A ordem e a desordem da natureza: o sertão e a Amazônia em Gastão Cruls

Marco Aurélio Coelho Paiva

Resumo


O artigo busca analisar o início da carreira literária de Gastão Cruls e identificar, a partir das suas primeiras publicações, inclusive de seu primeiro romance, os conflitos de ordem profissional a interferir na sua produção literária. Em paralelo com tais inquietações e angústias então responsáveis por certa cisão do autor entre a medicina e a literatura, também são considerados na análise o modo como a contraposição entre a temática dos sertões articulou-se com a figuração de uma nova realidade urbana surgida no Brasil nos anos 1920. A convergência de tais fatores de ordem subjetiva e objetiva parecem ganhar na obra do autor uma resolução inicial pela via de uma literatura fantástica então emergente.


Palavras-chave


Intelectuais; Literatura fantástica; Amazônia

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, Lima. À margem do Coivara, de Gastão Cruls. In: Impressões de leitura e outros textos críticos. São Paulo: Penguin Classics/Companhia das Letras, 2017, p. 247-52.

CANDIDO, Antonio. O discurso e a cidade. 2ª ed. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1998.

CONAN DOYLE, Arthur. O mundo perdido. Trad. Luiz Horácio da Matta. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1982.

CRULS, Gastão. A Amazônia misteriosa. 2. ed. São Paulo: Ed. Saraiva, s/d.

CRULS, Gastão. Coivara. 2. ed. Rio de Janeiro: Livraria Castilho, 1922.

CRULS, Gastão. Ao embalo da rede. Rio de Janeiro: Livraria Castilho, 1923.

CRULS, Gastão. A criação e o criador. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1928.

CRULS, Gastão. Vertigem. Rio de Janeiro: Ariel, 1934.

CRULS, Gastão. Elza e Helena. 3. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1949.

CRULS, Gastão. Antônio Torres e seus amigos. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1950.

CRULS, Gastão. De pai a filho. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Ed., 1954.

CRULS, Gastão. A Amazônia que eu vi. 5. ed. Rio de Janeiro/Brasília: Livraria José Olympio/Instituto Nacional do Livro, 1973.

CRULS, Gastão. Hileia amazônica: aspectos da flora, fauna, arqueologia e etnografia indígenas. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 2003.

CUNHA, Euclides da. À margem da história. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. 2. ed. Trad. Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, p. 143-79.

GONDIM, Neide. A invenção da Amazônia. São Paulo: Marco Zero, 1994.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. 2. ed. Trad. Flávio Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

LIMA, Luiz C. O controle do imaginário & a afirmação do romance: Dom Quixote, As relações perigosas, Moll Flanders, Tristram Shandy. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LOBATO, Monteiro. O presidente negro. 2. ed. São Paulo: Ed. Globo, 2009.

MENEZES, Raimundo. Dicionário literário brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1978.

MICELI, Sérgio. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MICELI, Sérgio. Vanguardas em retrocesso: ensaios de história social e intelectual do modernismo latino-americano. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MORAES, Péricles. Legendas e águas-fortes. Manaus: Livraria Clássica, 1935.

MURARI, Luciana. Natureza e cultura no Brasil (1870-1922). São Paulo: Alameda, 2009.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira & identidade nacional. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

PAES, José P. O art nouveau na literatura brasileira. In: Gregos & baianos: ensaios. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1985, p. 64-80.

PRADO, Antônio A. Itinerário de uma falsa vanguarda: os dissidentes, a Semana de 22 e o Integralismo. São Paulo: Ed. 34, 2010.

RAMA, Ángel. A cidade das letras. Trad. Emir Sader. São Paulo: Boitempo, 2015.

RANGEL, Alberto. Inferno verde: cenas e cenários do Amazonas. 5. ed. Manaus: Ed. Valer/Governo do Estado do Amazonas, 2001.

SILVA, Alexandre M. da. O admirável mundo novo da República Velha: o nascimento da ficção científica brasileira no começo do século XX. 2008. 193 p. Tese (Doutorado em Ciência da Literatura) – UFRJ, Rio de Janeiro, 2008.

SIMMEL, Georg. As grandes cidades e a vida do espírito. Trad. Leopoldo Waizbort. In: BOTELHO, André (org.). Sociologia essencial. São Paulo: Peguin Classics/Companhia das Letras, 2013, p. 311-29.

SCHWARCZ, Lilia M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Trad. Maria Clara Correa Castello. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

VÍVOLO, Vítor da M. Gastão Cruls e a auscultação da sociedade brasileira. 2017. 126 p. Dissertação (Mestrado em História) - PUC/SP, São Paulo.

WELLS, H. G. A ilha do Dr. Moreau. Trad. Bráulio Tavares. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.




DOI: https://doi.org/10.1590/15174522-0215112

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.