EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UM ESTUDO DE CASO SOBRE SÍFILIS CONGÊNITA NO MUNICÍPIO DE ESTEIO NO RIO GRANDE DO SUL

Aline Coletto Sortica, Paulo Peixoto de Albuquerque

Resumo


A sífilis permanece como um sério problema de saúde pública, o grande número de casos em gestantes e seus parceiros têm levado ao aumento da sífilis congênita. O município de Esteio - Rio Grande do Sul foi o local de escolha para este estudo, por apresentar um número crescente de casos de sífilis congênita e conta em sua rede com a estrutura necessária para o cuidado no pré-natal, parto, nascimento, puerpério e atenção à saúde da criança. Teve como objetivos, identificar as potencialidades e fragilidades na Rede de Atenção à Saúde (RAS) do município, no que se refere a educação em saúde e ao cuidado às gestantes e parceiros com sífilis e às crianças com suspeita ou diagnóstico de sífilis congênita e contribuir com elementos para subsidiar estratégias de educação no que se refere ao enfrentamento da sífilis congênita. O estudo foi desenvolvido através de método qualitativo, tipo estudo de caso. Foram realizadas 13 entrevistas individuais com gestores, médicos e enfermeiros da Atenção Básica e maternidade, profissional da Vigilância em Saúde e Agentes Comunitários de Saúde, através de questionário com perguntas semiestruturadas, baseados no caso fictício de uma gestante com sífilis. As entrevistas foram transcritas e organizadas em categorias. Através da análise de discurso, pretendeu-se compreender à percepção dos entrevistados sobre o cuidado da sífilis congênita, frente8 à realidade municipal. Nos resultados verificou-se que os trabalhadores têm papel fundamental na participação das políticas de saúde e ensino na saúde. Na perspectiva dos entrevistados, emerge a complexidade do cuidado em saúde relacionado a uma IST, vinculada as dimensões técnica, de gestão, política, pedagógica, mas principalmente relacionadas a questões individuais e sociais da população.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprovar as seguintes diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 13 de junho de 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento Nacional de DST e Aids e Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde, 2015a, p. 119.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento Nacional de DST e Aids e Hepatites Virais. Boletim epidemiológico: Sífilis. v. 47. Ano V, n. 47. Brasília: 2016a.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde. Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Sífilis Congênita. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2016b.

DOMINGUES, R. M. S. M. et al. Sífilis Congênita: evento sentinela da qualidade da assistência pré-natal. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 47, n. 1, p. 147-517, 2013. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2016.

MAINGUENEAU, D. Discurso e análise do discurso. São Paulo: parábola Editorial, 2015, p. 192.

MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011, p. 549. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2015.

MERHY, E.E. et al. Em busca de ferramentas analisadoras das tecnologias em saúde: a informação e o dia a dia de um serviço, interrogando e gerindo trabalho em saúde. In: MERHY, E. E., ONOCKO R. (Org). Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Editora Hucitec, 1997, p. 113-150.

MINAYO, M.C.S. (Org). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 34. Ed. Petrópolis: Vozes, 2015, 80p.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Eliminação mundial da sífilis congénita: fundamento lógico e estratégia para acção. Geneva: OMS, 2008, 38p. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2015.

RIO GRANDE DO SUL. Estado do Rio Grande do Sul. Secretaria Estadual da Saúde. Comissão Intergestores Bipartite. Resolução n. 143, de 24 de março de 2014. Institui repasse financeiro para 55 municípios e Estado nos termos Portaria GM/MS n. 3276, de 26 de dezembro de 2013. Disponível em: . Acesso em: 19 de nov. 2015.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul. Departamento de Ações em Saúde. Coordenação Estadual de DST/Aids do Rio Grande do Sul. Informe Epidemiológico Sífilis 2016: Edição Especial, out. 2016. Disponível em: . Acesso em 01 nov. 2016.

SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Centro de Controle de Doenças. Programa Estadual de DST/Aids. Guia de bolso para o manejo da sífilis em gestante e sífilis congênita. São Paulo: Secretaria de Estado da Saúde, 2016, p. 112.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e método. 5. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2015, 290p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.