Navegar com arte, saúde e educação: ventos que movem o projeto geringonça

Daniele Noal Gai, Victória Jantsch Kroth, Andressa Girotto Camilotti

Resumo


Navegar desde a escola de assentamento da reforma agrária ao centro de atenção psicossocial: espaços que perambulamos com nossa Geringonça e nosso modo de ser Geringa. O que pensamos em educação está longe dos manuais tradicionais e/ou ortopédicos da saúde. O que inventamos para navegar e para agir em espaços diversos (e em meio a divergência, inclusive) de educação e de saúde, está distante da saúde que diagnostica afirmando incapacidades, faltas, defeitos, impossibilidades e limites. Desde a universidade à comunidade almejamos produzir encontros alegres e potencializadores de vida (aprendizagens e saúdes). Neste ensaio fotocartográfico mostramos percursos coletivos singulares em um Projeto que circula pela educação e pela saúde, e que afirma as pedagogias da diferença e a ecologia da vida. Projeto que se inscreve nas vidas de seus participantes, e uma vez participantes, autores escreventes: crianças com e sem deficiência, adultos em processo de graduação ou pós-graduação, usuários de saúde mental. Trata-se de uma pesquisa cartográfica. O que afirmamos na universidade diz respeito à multiplicidade e à composição, sendo inseparável – ao nosso modo e nosso fazer –, o ensino, a extensão e a pesquisa. Concluímos sugerindo que façamos com singeleza exercícios de pesquisa (ensino e extensão): geringonça, multiprofissional, entre-filosofias, com-pedagogias, na diferença diferindo.


Texto completo:

PDF

Referências


DELIGNY, F. O aracniano e outros textos. São Paulo: N1-edições, 2015.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 41. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

_____________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 31. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2017.

MATURANA, H. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002.

MATURANA, H; VARELA, F. De máquinas e seres vivos: autopoiese - a organização do vivo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MELLO, L. C. Nise da Silveira. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2009.

NEGRI, A.; HARDT, M. Declaração: isto não é um manifesto. São Paulo: N1-edições, 2016.

ONFRAY, M. Contra-história da filosofia: os libertinos barrocos. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

PROJETO GERINGONÇA. Memórias do Projeto Geringonça. Faculdade de Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2018.

SPINOZA, B. Ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

VALENÇA, F.; CARBONAI, D. Novos atores em movimento: o veganismo como prática política. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2018.

VALEK, A. Sejamos todos feministas, 2014. Disponível em: . Acesso em: 27 jul. 2018.

Referência fílmica

Nise: O coração da loucura. Direção: Roberto Berliner; 1h46min. Brasil, 2016.

Nise da Silveira. Posfácio: imagens do inconsciente. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2018.

Nise da Silveira, uma vida uma obra. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.