A FORMAÇÃO MÉDICA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA: O OLHAR SINGULAR DE UM ACADÊMICO

Graciela Soares Fonsêca, Lucas Dalmolin Lovatto

Resumo


Visando contemplar as demandas atuais no contexto do trabalho em saúde, dentre outras mudanças, foram elaboradas novas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para nortear os cursos de graduação em Medicina no Brasil, tendo como uma das orientações a necessidade de inserir o futuro médico no contexto da Atenção Primária em Saúde (APS), no sentido de alcançar uma formação integral e coerente com os anseios e necessidades da sociedade. O objetivo desse trabalho é apresentar a experiência de um graduando em Medicina na sua primeira semana de inserção na APS. Por meio dos Componentes Curriculares Regulares (CCR) de Saúde Coletiva, os estudantes são inseridos na APS e registram esse processo de inserção em portfólios teórico-reflexivos. Assim, ao longo da discussão, é apresentada a vivência do aluno em um período de cinco dias no âmbito da APS, bem como a relação que o estudante conseguiu estabelecer com os temas trabalhados no CCR de Saúde Coletiva I. Baseado no tripé ‘descrição, reflexão e teorização’, o estudante ressignificou, ao longo da redação do portfólio, os conhecimentos construídos, caminhando na direção da aprendizagem significativa. Conclui-se que a experiência foi positiva uma vez que foi possível a integração entre o conhecimento teórico e a experiência vivenciada, além do processo de reflexão dos saberes em contato com a realidade da APS. Mais do que isso, a inserção na APS desperta os futuros médicos para a importância da determinação social do processo saúde-doença e da sua futura responsabilidade como profissional de saúde cidadão.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTO, D. G. et al. Significados do estágio em Unidades Básicas de Saúde para estudantes de graduação. Rev. ABENO, Brasília, v. 19, n. 1, p. 2-9, 2019.

ALVES, L. P. Portfólios como instrumentos de avaliação dos processos de ensinagem. In: ANASTASIOU, L. G. C.; ALVEZ, L. P. Processos de Ensinagem na Universidade: processos para as estratégias de trabalho em aula. 6. ed. Joinville: Univille, 2006. p. 101-120.

AQUINO, R. et al. Estratégia Saúde da Família e reordenamento do Sistema de Serviços de Saúde. In: PAIM, J.; ALMEIDA FILHO, N. Saúde Coletiva: teoria e prática. Rio de Janeiro: MedBook, 2014.

BATISTELLA, C. Abordagens Contemporâneas do Conceito de Saúde. In: FONSECA, A. F. (org.). O território e o processo saúde-doença. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2007a. p. 51-86.

BATISTELLA, C. Saúde, Doença e Cuidado: complexidade teórica e necessidade histórica. In: FONSECA, A. F. (org.). O território e o processo saúde-doença. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2007b. p. 25-49

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 20 set. 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria 1886 GM, de 18 de dezembro de 1997. Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 19 dez. 1997.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 25 jan. 2008.

BRASIL. Decreto 7508 de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei n 8080 de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde (SUS), o planejamento da saúde, a assistência à saúde e articulação interfederativa, e dá outras providencias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 29 jun. 2011. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e nº6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 out. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de graduação em medicina e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 jun. 2014. Seção 1, p. 8-11.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Programa mais médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/programa_mais_medicos_dois_anos.pdf. Acesso em: 23 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 set. 2017.

CAMPOS, F. E.; AGUIAR, R. A. T.; BELISÁRIO, S. A. A Formação Superior dos Profissionais de Saúde. In: GIOVANELLA, L. (org.) Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

CEBES (Centro Brasileiro de Estudos de Saúde). Documento: A questão democrática na área da saúde. Revista Saúde em Debate, Rio de Janeiro, n. 9, p.11-14, 1979.

FERREIRA, R. C.; SILVA, R. F.; AGUERA, C. B. Formação do profissional médico: a aprendizagem na atenção básica de saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 31, n. 1, p. 52-59, abr. 2007.

FEUERWERKER, L. C. M. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2014.

GIOVANELLA, L.; MENDONÇA, M. H. M. Atenção Primária à Saúde. In: GIOVANELLA, L. et al. (org.). Políticas e sistema de saúde no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

KASTRUP, V. Um mergulho na experiência: uma política para a formação dos profissionais de saúde. In: CAPOZZOLO, A. A.; CASSETO, S. J.; HENZ, A. O. (org.). Clínica Comum: itinerários de uma formação em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

NORONHA, J. C.; LIMA, L.; MACHADO, C. O Sistema Único de Saúde. In: GIOVANELLA. L. et al. (org.). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008.

PINHEIRO R.; CECCIM R. B. Experienciação, formação, cuidado e conhecimento em saúde: articulando concepções, percepções e sensações para efetivar o ensino da integralidade. In: PINHEIRO, R.; CECCIM, R. B.; MATTOS, R. A. (org.). Ensinar Saúde: a integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. Rio de Janeiro: IMS / UERJ / CEPESC / ABRASCO, 2011. p. 11-35.

SANTOS, L. M. P.; COSTA, A. M.; GIRARDI, S. M. Programa Mais Médicos: uma ação efetiva para diminuir iniquidades em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 11, p. 3547-3552, 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL. Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Medicina - campus Chapecó, 2018. Disponível em: https://www.uffs.edu.br/campi/chapeco/cursos/graduacao/medicina/documentos. Acesso em: 18 nov. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.