SEMINÁRIOS AUTOPOIÉTICOS: DIÁLOGOS E PERCURSOS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE

Fabiana Schneider Pires, Graciela Soares Fonsêca, Carlos Botazzo

Resumo


Este artigo destaca o processo de construção de uma rede colaborativa entre trabalhadores, gestão e pesquisadores a partir de ações de Educação Permanente em Saúde (EPS). Tem o objetivo de relatar o desenvolvimento dos Seminários Autopoiéticos e tecer reflexões sobre seu potencial disparador de novas metodologias para o trabalho em saúde. Esta ação propôs rodas de conversas a partir da metodologia da problematização, trabalhando a construção de conhecimentos pela vivência de experiências significativas do cotidiano de trabalho dos participantes. Os participantes puderam repensar e rever o seu processo de trabalho, vislumbrado outras possibilidades para promover cuidado em saúde que emergiam de suas próprias críticas e reflexões, pelos exercícios da problematização, do diálogo e, consequentemente, da transformação do trabalho, preceitos básicos do movimento EPS. Os Seminários apontaram para uma autopoiese construída no e para o trabalho e estimularam novas configurações do ser e do fazer em saúde por um investimento do trabalhador em si e sobre seu processo de trabalho. Esta ação de EPS resultou em reconhecimento de si no trabalho, pois formalizou um espaço-tempo para o debate, reconhecendo fragilidades e forças e reconfigurando percursos na micropolítica cotidiano do trabalho em saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


BORDENAVE, J. D.; PEREIRA, A. M. Estratégias de ensino-aprendizagem. 24. ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 2002.

BOTAZZO, C. et al. Inovação na produção do cuidado em saúde bucal: possibilidades de uma nova abordagem na clínica odontológica para o Sistema Único de Saúde. Relatório Técnico. São Paulo, 2015.

BRASIL. Portaria GM/MS no 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília, 2007. Disponível em:

CARVALHO, B. G. Percepção dos médicos sobre o curso facilitadores de Educação Permanente em Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 35, n. 1, p. 132-141, 2011.

CECCIM, R. B. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 9, n. 16, p. 161-177, 2005.

DAL MOLIN, F.; FONSECA, T. M. G. Autopoiese e Sociedade: a posição estratégica do desejo na gestão de uma rede social. Psico (Porto Alegre), Porto Alegre, v. 39, n. 1, p. 100-106, 2008.

FARIA, R. M. B. Institucionalização da política de educação permanente para o Sistema Único de Saúde: Brasil, 1997-2006. 2008. [Tese]. São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, 2008.

FEUERWERKER, L. M. M. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação [Tese de livre-docência]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, 2012.

GUÉRON. R. Filosofia Política de Deleuze e Guattari: as relações com Marx. Revista Lugar Comum., Rio de Janeiro, v. 37-38, p. 157-172, 2012.

MATURANA, H.; VARELA, F. De máquinas e seres vivo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MERHY, E. E. O desafio que a educação permanente tem em si: a pedagogia da implicação. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 9, n. 16, p. 172-174, 2005.

MITRE, S. M. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 13, Supl. 2, p. 2133-2144, 2008.

PINHEIRO, R.; CECCIM, R. B. Experienciação, formação, cuidado e conhecimento em saúde: articulando concepções, percepções e sensações para efetivar o ensino da integralidade. In: PINHEIRO, R.; CECCIM, R. B.; MATTOS, R. A. (Edit.). Ensinar saúde: a integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. Rio de Janeiro: CEPESC: IMS/UFRJ: ABRASCO, 2011. p.13-35.

SCHWEICKARDT, J. C. et al. Educação permanente me saúde: desenvolvimento do trabalho e de trabalhadores no âmbito do sistema único de saúde. In: SCHWEICKARDT, J. C. et al. (Orgs.). Educação permanente em gestão regionalizada da saúde: saberes e fazeres no território do Amazonas. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2015. p. 55-86.

SILVA, J. A. M.; PEDUZZI, M. Educação no Trabalho na Atenção Primária à Saúde: interfaces entre a educação permanente em saúde e o agir comunicativo. Saúde Soc., São Paulo, v. 20, n. 4, p.1018-1032, 2011.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Docência na saúde: uma proposta didático-pedagógica. Brasília, DF: UFRGS/MS, 2015. 297p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.