VIOLÊNCIA SEXUAL E ASSISTÊNCIA À SAÚDE: QUANDO O HOMEM SOFRE A AGRESSÃO

Manuela Darosci, Luciana Patrícia Zucco, José Pedro Simões Neto

Resumo


O estudo aborda a caracterização da população de homens atendidos em situação de violência sexual no serviço de Urgência e Emergência do Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago, da Universidade Federal de Santa Catarina (HU/UFSC). Trata-se de uma pesquisa com coleta retrospectiva de dados secundários oriundos de notificações referentes ao serviço de emergência para o atendimento de homens em situação de violência sexual, de 2012 a 2017. Diante do silenciamento do tema no espaço institucional e na literatura, as seguintes questões nortearam o estudo e foram trabalhadas na discussão dos dados: Quem é o homem que procura o serviço voltado a pessoas em situação de violência sexual? Como a violência sexual ocorreu com esses sujeitos? Quais os vínculos sociais do agressor com o agredido? Os resultados apontam que a violência sexual no campo da saúde continua sendo um fenômeno que ocorre com as mulheres, pelas poucas informações disponíveis. O perfil do homem que procura o serviço de saúde é o que possui idade média de 26 anos, de raça/etnia branca. São sujeitos que já vivenciaram a violência sexual em outros momentos e que conhecem seus agressores.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. F. et al. Gênero e saúde: o cuidar do homem em debate. Psicologia (Universidade Presbiteriana Mackenzie. Impresso): teoria e prática, São Paulo, v. 13, n. 3, p. 152-166, 2011. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Viva): 2009, 2010 e 2011. Brasília: Ministério de Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico - Vigilância de violência doméstica, sexual e/ou outras violências: Viva/Sinan – Brasil, 2011. Brasília: Ministério da Saúde, v. 44, n. 9, 2013. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS 104, de 25 de janeiro de 2011. Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005, a Relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. Brasília, DF, 25 jan. 2011. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2019.

DATASUS. Ministério da Saúde. Sistema de Informações de Agravos de Notificações de Violência Doméstica, Sexual e/ou Outras Violências Interpessoais (Viva/Sinan). Brasília, 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2019

DELZIOVO, C. R. et al. Características dos casos de violência sexual contra mulheres adolescentes e adultas notificados pelos serviços públicos de saúde em Santa Catarina, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 33, n. 6, p. 2-13, 2017. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2019.

FERRAZ, L. F.; WÜNSCH, D. S. A violência contra crianças e adolescentes e a notificação compulsória, no âmbito da saúde, como mecanismo de proteção social. Boletim da Saúde, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 63-75, jul./dez. 2016. Disponível em:

. Acesso em: 14 jun. 2019.

FLORIANÓPOLIS. Prefeitura Municipal. Secretaria de Saúde e Desenvolvimento Social. Rede de Atenção Integral às Pessoas em Situação de Violência Sexual – RAIVS. Florianópolis, 2016. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2019.

FREITAS, M. L.; FARINELLI, C. A. As consequências psicossociais da violência sexual. Revista Em Pauta, Rio de Janeiro, n. 37, v. 14, p. 270-295, 2016. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2019.

GASPAR, R. S.; PEREIRA, M. U. L. Evolução da notificação de violência sexual no Brasil de 2009 a 2013. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 11, p. 2-9, 2018.

GOMES, R.; NASCIMENTO, E. F. A produção do conhecimento da saúde pública sobre a relação homem-saúde: uma revisão bibliográfica. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22 n. 5, p. 901-911, 2006. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2006000500003> Acesso em: 8 maio 2019.

IBGE. Altas Nacional do Brasil Milton Santos. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. p. 307. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2019.

IPEA. Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde (versão preliminar). Brasília, 2014. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2019.

IPEA. Atlas da Violência 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2019.

MELO, M. K. F. Saúde e masculinidades: desafios para a intervenção profissional. 2010. Trabalho de Conclusão de curso (Graduação em Serviço Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

MINAYO, M. C. S. Conceitos, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal à saúde. In: MINAYO, M. C. S. Violência e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2007.

MINAYO, M. C. S. et al. Institucionalização do tema da violência no SUS: avanços e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, p. 2007-2013, 2018.

SARTI, C. A.; BARBOSA, R. M.; SUAREZ, M. M. Violência e gênero: vítimas demarcadas. Physis (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 2, n. 16, p. 167-183, 2006.

WINZER, L. Frequency of self-reported sexual aggression and victimization in Brazil: a literature review. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. 7, p. 1-16, jul. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.