A diversidade dos sotaques: o Inglês e as Ciências Sociais

Marcelo Fetz

Resumo


Neste novo trabalho, Renato Ortiz desenvolve uma arqueologia dos conceitos "linguística" e "língua" com o objetivo de compreender a posição social da língua inglesa nas esferas da sociedade, da ciência e, especialmente, das ciências sociais. Partindo do pressuposto de que todas as línguas têm igual capacidade para representar a realidade, o autor analisa criticamente a "superioridade" da língua inglesa frente a todas as outras línguas. No rastro da dicotomia universalidade/diversidade, Ortiz busca interpretar a língua inglesa como um elemento do mercado de bens simbólicos. Ao observar a predominância da língua inglesa nas ciências, questiona o papel dominante desse idioma nas ciências sociais, e se caracteriza, se não pela constituição de um saber universal, pelo desenvolvimento de um saber cosmopolita. 


Palavras-chave


Língua inglesa; Ciências Sociais; Universalidade; Diversidade; Cosmopolitismo

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.