INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO-COMUNIDADE NO CURSO DE MEDICINA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Tammy Stephanie Massolin Albrecht Costa, Graciela Soares Fonsêca

Resumo


O trabalho objetiva relatar a experiência de integração ensino-serviço-comunidade, a partir do olhar de uma estudante, durante os três primeiros semestres de um curso de Medicina. Inicialmente, no primeiro semestre, foram trabalhados conceitos fundamentais relacionados ao Sistema Único de Saúde (SUS) e à Atenção Primária à Saúde (APS). No segundo semestre, o enfoque foi a Vigilância em Saúde, tratando das Vigilâncias em Saúde do Trabalhador, Ambiental, Epidemiológica e Sanitária e, do diagnóstico comunitário, que foi objeto de prática no Centro de Saúde da Família (CSF). Durante as aulas teóricas do terceiro semestre, o campo da Saúde do Trabalhador e da Saúde Ambiental foi estudado e seus conhecimentos aplicados nas vivências, por meio de um momento de Educação Permanente e visitas domiciliares. Diante disso, infere-se que, com a integração ensino-serviço-comunidade, o estudante consegue relacionar de forma efetiva aspectos teóricos e práticos do trabalho em saúde, desenvolve um olhar crítico para saúde e contribui para o fortalecimento das políticas públicas, qualificando, assim, sua formação acadêmica.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, V. S. et al. A integração ensino-serviço no contexto dos processos de mudança na formação superior dos profissionais da saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 32, n. 3, p. 356-362, 2008.

BATISTELLA, C. Saúde, Doença e Cuidado: complexidade teórica e necessidade histórica. In: FONSECA, A. F; CORBO, A. D. (org.). O território e o processo saúde-doença. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2007. p. 25-49.

BEDRIKOW, R.; CAMPOS, G. W. S. Clínica: a arte de equilibrar a doença e o sujeito. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 57, n. 6, p. 610-613, 2011.

BORGES, C.; TAVEIRA, V. R. Territorialização. In: GUSSO, G.; LOPES, J. M. C. (org.). Tratado de Medicina de Família e Comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed, 2012. p. 241-47.

BULGARELLI, A. F. et al. Formação em saúde com vivência no Sistema Único de Saúde (SUS): percepções de estudantes do curso de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 18, n. 49, p. 351-362, 2014.

BRANDÃO, E. R. M.; ROCHA, S. V; SILVA, S. S. Práticas de integração ensino-serviço-comunidade: reorientando a formação médica. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 37, n. 4, p. 573-577, 2013.

BRASIL. Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e no 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 out. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n° 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 20 jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Especialização em Saúde da Família: processo saúde-doença. São Paulo: UNIFESP, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. HumanizaSUS: a clínica ampliada. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 204, de 17 de fevereiro de 2016. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 fev. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 set. 2017. Disponível em: . Acesso em: 24 maio 2019.

CAMPOS, G. W. S.; PEREIRA-JÚNIOR, N. A Atenção Primária e o Programa Mais Médicos do Sistema Único de Saúde: conquistas e limites. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 9, p. 2655-2663, 2016.

CECCIM, R. B.; CARVALHO, Y. M. Ensino da saúde na integralidade: a educação dos profissionais de saúde no SUS. In: PINHEIRO, R.; CECCIM, R. B.; MATTOS, R. A. Ensinar saúde: a integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. Rio de Janeiro: CEPESC-IMS/UERJ/ABRASCO, 2011. p. 69-92.

CECCIM, R. B. Conexões e fronteiras da interprofissionalidade: forma e formação. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 22, supl. 2, p. 1739-1749, 2019. Disponível em: . Acesso em: 06 abr. 2019.

FONSÊCA, G. S. et al. Educação pelo trabalho: reorientando a formação de profissionais da saúde. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 18, n. 50, p. 571-583, 2014.

FONSÊCA, G. S.; JUNQUEIRA, S. R. Políticas de reorientação da formação, qualificação e provimento profissional em saúde: itinerários e interfaces das estratégias indutoras de mudanças. In: SILVA-FILHO, C. C.; GARCIA JÚNIOR, C. A.; KOVALESKI, D. F. (org.). VER-SUS Santa Catarina: itinerários (trans)formadores em saúde. Tubarão: Copiart, 2017. p. 118-152. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2019.

GOMEZ, C. M. Campo da Saúde do Trabalhador: trajetória, configurações e transformações. In: GOMEZ, C. M.; MACHADO, J. M. H.; PENA, P. G. L. (org.). Saúde do Trabalhador na Sociedade Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011. p. 23-34.

GUIZARDI, F. L. et al. A formação de profissionais orientada para a integralidade e as relações político-institucionais na saúde: uma discussão sobre ensino-trabalho. In: PINHEIRO, R.; CECCIM, R. B; MATTOS, R. A. (ed.). Ensinar saúde: a integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. Rio de Janeiro: CEPESC-IMS/UERJ/ABRASCO, 2011. p. 153-177.

GUSMÃO, R. C.; CECCIM, R. B.; DRACHLER, M. L. Tematizar o impacto na educação pelo trabalho em saúde: abrir gavetas, enunciar perguntas, escrever. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 19, n. 1, p. 695-707, 2015.

HAFNER, M. L. M. B. et al. A formação médica e a clínica ampliada: resultados de uma experiência brasileira. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, supl. 1, p. 1715-1724, 2010.

MACHADO, J. M. H. Perspectivas e pressupostos da vigilância em saúde do trabalhador no Brasil. In: GOMEZ, C. M.; MACHADO, J. M. H.; PENA, P. G. L. (org.). Saúde do Trabalhador na Sociedade Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011. p. 67-85.

MARANHÃO, T.; MATOS, I. B. Vivências no Sistema Único de Saúde (SUS) como marcadoras de acontecimento no campo da Saúde Coletiva. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 22, n. 64, p. 55-66, 2018.

MELLO, G. A.; FONTANELLA, B. J. B; DEMARZO, M. M. P. Atenção Básica e Atenção Primária à Saúde - origens e diferenças conceituais. Revista de APS, Juiz de Fora, v. 12, n. 2, p. 204-213, 2009.

NOGUEIRA, M. I. A reconstrução da formação médica nos novos cenários de prática: inovações no estilo de pensamento biomédico. Physis (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 909-930, 2014.

O’DWYER, G.; REIS, D. C. S.; SILVA, L. L. G. Integralidade, uma diretriz do SUS para a vigilância sanitária. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, supl. 3, p. 3351-3360, 2010.

OSMO, A.; SCHRAIBER, L. B. O campo da Saúde Coletiva no Brasil: definições e debates em sua constituição. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 24, supl. 1, p. 205-218, 2015.

PINHEIRO, T. M. M. et al. Saúde do Trabalhador. In: CAMPOS, G. W. S. et al. (org.). Tratado de Saúde Coletiva. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2012. p. 935-964.

PIZZINATO, A. et al. A integração ensino-serviço como estratégia na formação profissional para o SUS. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 36, n. 1, supl. 2, p. 170-177, 2012.

QUANDT, F. L. et al. Saúde Ambiental e atenção à saúde: construção e ressignificação de referências. Cad. Saúde Colet. (Rio J.)., Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 150-157, 2014.

ROHLFS, D. B. et al. A Construção da Vigilância em Saúde Ambiental no Brasil. Cad. Saúde Colet. (Rio J.)., Rio de Janeiro, v. 19, n. 4, p. 391-398, 2011.

SCHEFFER, M. Para muito além do Programa Mais Médicos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 9, p. 2664-2666, 2016.

SOUZA, J. V. G. S.; FRIESTINO, J. K. O.; FONSÊCA, G. S. Geografia e saúde na graduação em medicina: da territorialização à construção de um mapa inteligente no serviço. In: Anais... Dourados: Universidade Federal da Grande Dourados, 2017. p. 1088-95. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2019.

TAMBELLINI, A. T.; MIRANDA, A. C. Saúde e Ambiente. In: GIOVANELLA, L. et al. (org.). Políticas de Saúde no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: CEBES e Fiocruz, 2012. p. 1037-1073.

TOMASI, Y. T.; SOUZA, J. B.; MADUREIRA, V. S. F. Diagnóstico comunitário na estratégia saúde da família: potencialidades e desafios. Revista de Enfermagem UFPE on-line, Recife, v. 12, n.6, p. 1546-1553, 2018. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2019.

VENDRUSCULO, C. et al. Integração ensino-serviço e sua interface no contexto da reorientação da formação na saúde. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 20, n. 59, p. 1015-1025, 2016.

VIEIRA-DA-SILVA, L. M.; PAIM, J. S.; SCHRAIBER, L. B. O que é Saúde Coletiva? In: PAIM, J. S.; ALMEIDA-FILHO, N. (org.). Saúde Coletiva: teoria e prática. Rio de Janeiro: Medbook, 2014. p. 3-12.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.