato Sérgio de; AZEVEDO, Rodrigo G. de (eds.). Crime, polícia e Justiça no Brasil. São Paulo: Contexto/FBSP, 2014a, p. 105-116.

WERNECK, Alexandre. Sociologia da moral, agência social e criatividade. In: WERNECK, Alexandre; CARDOSO DE OLIVEIRA, Luis Roberto (eds.). Pensando bem: estudos de Sociologia e Antropologia da Moral. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2014b, p. 25-48.

WERNECK, Alexandre. O ornitorrinco de criminalização: a construção social moral do miliciano a partir dos personagens da ‘violência urbana’ do Rio de Janeiro. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 8, n. 3, p. 429-454, 2015a.

WERNECK, Alexandre. Dar uma zoada, botar a maior marra: dispositivos morais de jocosidade como formas de efetivação em situações de crítica. Dados: Revista de Ciências Sociais, v. 58, n. 1, p. 221-287, 2015b. https://doi.org/10.1590/00115258201542

WERNECK, Alexandre (ed.). Violências moduladas: gramáticas e dispositivos da crítica e da negociação na conflitualidade urbana no Rio de Janeiro. Research report, Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), 2015c.

WERNECK, Alexandre. A força das circunstâncias: sobre a metapragmática das situações. In: VANDENBERGHE, Frédéric; VÉRAN, Jean-François (eds.). Além do habitus: teoria social pós-bourdieusiana. Rio de Janeiro: 7Letras, 2016, p. 155-192.

WERNECK, Alexandre. A antropologia de base do modelo das EG: um agenciamento de capacidades. In: II Seminário Internacional de Sociologia e Antropologia Pragmática no Cone Sul: o acesso ao espaço público em contextos diversos. Niterói, UFF, 2017.

WERNECK, Alexandre. Política e ridicularização: uma sociologia pragmática da ‘graça’ da crítica em cartazes das ‘Jornadas de Junho’. Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares, v. 21, n. 3, p. 611-653, 2019a. https://doi.org/10.12957/irei.2019.47254

WERNECK, Alexandre. A força da graça, a graça da força: a crítica jocosa aos personagens da ‘violência urbana’ nas capas de um jornal popular. Working paper, Necvu, 2019b.

WERNECK, Alexandre; LORETTI, Pricila. Critique-form, forms of critique: the different dimensions of the discourse of discontent. Sociologia & Antropologia, v. 8, n. 3, p. 973-1008, 2018. https://doi.org/10.1590/2238-38752018v839

WERNECK, Alexandre; TALONE, Vittorio da G. A ‘sociabilidade violenta’ como interpretante efetivador de ações de força: uma sugestão de encaminhamento pragmático para a hipótese de Machado da Silva. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 12, n. 1, 2019, p. 24-61.

WIEVIORKA, Michel. La violence: voix et regards. Les Plans sur Bex (Switzerland): Balland, 2004.

WRIGHT MILLS, C. Situated Actions and Vocabularies of Motive. American Sociological Review, v. 5, n. 6, pp. 904-913, 1940. https//doi.org/10.2307/2084524

ZALUAR, Alba. A máquina e a revolta: as organizações populares e o significado da pobreza. São Paulo: Brasiliense, 1985.

ZALUAR, Alba. O condomínio do diabo. Rio de Janeiro: Revan, 1994.

ZALUAR, Alba. Violências públicas e privadas: registros, interpretações e políticas. Research report. Rio de Janeiro, Núcleo de Pesquisa das Violências (Nupevi), Uerj. Edital MCT/CNPq – MEC/Capes. Programa de apoio a núcleos de excelência (Pronex), 1997.

ZALUAR, Alba. Para não dizer que não falei de samba: os enigmas da violência no Brasil. In: SCHWARCZ, Lilia (ed.). História da vida privada no Brasil, v. IV. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 245-318.

ZALUAR, Alba. Integração perversa: pobreza e tráfico de drogas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ZALUAR, Alba. Pesquisando no perigo: etnografias voluntárias e não acidentais. Mana: Estudos de Antropologia Social, v. 15, n. 2, p. 557-584, 2009. https://doi.org/10.1590/S0104-93132009000200009

ZALUAR, Alba. Etos guerreiro e criminalidade violenta. In: RATTON, José Luiz; LIMA, Renato Sérgio de; AZEVEDO, Rodrigo G. de (eds.). Crime, polícia e Justiça no Brasil. São Paulo: Contexto/FBSP, 2014, p. 35-50.

ZUCAL, José G.; NOEL, Gabriel. Notas para una definición antropológica de la violencia: un debate en curso. Publicar, v. 8, n. 9, p. 97-121, 2010.




DOI: https://doi.org/10.1590/15174522-96338

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.