As disputas discursivas por identidade racial em dois seriados televisivos brasileiros / The discursive disputes regarding racial identity in two Brazilian TV series

Nelson Rosário de Souza, Daniela Rocha Drummond, Viritiana Aparecida de Almeida

Resumo


A presente análise elegeu como objeto as duas séries de televisão brasileiras Sexo e as Negas e Mister Brau. A primeira retrata a intimidade de quatro mulheres negras da periferia urbana, destacando o protagonismo delas quanto à sexualidade. A segunda tematiza a ascensão social de um jovem casal de negros a partir do sucesso musical. Em ambas aparecem tensões interseccionais de raça, classe e gênero que pedem uma perspectiva não essencialista que valorize as interações entre mídia e sociedade. A questão central do estudo é: quais tensões e contradições podem ser apreendidas nos conteúdos dos seriados, comparativamente, quando se observa as linhas discursivas sobre raça e gênero que eles mobilizam? Os seriados conferem protagonismo aos afrodescendentes, entretanto, linhas discursivas associadas à subalternização são reproduzidas, mas não sem resistências.

 

This paper analyses two Brazilian television series, namely Sexo e as Negas and Mister Brau. The first one portrays the intimacy of four black women from the slums, highlighting their sexuality. The other series, called Mister Brau, had as its main theme the social ascension of a couple who acquired fame from popular music. Both shows address intersectional issues such as race, social class, and gender, which require a non-essentialist perspective that values interactions between media and society. The main question is: what tensions and contradictions can we apprehend in these series’ content, relatively, regarding the discursive lines about racial and gender issues? The shows have people of African descent as their protagonists, however, discursive lines associated with subordination are reproduced, though not without resistance.


Palavras-chave


identidade racial, interseccionalidade, TV series, Mister Brau, Sexo e as Negas, racial identity, discursive disputes

Texto completo:

XML PDF

Referências


ALAKIJA, Ana. Mídia e identidade negra. In: BORGES, Roberto; BORGES, Rosane (Orgs.). Mídia e racismo. Petrópolis: DP et alii, 2012. p. 106-151.

ARAÚJO, Joel Z. A negação do Brasil: o negro na telenovela brasileira. São Paulo: SENAC, 2000.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, n. 26, p. 329- 376, jan./jun. 2006. https://doi.org/10.1590/S0104-83332006000100014.

BORGES, Rosane. Mídia, racismos e representações do outro: ligeiras reflexões em torno da imagem da mulher negra. In: BORGES, Roberto; BORGES, Rosane (Orgs.). Mídia e racismo. Petrópolis: DP et alii, 2012. p. 178-203.

CAMPOS, Luiz Augusto. As “negas” in the city? Paroxismo de uma importação dramatúrgica. O blog do Démodé, 5 dez 2014. Disponível em: .

COSTA, Kátia R. De quando a pluralidade revela a invisibilidade. In: BORGES, Roberto; BORGES, Rosane (Orgs.). Mídia e racismo. Petrópolis: DP et alii, 2012. p. 40-63.

COSTA, Rosely. Mestiçagem, racialização e gênero. Sociologias, Porto Alegre, v. 11, n. 21, p. 94-120, jan./jun. 2009. https://doi.org/10.1590/S1517-45222009000100006

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspetos da discriminação racial relativos ao género. Estudos Feministas, v. 10, p. 171-188, 1º semestre, 2002. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011.

DALCASTAGNÈ, Regina. Para não ser trapo no mundo: as mulheres negras e a cidade na narrativa brasileira contemporânea. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 44, p. 289-302, jul./dez. 2014. https://doi.org/10.1590/2316-40184413.

ESQUENAZI, Jean-Pierre. As séries televisivas. Lisboa: Texto & Grafia, 2011.

FERRO, Rogério. O negro sem cor no telejornalismo brasileiro. In: BORGES, Roberto; BORGES, Rosane (Orgs.). Mídia e racismo. Petrópolis: DP et alii, 2012. p. 64-83.

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 51. ed. rev. São Paulo: Global Editora, 2006.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, n. 2, p. 223-244, 1984.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio. “Raça”, racismo e grupos de cor no Brasil. Revista Estudos Afro-Asiáticos, n. 27, p. 45-63, 1995.

HAMBURGER, Esther I. A expansão do “feminino” no espaço público brasileiro: novelas de televisão nas décadas de 1970 e 80. Revista Estudos Feministas, v. 15, n. 1, p. 153-175, 2007. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2007000100010

HAMBURGER, Esther I. Telenovelas e interpretações do Brasil. Lua Nova, São Paulo, v. 82, p. 61-86, 2011. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=67318715004

MACHADO, Igor. Mestiçagem arqueológica. Estudos Afro-Asiáticos, n. 2, p. 385-408, 2002. https://doi.org/10.1590/S0101-546X2002000200007.

MACHADO, Sátira. Infância e negritude: cidadania e afrodescendentes no Brasil. In: BORGES, Roberto; BORGES, Rosane (Orgs.). Mídia e racismo. Petrópolis: DP et alii, 2012. p. 206-244.

MACÉ, Éric. Mesurer les effets de l’ethnoracialisation dans les programmes de télévision: limites et apports de l’approche quantitative de la « diversité ». Reseaux, Paris, v. 5-6, n. 157-158, p. 233-265, 2009.

MACÉ, Éric. Les imaginaires médiatiques: une sociologie postcritique des médias. Paris: Éditions Amsterdam, 2006.

MAIGRET, Éric. Sociologia da comunicação e das mídias. São Paulo: Editora Senac, 2010.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo 1: neurose. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem. Tempo Social, v. 19, n. 1, p. 287-308, nov. 2006.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 2006.

PORTO, Mauro. Media power and democratization in Brazil: TV Globo and the dilemmas of political accountability. Nova York: Routledge, 2012.

PRINS, Baukje. Narrative accounts of origins: a blind spot in the intersectional approach? European Journal of Women’s Studies, v. 13, n. 3, p. 277-290, 2006.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, n. 2, p. 263-274, jul./dez. 2008. https://doi.org/10.5216/sec.v11i2.5247

SODRÉ, Muniz. Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes. 1999.

SCHWARCZ, Lília; MENEZES NETO, Hélio. Quando o passado atropela o presente: notas de um Brasil que insiste no racismo. Revista Cadernos de Campo, v. 25, p. 31-35, 2016. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v25i25p31-35




DOI: https://doi.org/10.1590/15174522-94329

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.